Mu­ni­ci­pa­li­za­ção da Edu­ca­ção é de­sa­fio pa­ra as au­to­ri­da­de

En­con­tro re­co­men­da ape­tre­cha­men­to de es­co­las em mo­bi­liá­rio e la­bo­ra­tó­ri­os

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTORINO JO­A­QUIM|

A mu­ni­ci­pa­li­za­ção dos ser­vi­ços de Edu­ca­ção é um dos mai­o­res de­sa­fi­os do sec­tor pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des pon­tu­ais de ma­nu­ten­ção, for­ne­ci­men­to de ener­gia, água, sa­ne­a­men­to bá­si­co e ou­tros ser­vi­ços nas es­co­las.

O as­sun­to foi dis­cu­ti­do no Con­se­lho de Di­rec­ção Alar­ga­do do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção de Lu­an­da. Os par­ti­ci­pan­tes no en­con­tro re­co­men­da­ram ain­da o ape­tre­cha­men­to das es­co­las em mo­bi­liá­rio, ma­nu­ais es­co­la­res, la­bo­ra­tó­ri­os e equi­pa­men­tos des­por­ti­vos e kits pa­ra os pri­mei­ros so­cor­ros.

No co­mu­ni­ca­do fi­nal, os par­ti­ci­pan­tes de­fen­dem mai­or en­vol­vi­men­to dos pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção na vi­da dos edu­can­dos, cri­an­do po­lí­ti­cas de pro­xi­mi­da­de e in­te­rac­ção Es­co­la-Fa­mí­lia.

Os par­ti­ci­pan­tes de­fen­de­ram ain­da o pa­ga­men­to de sub­sí­dio de iso­la­men­to e ou­tros in­cen­ti­vos aos fun­ci­o­ná­ri­os que tra­ba­lham nas áre­as afas­ta­das (Be­las, Ico­lo e Ben­go e Qui­ça­ma) e a cons­tru­ção de re­si­dên­ci­as pa­ra os pro­fes­so­res, par­ti­cu­lar­men­te dos mu­ni­cí­pi­os do Ico­lo e Ben­go e da Qui­ça­ma.

O en­con­tro, que reu­niu che­fes de de­par­ta­men­to e de sec­ção do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al, di­rec­to­res mu­ni­ci­pais, che­fes de re­par­ti­ções dis­tri­tais e di­rec­to­res de es­co­las, ana­li­sou o es­ta­do da edu­ca­ção e en­si­no da pro­vín­cia de Lu­an­da, a pre­pa­ra­ção do ano lec­ti­vo de 2017 e pers­pec­ti­vou ac­ções des­ti­na­das ao me­lho­ra­men­to do fun­ci­o­na­men­to das es­co­las. O Con­se­lho de Di­rec­ção Alar­ga­do dis­cu­tiu tam­bém os re­la­tó­ri­os das di­rec­ções mu­ni­ci­pais.

Os par­ti­ci­pan­tes con­cluí­ram que exis­tem es­co­las sem la­bo­ra­tó­ri­os, bi­bli­o­te­cas, car­tei­ras, qua­dros, cam­pos mul­tiu­sos, can­ti­nas es­co­la­res. A par dis­so, mui­tos es­ta­be­le­ci­men­tos es­co­la­res ca­re­cem de pro­fes­so­res.

O en­con­tro cons­ta­tou que mui­tos pro­fes­so­res es­tão des­mo­ti­va­dos por fal­ta de pro­mo­ções de ca­te­go­ri­as. Além dis­so, em al­gu­mas si­tu­a­ções, a car­ga ho­rá­ria é ex­ces­si­va e não há pa­ga­men­to de ho­ras ex­tras, o que se re­flec­te na qua­li­da­de de en­si­no.

No dis­cur­so de en­cer­ra­men­to, o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al de Edu­ca­ção de Lu­an­da, An­dré So­ma, dis­se que é pre­ci­so de­li­ne­ar es­tra­té­gi­as e for­mas ade­qua­das de tor­nar a es­co­la efi­caz na pro­du­ção de ta­len­tos e ci­da­dãos com per­so­na­li­da­des for­te­men­te ta­lha­das pa­ra as exi­gên­ci­as so­ci­ais.

Pa­ra o cum­pri­men­to des­ta ta­re­fa, su­bli­nhou, é fun­da­men­tal a as­sump­ção de uma ati­tu­de de com­pro­mis­so sé­rio e res­pon­sá­vel com a cau­sa da edu­ca­ção, aban­do­nan­do ve­lhas prá­ti­cas e pro­ce­di­men­tos que se re­ve­la­ram ina­de­qua­dos e per­ni­ci­o­sos à fun­ção so­ci­al da es­co­la. “Os tem­pos que cor­rem de­sa­fi­am a es­co­la a sair da re­pe­ti­ção me­câ­ni­ca de ac­ções que a tor­nam som­bria e pou­co atrac­ti­va e mo­ti­va­do­ra pa­ra a apren­di­za­gem”, re­fe­riu.

As­sim, “pa­ra co­nhe­cer­mos se efec­ti­va­men­te o que se faz na es­co­la e pe­la es­co­la cor­res­pon­de às ex­pec­ta­ti­vas que se es­pe­ra”, im­põe-se co­mo exer­cí­cio a ava­li­a­ção de to­do o pro­ces­so ine­ren­te à or­ga­ni­za­ção e ges­tão es­co­lar.

NUNO FLASH

Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção de­fen­de mai­or in­te­rac­ção en­tre pais e pro­fes­so­res pa­ra ga­ran­tir me­lhor apro­vei­ta­men­to dos alu­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.