A ní­vel do país es­tão im­plan­ta­dos 595 cen­tros de for­ma­ção con­tro­la­dos por ins­ti­tui­ções pri­va­das e es­ta­tais dos quais 140 pe­lo INEFOP sob ori­en­ta­ção do MAPTSS

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

Cen­tros mó­veis

Os cen­tros mó­veis têm ser­vi­do pa­ra for­mar pes­so­as que vi­vem em zo­nas de difícil aces­so. Já che­gou até à co­mu­na de Ca­tui­tui, zo­na que faz fron­tei­ra com a Zâm­bia, pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go e Ca­zom­bo, na pro­vín­cia do Mo­xi­co.

Os cur­sos mais pro­cu­ra­dos a ní­vel dos cen­tros de for­ma­ção têm si­do o de in­for­má­ti­ca, elec­tri­ci­da­de, con­ta­bi­li­da­de, ges­tão de em­pre­sas e ban­cá­rio, especialidades in­for­má­ti­cas e trans­ver­sal.

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Em­pre­go con­ta com l.232 for­ma­do­res, de­vi­da­men­te es­pe­ci­a­li­za­dos. Es­te ano foi im­ple­men­ta­do o cur­so da agri­cul­tu­ra ten­do em con­ta a si­tu­a­ção ac­tu­al que o país vi­ve, que pas­sa pe­la di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. O CLESE es­tá em dez pro­vín­ci­as do país e tem a fi­na­li­da­de de mu­dar as co­mu­ni­da­des por via do em­pre­en­de­do­ris­mo, en­si­na os jo­vens a ter um do­mí­nio bá­si­co na ges­tão da sua con­ta e a ter do­mí­nio da con­ta­bi­li­da­de bá­si­ca pa­ra ne­gó­ci­os e mar­ke­ting. Com es­te pro­gra­ma de for­ma­ção, mui­tos vêem as su­as vi­das mu­da­das e tor­nam-se mais úteis à so­ci­e­da­de.

O CLESE tem cur­sos de in­for­má­ti­ca, ser­ra­lha­ria, car­pin­ta­ria, alu­mí­nio, cons­tru­ção ci­vil, ca­na­li­za­ção, pa­ni­fi­ca­ção, cos­tu­ra in­dus­tri­al, elec­tri­ci­da­de, in­for­má­ti­ca e re­pa­ra­ção de com­pu­ta­do­res. Es­tes cur­sos dão ao ci­da­dão uma ca­pa­ci­ta­ção em­pre­sa­ri­al, as­ses­so­ria ju­rí­di­ca, con­ta­bi­lís­ti­ca e fi­nan­cei­ra.

A for­ma­ção pro­fis­si­o­nal dos des­mo­bi­li­za­dos de gu­er­ra e de ou­tros gru­pos vul­ne­rá­veis, a re­a­bi­li­ta­ção pro­fis­si­o­nal dos mu­ti­la­dos de gu­er­ra e de ou­tros es­tra­tos ví­ti­mas de gu­er­ra têm si­do im­ple­men­ta­dos. E os ob­jec­ti­vos do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal (SNFP) pas­sam pe­la for­ma­ção pro­fis­si­o­nal ini­ci­al de jo­vens e adul­tos se­mi-qua­li­fi­ca­dos ou não qua­li­fi­ca­dos.

Cen­tro in­te­gra­do

O Cen­tro In­te­gra­do de For­ma­ção da Lun­da Sul é dos mais mo­der­nos do país e de­pois da sua re­a­bi­li­ta­ção tem da­do opor­tu­ni­da­des a jo­vens que não pu­de­ram ter for­ma­ção no en­si­no re­gu­lar. Só o ano pas­sa­do, ins­cre­ve­ram-se 1.404 alu­nos, 911 fo­ram ma­tri­cu­la­dos, dos quais 725 con­se­gui­ram ter­mi­nar a for­ma­ção, sen­do 384 ho­mens e 341 mu­lhe­res.

O cen­tro pas­sou de mu­ni­ci­pal pa­ra re­gi­o­nal e ac­tu­al­men­te aten­de as pro­vín­ci­as da Lun­da Nor­te, Mo­xi­co e Ma­lan­je. O ano pas­sa­do te­ve no­ve cur­sos dis­po­ní­veis e pa­ra es­te ano o ci­clo au­men­tou pa­ra 14. A pers­pec­ti­va é ar­ran­car com 21.

Os cur­sos dis­po­ní­veis no cen­tro são os de Cu­li­ná­ria, Re­cep­ção, Me­sa e Bar, In­for­má­ti­ca, Elec­tri­ci­da­de Au­to, Elec­tri­ci­da­de Pre­di­al, Frio, Hard­ware, Au­to Card, Ener­gia Re­no­vá­vel, Sol­da­du­ra In­dus­tri­al, Me­ca­tró­ni­ca e Hi­dráu­li­ca (ca­na­li­za­ção).

O cen­tro tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 1.200 for­man­dos nos dois pe­río­dos. Tem dez la­bo­ra­tó­ri­os, igual nú­me­ro de sa­las teó­ri­cas, um edi­fí­cio ad­mi­nis­tra­ti­vo, au­di­tó­rio, pos­to mé­di­co e res­tau­ran­te.

A for­ça de tra­ba­lho do cen­tro é composta por uma equi­pa de 48 fun­ci­o­ná­ri­os, tem 38 for­ma­do­res em áre­as di­ver­sas, pes­so­al ad­mi­nis­tra­ti­vo e fun­ci­o­ná­ri­os de ou­tros ser­vi­ços.

Os cur­sos são clas­si­fi­ca­dos por ní­veis, I, II, III e IV. Pa­ra es­te úl­ti­mo grau é exi­gi­do um tes­te de ad­mis­são dos in­te­res­sa­dos, por­que os po­ten­ci­ais for­man­dos são jo­vens que ter­mi­na­ram a 12ª clas­se mas que es­tão sem es­tu­dar du­ran­te mui­to tem­po.

Tam­bém exis­tem ca­sos de for­man­dos sem qual­quer es­co­la­ri­da­de, que são sub­me­ti­dos a um tes­te ver­bal, e de­pois in­se­ri­dos nos cur­sos de ní­veis mais bai­xos.

O di­rec­tor do cen­tro, Abel Pin­to, dis­se que al­guns cur­sos fo­ram adap­ta­dos de acor­do com a re­a­li­da­de da pro­vín­cia. “É pre­ci­so que as pes­so­as to­mem atenção que ape­sar de te­rem já uma li­cen­ci­a­tu­ra é sem­pre bom ir em bus­ca da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, on­de a com­po­nen­te for­ma­ção é mais prá­ti­ca”, dis­se. Os for­man­dos são apro­vei­ta­dos atra­vés do Cen­tro de Em­pre­go e a mé­dia anu­al dos alu­nos apro­vei­ta­dos é de 251 for­man­dos. A in­dús­tria é o sec­tor que mais em­pre­ga, mas tam­bém nas áre­as da cons­tru­ção ci­vil e ho­te­la­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.