CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ÂNGELA FRAN­CIS­CO APOLINÁRIO AN­TÓ­NIO ARMÉNIO SIL­VA FI­LO­ME­NA DA CON­CEI­ÇÃO

O pre­ço do pão

Es­tou sa­tis­fei­ta com o fac­to de as au­to­ri­da­des es­ta­rem a fa­zer tu­do pa­ra que bai­xe ra­pi­da­men­te o pre­ço do pão. Sou mãe de qua­tro fi­lhos me­no­res e o pão é mui­to con­su­mi­do em mi­nha ca­sa. Acre­di­to que is­to acon­te­ce em mui­tos la­res do nos­so país. Es­pe­ro que as me­di­das que as au­to­ri­da­des es­tão a to­mar ve­nham a sur­tir os efei­tos de­se­ja­dos. É bom sa­ber que os go­ver­nan­tes es­tão pre­o­cu­pa­dos com a si­tu­a­ção de mui­tas fa­mí­li­as com pou­cos ren­di­men­tos e que pre­ci­sam de com­prar pro­du­tos bá­si­cos a bai­xos pre­ços, en­tre os quais figura o pão.

Acon­se­lho as au­to­ri­da­des a ac­tu­a­rem com mais ri­gor pa­ra se neu­tra­li­zar as ac­ções dos es­pe­cu­la­do­res, que fa­zem uso de prá­ti­cas des­ti­na­das a en­ca­re­cer o pre­ço do pão. Em tem­po de cri­se mui­tas coi­sas más acon­te­cem. Foi as­sim nou­tros paí­ses do mun­do e em di­fe­ren­tes épo­cas. Mui­ta gen­te se apro­vei­ta das si­tu­a­ções de cri­se pa­ra en­ri­que­cer ra­pi­da­men­te. O Es­ta­do tem de es­tar aten­to no nos­so país às prá­ti­cas ile­gais e pu­nir to­dos os que in­cor­rem em vi­o­la­ção das nos­sas leis re­la­ti­vas às ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas. Se o pre­ço do pão efec­ti­va­men­te bai­xar, dar-se-á um pas­so im­por­tan­te pa­ra aju­dar as fa­mí­li­as po­bres .

Qua­dro de hon­ra

Há es­co­las pri­va­das que de­ci­di­ram co­lo­car, tri­mes­tral­men­te, no qua­dro de hon­ra, os seus me­lho­res alu­nos, de di­fe­ren­tes ní­veis. Pen­so que é uma ideia acer­ta­da, uma vez que is­so in­cen­ti­va os alu­nos a es­tu­dar mais, pois to­dos po­de­rão em prin­ci­pio ter a pre­ten­são de um dia es­tar en­tre os me­lho­res da es­co­la.

Quan­do fui es­tu­dan­te num li­ceu de Lu­an­da (quan­do ain­da ha­via li­ceus ) fui pe­lo me­nos du­as ve­zes ao qua­dro de hon­ra (no 1ºa­no) e es­te fac­to le­va­va-me a es­tu­dar ca­da vez mais e tam­bém in­cen­ti­va­va os meus co­le­gas que que­ri­am su­pe­rar-me. A com­pe­ti­ção é sa­lu­tar, so­bre­tu­do quan­do se tra­ta de con­tri­buir pa­ra o me­lho­ra­men­to do de­sem­pe­nho dos alu­nos.

Gos­ta­va que as es­co­las pú­bli­cas res­ta­be­le­ces­sem o qua­dro de hon­ra, pa­ra que to­da a agen­te sai­ba quais são os me­lho­res alu­nos da es­co­la.

Di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia

Es­pe­ci­a­lis­tas di­zem que a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia po­de le­var mui­tos anos. Eles afir­mam que não é de um dia par ou­tro que se di­ver­si­fi­ca a eco­no­mia. É, en­tre­tan­to, po­si­ti­vo que os nos­sos em­pre­sá­ri­os es­te­jam com­ple­ta­men­te dis­po­ní­veis pa­ra avan­çar com pro­jec­tos pro­du­ti­vos am­bi­ci­o­sos cen­tra­dos na di­ver­si­fi­ca­ção da pro­du­ção.

As au­to­ri­da­des já per­ce­be­ram que os em­pre­sá­ri­os são, têm de ser, os prin­ci­pais par­cei­ros nes­te pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. É tem­po, em fa­ce da difícil si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que atra­ves­sa­mos, de se pas­sar de­fi­ni­ti­va­men­te a va­lo­ri­zar o em­pre­sá­rio, se­ja ele na­ci­o­nal ou es­tran­gei­ro. Pre­ci­sa­mos ho­je de mui­to in­ves­ti­men­to pri­va­do, pa­ra que a eco­no­mia cres­ça. O Es­ta­do não dis­põe de mui­tos re­cur­sos fi­nan­cei­ros co­mo no pas­sa­do, quan­do o pre­ço do pe­tró­leo es­ta­va al­to. Não se de­vem cri­ar di­fi­cul­da­des aos em­pre­sá­ri­os que que­rem apli­car os seus ca­pi­tais no país. É pre­ci­so aca­bar com prá­ti­cas ne­ga­ti­vas que só pa­ra­li­sam ini­ci­a­ti­vas pri­va­das .

As bo­as ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais, que vão no sen­ti­do de di­ver­si­fi­car a nos­sa pro­du­ção e de, con­se­quen­te­men­te, ge­rar em­pre­gos e ri­que­za, são sem­pre bem-vin­das. Não há tem­po a per­der. Tra­var, por ra­zões in­jus­ti­fi­cá­veis, ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais é im­pe­dir o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de An­go­la.

So­li­da­ri­e­da­de com os ido­sos

Gos­ta­va que hou­ves­se mais so­li­da­ri­e­da­de com os mais ve­lhos de­sam­pa­ra­dos. Há in­fe­liz­men­te mui­tos ido­sos que são aban­do­na­dos pe­los seus fa­mi­li­a­res, e era bom que a so­ci­e­da­de fi­zes­se, de for­ma or­ga­ni­za­da, al­gu­ma coi­sa pa­ra pro­te­ger es­ta ca­ma­da da nos­sa po­pu­la­ção que de­ve me­re­cer o nos­so res­pei­to.

É pre­ci­so que se con­de­nem e pu­nam os ac­tos que aten­tam con­tra a vi­da ou o bem-es­tar dos ido­sos. Os ido­sos são um seg­men­to vul­ne­rá­vel, pe­lo que se jus­ti­fi­ca que se pres­te mai­or atenção a pes­so­as que, de­vi­do à sua ida­de, es­tão de­pen­den­tes de ou­tras, no­me­a­da­men­te fa­mi­li­a­res, que mui­tas ve­zes não lhes dão a de­vi­da as­sis­tên­cia.

CA­SI­MI­RO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.