Vídeo ofi­ci­al mos­tra prai­as idí­li­cas mas es­con­de mor­tes e des­trui­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - GE­OR­GE BAGDADI

Prai­as idí­li­cas e ba­nhis­tas des­fru­tan­do das águas do Me­di­ter­râ­neo é a ima­gem que o Mi­nis­té­rio de Tu­ris­mo da Sí­ria mos­tra do país num vídeo pro­mo­ci­o­nal que cau­sou po­lé­mi­ca por ig­no­rar a trá­gi­ca re­a­li­da­de de um país de­vas­ta­do pe­la gu­er­ra.

Os res­pon­sá­veis tu­rís­ti­cos ale­gam, no en­tan­to, que o ob­jec­ti­vo des­ta ini­ci­a­ti­va é atrair vi­si­tan­tes sí­ri­os e não es­tran­gei­ros. O vídeo, de um mi­nu­to e 43 se­gun­dos e in­ti­tu­la­do “Sí­ria, sem­pre bonita”, foi fil­ma­do com dro­nes, que cap­ta­ram prai­as de areia dou­ra­da abar­ro­ta­das de gen­te e mo­tos aquá­ti­cas sul­can­do o mar, ao rit­mo da can­ção “Fa­ded”, de Alan Wal­ker.

As pal­mei­ras e os gu­ar­das-sol ga­ran­tem uma es­té­ti­ca de fé­ri­as à ce­na, en­quan­to atra­vés do zo­om da câ­me­ra se des­co­bre uma pai­sa­gem ver­de e uma ci­da­de jun­to à praia. Os co­men­tá­ri­os que cir­cu­lam pe­la in­ter­net so­bre o vídeo vão des­de os de que se ale­gram pe­la di­vul­ga­ção da be­le­za da Sí­ria até aos de pes­so­as que o cri­ti­cam, da­da a si­tu­a­ção ac­tu­al do país.

No iní­cio des­ta se­ma­na, por exem­plo, Tar­tus, um dos prin­ci­pais des­ti­nos tu­rís­ti­cos da Sí­ria jun­to à cos­ta me­di­ter­râ­nea, foi gol­pe­a­do por um du­plo aten­ta­do, rei­vin­di­ca­do pe­lo gru­po ter­ro­ris­ta Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI), que dei­xou 30 mor­tos e 45 fe­ri­dos, se­gun­do fon­tes ofi­ci­ais.

Lon­ge fi­cam os tem­pos de an­tes da gu­er­ra, quan­do a Sí­ria ti­nha uma flo­res­cen­te in­dús­tria tu­rís­ti­ca, que re­ce­beu 8,5 mi­lhões de vi­si­tan­tes em 2010. Pa­ra es­ti­mu­lar o sec­tor, o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo pu­bli­cou uma de­ze­na de ví­de­os pro­mo­ci­o­nais nas úl­ti­mas três se­ma­nas. Um de­les es­tá de­di­ca­do aos lo­cais his­tó­ri­cos, co­mo Palmira, cu­jas ruí­nas gre­co-ro­ma­nas são Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da Unesco, e que até Mar­ço des­te ano es­ta­va sob do­mí­nio do EI, até que o exér­ci­to a re­cu­pe­rou.

Nou­tra das gra­va­ções apa­re­ce um car­ro de cor­ri­das em mo­vi­men­to com a men­sa­gem em in­glês “A ro­da da vi­da nun­ca pá­ra”. Pa­ra o as­ses­sor do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo, Ay­man Qahaf, os ví­de­os pro­mo­ci­o­nais dão uma ideia so­bre “a ci­vi­li­za­ção, a his­tó­ria e a be­le­za do país con­tra o qual o mun­do cons­pi­ra pa­ra des­trui-lo”.

“Mos­tram a von­ta­de do po­vo sí­rio de vi­ver, não são pa­ra atrair tu­ris­tas es­tran­gei­ros pa­ra que pas­sem as su­as fé­ri­as aqui”, de­cla­rou Qahaf à Efe.Qahaf ex­pli­cou que a po­lí­ti­ca do seu de­par­ta­men­to é atrair fa­mí­li­as sí­ri­as, prin­ci­pal­men­te aque­las com re­cei­tas li­mi­ta­das pa­ra que des­fru­tem de fé­ri­as no li­to­ral a pre­ços ra­zoá­veis.

O pró­prio mi­nis­tro de Tu­ris­mo, Bisher Ya­zedyi, mos­tra-se op­ti­mis­ta na sua pá­gi­na pes­so­al de Fa­ce­bo­ok, na qual re­cen­te­men­te afir­mou que o nú­me­ro de vi­si­tan­tes ti­nha au­men­ta­do 30% na Sí­ria em re­la­ção ao ano pas­sa­do.

Pos­si­vel­men­te, es­te op­ti­mis­mo de Ya­zedyi de­ve-se aos re­cen­tes avan­ços do exér­ci­to sí­rio, que, em co­la­bo­ra­ção com as for­ças rus­sas des­ta­ca­das no país ára­be, ar­re­ba­ta­ram am­plos ter­ri­tó­ri­os do EI e ou­tros gru­pos. Além dis­so, al­guns tu­ris­tas es­tran­gei­ros apa­ren­te­men­te vi­si­ta­ram o ter­ri­tó­rio sí­rio es­te ano.

As­sim ga­ran­tiu à Efe Mah­moud Ar­nut, do­no da agên­cia de vi­a­gens Mith­ra, que as­se­gu­ra que até ago­ra em 2016 re­ce­beu 11 gru­pos de tu­ris­tas eu­ro­peus; en­quan­to em 2015 fo­ram no­ve. Fran­ça, Es­pa­nha, Itá­lia, Is­lân­dia, Di­na­mar­ca, Sué­cia e No­ru­e­ga são al­gu­mas das na­ci­o­na­li­da­des dos vi­si­tan­tes que su­pos­ta­men­te vi­a­ja­ram a Sí­ria, se­gun­do Ar­nut, con­tra­ri­an­do as re­co­men­da­ções de mui­tos go­ver­nos.

“No pró­xi­mo mês, um gru­po de 43 tu­ris­tas fran­ce­ses vi­rá à Sí­ria pas­sar uma se­ma­na, e an­tes eu irei a Pa­ris pa­ra pro­mo­ver o meu be­lo país”, an­te­ci­pou Ar­nut, que afir­mou que no ano pas­sa­do ele mes­mo es­te­ve em Es­tras­bur­go pa­ra fa­lar ao par­la­men­to eu­ro­peu so­bre a Sí­ria.Os tu­ris­tas que che­gam à Sí­ria atra­vés da agên­cia de Ar­nut vi­si­tam Da­mas­co, Homs, Ha­ma, o Krak dos Ca­va­lei­ros, Tar­tus e La­ta­kia, as­sim co­mo lu­ga­res re­li­gi­o­sos em ter­ri­tó­ri­os se­gu­ros, a mai­o­ria per­to da ca­pi­tal, co­mo Ma­lu­la e Seid­naya.

Ape­sar de mui­tas com­pa­nhi­as aé­re­as co­mer­ci­ais te­rem dei­xa­do de ope­rar até Da­mas­co após o iní­cio da Gu­er­ra, em Mar­ço de 2011, ain­da há vo­os di­re­tos de paí­ses co­mo Lí­ba­no, Egip­to, Ar­gé­lia, Su­dão, Jor­dâ­nia, Rús­sia e Irão, en­tre ou­tros.Ape­sar das ten­ta­ti­vas das au­to­ri­da­des tu­rís­ti­cas, a Sí­ria, após cin­co anos de gu­er­ra, dei­xou de ser um dos paí­ses mais li­be­rais da re­gião, com uma ce­na cul­tu­ral, gas­tro­nó­mi­ca e de la­zer cres­cen­tes, pa­ra se tor­nar num lu­gar em ruí­nas com mais de 280 mil mor­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.