Bai­xam as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra a Zo­na Eu­ro

PA­RA OS PRÓ­XI­MOS DOIS ANOS

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE) re­viu li­gei­ra­men­te em al­ta a pre­vi­são pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co na zo­na do eu­ro em 2016, bai­xan­do con­tu­do pa­ra 2017 e 2018, mas man­te­ve inal­te­ra­das as pre­vi­sões de in­fla­ção, dis­se o seu pre­si­den­te, Ma­rio Draghi.

A ins­ti­tui­ção mo­ne­tá­ria se­di­a­da em Frank­furt es­pe­ra ago­ra um cres­ci­men­to do pro­du­to in­ter­no bru­to (PIB) da zo­na do eu­ro de 1,7 por cen­to em 2016, con­tra a pre­vi­são de 1,6 por cen­to em Ju­nho.

Mas adi­an­tou que a eco­no­mia eu­ro­peia não de­ve cres­cer mais do que 1,6 por cen­to em 2017 e em 2018, o que con­tras­ta com o 1,7 an­te­ri­or­men­te es­ti­ma­do pa­ra es­tes anos, afir­mou Ma­rio Draghi, nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa. Já em Ju­nho, du­ran­te o anún­cio das pre­vi­sões ma­cro­e­co­nó­mi­cas an­te­ri­o­res do BCE, a ins­ti­tui­ção mo­ne­tá­ria ti­nha-se mos­tra­do mais op­ti­mis­ta pa­ra 2016, re­ven­do, no en­tan­to, em bai­xa as su­as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra 2018.

O BCE con­ti­nua a es­pe­rar uma re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca “a um rit­mo mo­de­ra­do, mas fir­me”, ape­sar da exis­tên­cia de al­guns ris­cos, afir­mou Ma­rio Draghi, de­pois da reu­nião de po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria do Con­se­lho de Go­ver­na­do­res da ins­ti­tui­ção.

O Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu vol­tou ho­je a dei­xar a ta­xa de ju­ro di­rec­to­ra inal­te­ra­da em ze­ro por cen­to, um mí­ni­mo his­tó­ri­co que man­tém des­de Mar­ço e in­di­cou tam­bém que a ta­xa de ju­ro apli­cá­vel à fa­ci­li­da­de per­ma­nen­te de ce­dên­cia de li­qui­dez se man­tém em 0,25 por cen­to des­de Mar­ço, quan­do foi re­du­zi­da, as­sim co­mo a ta­xa de de­pó­si­tos fi­ca inal­te­ra­da em -0,40 por cen­to, es­tan­do em ter­ri­tó­rio ne­ga­ti­vo des­de Ju­nho de 2014. A ma­nu­ten­ção das ta­xas já era aguar­da­da pe­los ana­lis­tas, mas, ao con­trá­rio do que mui­tos acre­di­ta­vam, o BCE não de­ci­diu pro­lon­gar o pro­gra­ma de com­pra de ac­ti­vos, o cha­ma­do ‘quan­ti­ta­ti­ve ea­sing’, em mar­cha des­de Mar­ço de 2015, pa­ra re­di­na­mi­zar os pre­ços e a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca na Zo­na Eu­ro.

“No mo­men­to, não há uma mu­dan­ça su­fi­ci­en­te­men­te im­por­tan­te que jus­ti­fi­que uma ac­ção (do BCE). A nos­sa po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria é efi­caz”, afir­mou Ma­rio Draghi, acres­cen­tan­do que is­so não põe em cau­sa a sua “von­ta­de ou ca­pa­ci­da­de de agir”, se ne­ces­sá­rio. Em ma­té­ria de in­fla­ção, as ex­pec­ta­ti­vas do BCE man­ti­ve­ram-se inal­te­ra­das fa­ce às de Ju­nho, pe­lo que os pre­ços na Zo­na Eu­ro de­ve­rão­cres­cer 0,2 por cen­to em 2016, 1,2 em 2017, an­tes de ace­le­rar pa­ra 1,6 em 2018.

O ob­jec­ti­vo do Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu é uma in­fla­ção per­to de 2,0 por cen­to no mé­dio pra­zo. De­pois de mui­ta ex­pec­ta­ti­va em re­la­ção às al­te­ra­ções que o Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE) po­dia im­ple­men­tar na sua po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria, as no­vi­da­des fo­ram pra­ti­ca­men­te nu­las, de­si­lu­din­do o mer­ca­do. Ma­rio Draghi man­te­ve as ta­xas de ju­ro inal­te­ra­das e re­for­çou ape­nas que o pla­no de com­pra de ac­ti­vos de 80 mil mi­lhões men­sais é pa­ra con­ti­nu­ar e po­dia pro­lon­gar-se de­pois de Mar­ço de 2017, mas ga­ran­tiu que o alar­ga­men­to do pro­gra­ma não foi dis­cu­ti­do – ape­sar de ter re­ve­la­do que os co­mi­tés do BCE es­ta­vam a es­tu­dar ou­tras op­ções de ac­ti­vos que a ins­ti­tui­ção ban­cá­ria po­de com­prar pa­ra ul­tra­pas­sar a ca­da vez me­nor dis­po­ni­bi­li­da­de de ac­ti­vos, ele­gí­veis pa­ra o pro­gra­ma de quan­ti­ta­ti­ve ea­sing (QE) do ban­co cen­tral.

AFP

Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu aguar­da por uma re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca mo­de­ra­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.