Es­tá na for­ja uma re­vo­lu­ção na dis­ci­pli­na

No­vos do­nos têm pla­no pa­ra res­ga­tar o pres­tí­gio e a com­pe­ti­ti­vi­da­de do Cam­pe­o­na­to Mun­di­al

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Há mui­to que não se fa­zem len­das com o ca­ris­ma que Ju­an Ma­nu­el Fan­gio, Ayr­ton Sen­na ou Mi­cha­el Schu­ma­cher imor­ta­li­za­ram nas pis­tas da Fór­mu­la 1. A mo­da­li­da­de rai­nha do au­to­mo­bi­lis­mo tem vin­do a per­der emo­ção, pres­tí­gio e, so­bre­tu­do, vi­si­bi­li­da­de ao lon­go dos úl­ti­mos anos, em­bo­ra con­ti­nue a mo­vi­men­tar bi­liões de eu­ros to­das as tem­po­ra­das. Um ce­ná­rio de de­clí­nio que pro­me­te ser con­tra­ri­a­do pe­la in­ter­ven­ção de John Ma­lo­ne, mag­na­ta nor­te­a­me­ri­ca­no que aca­ba de in­ves­tir cer­ca de se­te mil mi­lhões de eu­ros pa­ra ad­qui­rir os di­rei­tos co­mer­ci­ais da com­pe­ti­ção. Es­tá na for­ja uma re­vo­lu­ção que po­de re­pre­sen­tar um novo fô­le­go pa­ra es­te des­por­to.

As mu­dan­ças co­me­çam lo­go pe­la hi­e­rar­quia de co­man­do, com a en­tra­da em ce­na do novo pre­si­den­te, Cha­se Ca­rey. “Va­mos le­var es­ta mo­da­li­da­de pa­ra um novo ní­vel”, pro­me­teu de ime­di­a­to o po­de­ro­so di­ri­gen­te, que é tam­bém vi­ce-pre­si­den­te do gru­po de co­mu­ni­ca­ção e ci­ne­ma 21st Cen­tury Fox.

Cha­se Ca­rey, con­si­de­ra­do pe­la re­vis­ta Va­nity Fair o se­gun­do ho­mem com o bi­go­de mais po­de­ro­so do Mun­do, ten­ci­o­na co­lo­car to­da a sua ex­pe­ri­ên­cia na área da co­mu­ni­ca­ção e do des­por­to ao ser­vi­ço da Fór­mu­la 1, res­ga­tan­do o me­di­a­tis­mo de ou­tros tem­pos e ren­ta­bi­li­zan­do a sua pro­mo­ção.

No lu­gar de ges­tor cor­ren­te con­ti­nu­a­rá Ber­nie Ec­cles­to­ne, “pa­trão” da Fór­mu­la 1 du­ran­te as úl­ti­mas qua­tro dé­ca­das.

Mes­mo es­tan­do pres­tes a com­ple­tar 86 anos, o prin­ci­pal res­pon­sá­vel pe­lo cres­ci­men­to e evo­lu­ção da Fór­mu­la 1 até aos di­as de ho­je, ain­da não pen­sa na re­for­ma. “O meu pa­pel vai man­ter-se o mes­mo”, ex­pli­cou o ho­mem en­car­re­ga­do dos mai­o­res ne­gó­ci­os da mo­da­li­da­de, co­mo o dos di­rei­tos te­le­vi­si­vos, anun­ci­an­do ter um acor­do pa­ra fi­car no co­man­do por mais três anos. Es­pe­ra­se que Ber­nie Ec­cles­to­ne as­su­ma um pa­pel de­ci­si­vo no pro­ces­so de tran­si­ção, mas é na­tu­ral que a su­per­vi­são de Cha­se Ca­sey aca­be por li­mi­tar o seu raio de ac­ção.

Re­ju­ve­nes­ci­men­to di­gi­tal

O pla­no ain­da es­tá a ser de­li­ne­a­do, mas as su­as prin­ci­pais pre­mis­sas já fo­ram tra­ça­das. Uma das mais im­por­tan­tes pas­sa por tor­nar a Fór­mu­la 1 atrac­ti­va pa­ra um pú­bli­co mais jo­vem, abrin­do-a ao mer­ca­do di­gi­tal. A re­lu­tân­cia em ce­der aos ape­los dos no­vos mei­os de co­mu­ni­ca­ção tem va­li­do mui­tas crí­ti­cas a Ber­nie Ec­cles­to­ne, que ao lon­go dos úl­ti­mos anos pre­fe­riu dei­xar-se se­du­zir pe­los va­lo­res ofe­re­ci­dos pe­las ope­ra­do­ras de te­le­vi­são pri­va­das, al­go que te­ve um im­pac­to gi­gan­tes­co nas audiências, mas não nas re­cei­tas.

Gra­ças a es­sa apos­ta, es­ti­ma-se que a F1 te­nha per­di­do cer­ca de um ter­ço dos seus es­pec­ta­do­res des­de 2008. A mo­da­li­da­de fi­cou mais ri­ca, mas tam­bém se tor­nou mais fe­cha­da. A sua pre­sen­ça nos mei­os di­gi­tais, por exem­plo, não se com­pa­ra à de mo­da­li­da­des com o mes­mo im­pac­to fi­nan­cei­ro, o que com­pli­ca a ta­re­fa de ca­ti­var no­vos fãs a par­tir de ida­des mais ten­ras.

É nes­se as­pec­to que Cha­se Ca­rey am­bi­ci­o­na co­lo­car em prá­ti­ca to­da a ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da ao ser­vi­ço do gi­gan­te dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção nor­te-ame­ri­ca­nos de­ti­do por Ru­pert Mur­do­ch, com quem man­tém uma re­la­ção de gran­de pro­xi­mi­da­de.Tor­nar a Fór­mu­la 1 mais po­pu­lar nos Es­ta­dos Uni­dos é ou­tro dos ob­jec­ti­vos que es­se co­nhe­ci­men­to po­de po­ten­ci­ar a cur­to pra­zo.

A pe­ne­tra­ção nes­se mer­ca­do, bem co­mo o re­for­ço da ex­pan­são da mo­da­li­da­de em ter­ri­tó­rio asiá­ti­co, se­rão fun­da­men­tais pa­ra au­men­tar a sua po­pu­la­ri­da­de e fa­zer dis­pa­rar as re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes do mar­ke­ting. Em ci­ma da me­sa es­tá a pos­si­bi­li­da­de de o ca­len­dá­rio cres­cer pa­ra além das ac­tu­ais 21 cor­ri­das.No en­tan­to, a pri­o­ri­da­de pas­sa por re­cu­pe­rar o pres­tí­gio de que a Fór­mu­la 1 go­za­va no lo­cal on­de nas­ceu, a Eu­ro­pa. A apos­ta em mercados mais en­di­nhei­ra­dos fez es­ca­lar os va­lo­res co­bra­dos aos or­ga­ni­za­do­res das pro­vas e con­tri­buiu pa­ra o de­sa­pa­re­ci­men­to de pro­vas em al­guns tra­ça­dos his­tó­ri­cos, co­mo Magny Cours (Fran­ça) ou Nur­bur­gring (Ale­ma­nha). A su­bi­da dos va­lo­res re­flec­te-se tam­bém nos pre­ços dos bi­lhe­tes e, por con­se­guin­te, na afluên­cia dos adep­tos às cor­ri­das. E nem to­dos os paí­ses têm a dis­po­ni­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra da Rús­sia ou do Bah­rein pa­ra su­por­tar es­ses va­lo­res exor­bi­tan­tes sem se pre­o­cu­pa­rem com o pre­juí­zo que daí re­sul­ta.

O va­lor mais bai­xo do Mun­di­al é o do Gran­de Pré­mio da Grã-Bre­ta­nha, na or­dem de 18 mi­lhões de eu­ros, que au­men­ta 10 por cen­to a ca­da épo­ca na mai­o­ria dos con­tra­tos ce­le­bra­dos por Ber­nie Ec­cles­to­ne.

“A in­ten­ção é fa­zer cres­cer e de­sen­vol­ver a Fór­mu­la 1 pa­ra be­ne­fí­cio dos adep­tos, equi­pas, par­cei­ros e ac­ci­o­nis­tas, in­cre­men­tan­do a pro­mo­ção e mar­ke­ting co­mo des­por­to e co­mo mar­ca. Au­men­tar a dis­tri­bui­ção de con­teú­dos, es­pe­ci­al­men­te no di­gi­tal, que ac­tu­al­men­te tem mui­to pou­co re­tor­no.

Evo­luin­do o ca­len­dá­rio, es­ta­be­le­cen­do uma pa­nó­plia mai­or de par­ce­ri­as, in­cluin­do pa­tro­cí­ni­os. E apro­vei­tar a ex­pe­ri­ên­cia da Li­berty em even­tos ao vi­vo e em ge­rar re­cei­tas, de mo­do a tor­nar os Gran­des Pré­mi­os de Fór­mu­la 1 os mai­o­res de sem­pre”, re­su­me Cha­se Ca­sey, re­al­çan­do que as mu­dan­ças não se­rão as­sim tão ra­di­cais. “Que­re­mos con­ti­nu­ar a cons­truir em ci­ma do que o Ber­nie fez nas dé­ca­das an­te­ri­o­res”, ex­pli­cou.

AFP

Tor­nar a mo­da­li­da­de mais po­pu­lar nos Es­ta­dos Uni­dos e re­for­çar a ex­pan­são em ter­ri­tó­rio asiá­ti­co são as apos­tas dos ac­ci­o­nis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.