Ci­vis em Nham­po­ca aban­do­nam as ca­sas

Au­to­ri­da­des ape­lam à cal­ma e res­pon­sa­bi­li­zam a Re­na­mo pe­lo pâ­ni­co

Jornal de Angola - - PARTADA -

Uma co­lu­na de ci­vis ini­ci­ou uma mar­cha em di­rec­ção a zo­nas con­si­de­ra­das mais se­gu­ras, pa­ra es­ca­par dos ata­ques de gru­pos ar­ma­dos que es­tão a se­me­ar o pâ­ni­co em lo­ca­li­da­des do in­te­ri­or de Mo­çam­bi­que, co­mo em Nham­po­ca, dis­tri­to de Nha­ma­tan­da, on­de na sex­ta­fei­ra fo­ram as­sas­si­na­dos lí­de­res tra­di­ci­o­nais. Nha­ma­tan­da es­tá lo­ca­li­za­do no cen­tro de Mo­çam­bi­que, re­gião até há pou­cos di­as des­cri­ta co­mo calm.

Uma co­lu­na de ci­vis ini­ci­ou on­tem mar­cha em di­rec­ção a zo­nas con­si­de­ra­das mais se­gu­ras do país, pa­ra es­ca­par dos ata­ques de gru­pos ar­ma­dos que es­tão a se­me­ar o pâ­ni­co no in­te­ri­or de Mo­çam­bi­que, co­mo em Nham­po­ca, dis­tri­to de Nha­ma­tan­da, on­de na sex­ta-fei­ra fo­ram as­sas­si­na­dos lí­de­res tra­di­ci­o­nais.

O dis­tri­to de Nha­ma­tan­da es­tá lo­ca­li­za­do no cen­tro de Mo­çam­bi­que, re­gião até há pou­cos di­as des­cri­ta pe­los seus ha­bi­tan­tes co­mo cal­ma, on­de a vi­da se­guia o seu cur­so nor­mal, com co­mér­cio e agri­cul­ta, des­cre­veu à im­pren­sa lo­cal um dos ci­da­dãos que de­ci­diu dei­xar a zo­na.

Os úl­ti­mos ata­ques no in­te­ri­or de Mo­çam­bi­que fo­ram con­tra dois lí­de­res lo­cais de Nham­po­ca. As au­to­ri­da­des atri­buí­ram os as­sas­si­na­tos à Re­na­mo, que nos úl­ti­mos me­ses op­tou por prá­ti­cas de per­se­gui­ção a ci­vis e ata­ques sur­pre­sa a ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, co­mo al­vos da po­lí­cia.

Se­gun­do Mó­ni­ca Mau­e­se, uma cam­po­ne­sa de Nham­po­ca, pro­vín­cia de So­fa­la, uma das mais atin­gi­das pe­la cri­se mi­li­tar en­tre o bra­ço armado da Re­na­mo e as For­ças Ar­ma­das, “a zo­na es­tá a fi­car pe­ri­go­sa pa­ra al­guém con­ti­nu­ar a vi­ver, as pes­so­as es­tão a aban­do­nar o lo­cal e os seus ha­ve­res, por is­so, eu tam­bém de­ci­di par­tir”.

As au­to­ri­da­des lo­cais e a po­lí­cia res­pon­sa­bi­li­za­ram a Re­na­mo pe­la exe­cu­ção dos lí­de­res lo­cais, no dia 2 de Se­tem­bro, do che­fe do pos­to ad­mi­nis­tra­ti­vo de Ti­ca e de um che­fe tra­di­ci­o­nal da re­gião. Car­re­gan­do os seus pou­cos per­ten­ces na ca­be­ça e dei­xan­do a zo­na a pé, Mó­ni­ca Mau­e­se des­cre­veu um qua­dro de me­do ge­ne­ra­li­za­do e adi­an­tou que a po­pu­la­ção re­ceia ac­ções mi­li­ta­res na re­gião em re­ta­li­a­ção con­tra os ho­mens ar­ma­dos da Re­na­mo.

Ou­tro ha­bi­tan­te, Jo­ta Es­tê­vão, deu os mes­mos ar­gu­men­tos pa­ra a sua fu­ga, re­fe­rin­do-se a um aban­do­no em gran­de es­ca­la dos ha­bi­tan­tes da re­gião. Os re­la­tos dos ha­bi­tan­tes dão con­ta de ac­ções ar­ma­das na­que­la re­gião nos úl­ti­mos di­as, dei­xan­do ca­sas e mercados quei­ma­dos, e cu­ja au­to­ria é atri­buí­da a Re­na­mo. O ré­gu­lo de Nham­po­ca e o che­fe do pos­to ad­mi­nis­tra­ti­vo de Ti­ca, Abí­lio Jor­ge, fo­ram exe­cu­ta­dos, de­pois de te­rem si­do re­ti­ra­dos de um co­mí­cio que ori­en­ta­vam na­que­la zo­na. Os dois lí­de­res tra­di­ci­o­nais ti­nham si­do en­vi­a­dos pe­lo ad­mi­nis­tra­dor dis­tri­tal de Nha­ma­tan­da pa­ra pe­di­rem cal­ma à po­pu­la­ção, quan­do es­ta já tes­te­mu­nha­va ac­ções ar­ma­das e ini­ci­a­va a re­ti­ra­da da re­gião.

Se­gun­do o re­la­to de ha­bi­tan­tes, um dos sus­pei­tos de par­ti­ci­par na exe­cu­ção es­ta­va no meio dos po­pu­la­res no co­mí­cio e em­pu­nha­va uma ar­ma au­to­má­ti­ca AKM es­con­di­da num sa­co de plás­ti­co. Foi ele, de acor­do com a in­for­ma­ção pres­ta­da por tes­te­mu­nhas, que pa­ra­li­sou a reu­nião quan­do sur­gi­ram ou­tros qua­tro ho­mens ar­ma­dos ves­ti­dos à ci­vil e le­va­ram os dois lí­de­res, que fo­ram pos­te­ri­or­men­te en­con­tra­dos mor­tos.

A Re­na­mo não se pro­nun­ci­ou so­bre o ca­so, mas, se­gun­do as for­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, a ti­po­lo­gia do cri­me dei­xa cla­ro que foi pra­ti­ca­do por gru­pos li­ga­dos à Re­na­mo.

A re­gião cen­tro de Mo­çam­bi­que tem si­do palco de re­la­tos de con­fron­tos en­tre o bra­ço armado da Re­na­mo e as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e de­nún­ci­as de rap­tos e as­sas­sí­ni­os de di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos das du­as par­tes che­ga­ram ao co­nhe­ci­men­to da Po­lí­cia. As au­to­ri­da­des mo­çam­bi­ca­nas acu­sam a Re­na­mo de uma sé­rie de em­bos­ca­das nas es­tra­das e ata­ques nas úl­ti­mas se­ma­nas, em lo­ca­li­da­des do Cen­tro e Nor­te, atin­gin­do pos­tos po­li­ci­ais e tam­bém as­sal­tos a ins­ta­la­ções ci­vis, co­mo cen­tros de saúde.

O lí­der da Re­na­mo, Afon­so Dh­la­ka­ma, já re­co­nhe­ceu a au­to­ria de vá­ri­os ata­ques, jus­ti­fi­can­do com a es­tra­té­gia de dis­per­sar as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da ser­ra Go­ron­go­sa, on­de su­pos­ta­men­te per­ma­ne­ce.

O mai­or par­ti­do da opo­si­ção não acei­ta os re­sul­ta­dos das elei­ções de 2014, que de­ram vi­tó­ria à Fre­li­mo, e exi­ge go­ver­nar as seis pro­vín­ci­as on­de rei­vin­di­ca vi­tó­ria no es­cru­tí­nio. As ne­go­ci­a­ções de paz en­tre as de­le­ga­ções do Go­ver­no mo­çam­bi­ca­no e da Re­na­mo em Ma­pu­to, que de­cor­rem na pre­sen­ça de me­di­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais, fo­ram sus­pen­sas.

AFP

Po­pu­la­ção mo­çam­bi­ca­na das re­giões afec­ta­das pe­los ata­ques es­tão a dei­xar as su­as ca­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.