Sér­vi­os par­ti­ci­pam no re­e­qui­pa­men­to das FAA

Ge­ne­ral de Exér­ci­to Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da ter­mi­na vi­si­ta de tra­ba­lho à Sér­via

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ADALBERTO CEITA |

O pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, ini­ci­a­do em 2007, con­ta com a par­ce­ria da Sér­via nos do­mí­ni­os da for­ma­ção, do re­e­qui­pa­men­to e das in­fra-es­tru­tu­ras, anun­ci­ou em Bel­gra­do o che­fe do Es­ta­doMai­or Ge­ne­ral, Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da.

Ao in­ter­vir no en­con­tro com o seu ho­mó­lo­go da Sér­via, ge­ne­ral Lju­bi­sa Di­ko­vic, du­ran­te as con­ver­sa­ções ofi­ci­ais, no âm­bi­to da vi­si­ta que efec­tu­ou àque­le país do les­te da Eu­ro­pa, de 8 a 12 des­te mês, Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da ga­ran­tiu que Angola man­tém a de­ci­são de con­ti­nu­ar a co­o­pe­ra­ção com a Sér­via nas áre­as exis­ten­tes e com a pers­pec­ti­va de alar­gá-la a ou­tros sec­to­res de in­te­res­se mú­tuo.

Os dois paí­ses ru­bri­ca­ram, a 5 de Ju­nho de 2012, o Acor­do de Co­o­pe­ra­ção no do­mí­nio da De­fe­sa e mais tar­de, em Ou­tu­bro de 2013, o Pro­to­co­lo de Co­o­pe­ra­ção no do­mí­nio da For­ma­ção.

O pro­ces­so deu os pri­mei­ros re­sul­ta­dos com a for­ma­ção dos pri­mei­ros 11 ofi­ci­ais e 13 ca­de­tes que ain­da es­tão em for­ma­ção, e a pro­pos­ta de con­tra­to que apoi­a­rá a for­ma­ção de no­vo pes­so­al es­tá a ser tra­ba­lha­da.

Pa­ra além da for­ma­ção, exis­tem mais dez con­tra­tos, sen­do se­te na área da téc­ni­ca e três nas in­fra-es­tru­tu­ras. “Es­tes ele­men­tos evi­den­ci­am bem a im­por­tân­cia da nos­sa co­o­pe­ra­ção e não obs­tan­te as di­fi­cul­da­des do mo­men­to tu­do fa­re­mos pa­ra a sua con­clu­são, da­da a im­por­tân­cia que es­tes pro­gra­mas têm pa­ra as For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas”, su­bli­nhou.

O pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas vi­sa o seu de­sen­vol­vi­men­to e em­pre­go fu­tu­ro no qua­dro das ame­a­ças que pai­ram so­bre o país e as­sen­ta na adap­ta­ção do sis­te­ma de for­ças às no­vas exi­gên­ci­as, de­sen­vol­vi­men­to da for­ma­ção de qua­dros apoi­a­do na cri­a­ção e re­for­ma do sis­te­ma de en­si­no mi­li­tar e na for­ma­ção no ex­te­ri­or. A re­e­di­fi­ca­ção abran­ge ain­da o re­e­qui­pa­men­to mi­li­tar e a mo­der­ni­za­ção dos mei­os de com­ba­te, bem co­mo o de­sen­vol­vi­men­to da ca­deia lo­gís­ti­ca e a cri­a­ção da in­dús­tria de de­fe­sa.

O che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas ga­ran­tiu que não obs­tan­te as di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras pro­vo­ca­das pe­la cri­se mun­di­al e no ca­so es­pe­cí­fi­co de Angola, co­mo país pro­du­tor de pe­tró­leo, a bai­xa do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no tem es­ta­do a en­vi­dar es­for­ços pa­ra que o pro­gra­ma pre­vis­to pa­ra o pro­ces­so de re­e­di­fi­ca­ção das For­ças Ar­ma­das pos­sa ser exe­cu­ta­do con­for­me o pre­co­ni­za­do. A vi­si­ta per­mi­tiu ao che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas to­mar con­tac­to com as For­ças Ar­ma­das da Sér­via, co­nhe­cer as su­as ca­pa­ci­da­des e os seus avan­ços nos do­mí­ni­os da for­ma­ção e das tec­no­lo­gi­as e dis­se es­pe­rar que a vi­si­ta ve­nha a ser re­tri­buí­da.

O che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas apre­sen­tou cum­pri­men­tos de cor­te­sia ao se­cre­tá­rio de De­fe­sa, vi­si­tou o Mu­seu de His­tó­ria da Sér­via, o Ins­ti­tu­to Téc­ni­co Mi­li­tar, o mo­nu­men­to do Sol­da­do Des­co­nhe­ci­do, bem co­mo a mon­ta­nha de Ava­la, além da re­cep­ção no Es­ta­doMai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das da Sér­via. An­tes da des­lo­ca­ção à Sér­via, o che­fe de Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas es­te­ve no Zim­babwe, ten­do si­do re­ce­bi­do em au­di­ên­cia pe­lo Pre­si­den­te Ro­bert Mu­ga­be. A de­le­ga­ção angolana, que in­te­grou igual­men­te o co­man­dan­te do Exér­ci­to, Lú­cio Ama­ral, ofi­ci­ais ge­ne­rais e su­pe­ri­o­res das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, man­te­ve con­ver­sa­ções com o al­to co­man­do mi­li­tar e pos­te­ri­or­men­te foi re­ce­bi­da pe­lo co­man­dan­te das For­ças de De­fe­sa do Zim­babwe, ge­ne­ral Cons­tan­ti­no Gu­veya Chiwen­ga.

Além de ter ti­do con­tac­to com a in­dús­tria de De­fe­sa do Zim­babwe, a de­le­ga­ção angolana vi­si­tou o Co­lé­gio de De­fe­sa Na­ci­o­nal, a Aca­de­mia Mi­li­tar e o Par­que dos He­róis.

“Angola es­tá mais pró­xi­ma do Zim­babwe do que de qu­al­quer ou­tro mer­ca­do on­de ad­qui­ri­mos equi­pa­men­to mi­li­tar”, dis­se o che­fe de Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas.

Ins­ti­tu­to de De­fe­sa Na­ci­o­nal

O di­rec­tor ge­ral in­te­ri­no do Ins­ti­tu­to de De­fe­sa Na­ci­o­nal (IDN), bri­ga­dei­ro Ma­nu­el Con­cei­ção, afir­mou que a di­vul­ga­ção e o en­si­no de con­teú­dos so­bre de­fe­sa na­ci­o­nal, di­ri­gi­dos fun­da­men­tal­men­te aos de­pu­ta­dos, go­ver­nan­tes e fun­da­men­tal­men­te à ju­ven­tu­de, faz par­te das pri­o­ri­da­des da ins­ti­tui­ção.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, no de­cor­rer do ci­clo de con­fe­rên­ci­as alu­si­vo ao ani­ver­sá­rio do Ins­ti­tu­to, as­si­na­la­do a 1 de Se­tem­bro, Ma­nu­el Con­cei­ção ad­mi­tiu que um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de pes­so­as, so­bre­tu­do jo­vens, não do­mi­na o con­cei­to da­qui­lo que é e de­ve ser a de­fe­sa do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. “O de­sa­fio pas­sa por di­vul­gar ca­da vez mais a men­sa­gem so­bre a de­fe­sa e a se­gu­ran­ça do país. Por is­so, es­ta­mos a al­te­rar os lu­ga­res de di­vul­ga­ção da nos­sa men­sa­gem, daí a nos­sa ida aos di­fe­ren­tes lu­ga­res e re­giões mi­li­ta­res”, re­al­çou.

Ma­nu­el Con­cei­ção dis­se que em fun­ção do tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­la ins­ti­tui­ção, pau­la­ti­na­men­te tem cres­ci­do o en­ten­di­men­to so­bre ques­tões de de­fe­sa na­ci­o­nal. “Re­cen­te­men­te, es­ti­ve­mos em al­gu­mas pro­vín­ci­as no in­te­ri­or do país e ve­ri­fi­cá­mos que a ju­ven­tu­de me­lho­rou a sua per­cep­ção so­bre a im­por­tân­cia da de­fe­sa da Pá­tria, in­de­pen­den­te­men­te de es­tar­mos ou não em pe­río­do de guer­ra”, con­si­de­rou Ma­nu­el Con­cei­ção.

Du­ran­te o ci­clo de con­fe­rên­ci­as, que de­cor­reu no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­cia Po­li­ci­ais e Cri­mi­nais, fo­ram abor­da­dos te­mas co­mo “Ins­ti­tu­to de De­fe­sa Na­ci­o­nal, pas­sa­do, pre­sen­te e os de­sa­fi­os do Fu­tu­ro” e “Prin­ci­pais ame­a­ças e ris­cos de de­sas­tres que de­sa­fi­am a Hu­ma­ni­da­de”.

LUSANSO LI­MA

Che­fi­as mi­li­ta­res dos dois paí­ses dis­cu­ti­ram o alar­ga­men­to da co­o­pe­ra­ção pa­ra ou­tras áre­as além da for­ma­ção de qua­dros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.