CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AR­TUR PAI­VA | MARÇAL ADE­LI­NO FER­NAN­DES JE­AN-PI­ER­RE MBELE

Vo­ta­ção na ONU

Es­tá a aque­cer a vo­ta­ção no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça pa­ra a elei­ção do fu­tu­ro su­ces­sor de Ban Ki-mo­on, nu­ma al­tu­ra em que, co­mo es­cre­veu al­guém em tem­pos nas pá­gi­nas do Jor­nal de Angola, a “lu­so­fo­nia pa­re­ce ter ra­zões pa­ra sor­rir.” Das vá­ri­as vo­ta­ções, o an­ti­go al­to co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos, An­tó­nio Gu­ter­res, pa­re­ce bem en­ca­mi­nha­do pa­ra ser elei­to na me­di­da em que ven­ceu to­das. Em­bo­ra se­ja ain­da ce­do, ar­ris­co di­zer que vai ser mui­to di­fí­cil Gu­ter­res não vir a ser elei­to, aten­den­do que pa­re­ce mui­to bem co­lo­ca­do pa­ra o efei­to. pos­so dei­xar de men­ci­o­nar que hou­ve tem­po pa­ra re­me­di­ar pe­que­nas coi­sas, mas es­sen­ci­ais, co­mo re­ver a co­ber­tu­ra da ca­sa e re­a­li­zar pe­que­nas in­ter­ven­ções no sen­ti­do as­se­gu­rar que as chu­vas ou en­xur­ra­das não in­vi­a­bi­li­zem o dia-a-dia de vá­ri­as fa­mí­li­as. Re­la­ti­va­men­te às obras, jul­go que es­tas chu­vas che­gam nu­ma al­tu­ra par­ti­cu­lar­men­te de­sa­fi­an­te na me­di­da em que fo­ram re­cen­te­men­te ad­ju­di­ca­das nu­me­ro­sas obras na ci­da­de de Luanda.

Es­pe­ro que as em­prei­tei­ras te­nham con­di­ções pa­ra re­a­li­zar o seu tra­ba­lho den­tro dos pra­zos e que a che­ga­da das chu­vas não con­tri­bua pa­ra atra­pa­lhar os seus pro­gra­mas.

Diá­lo­go na RDC

Sou con­go­lês, re­si­den­te em Angola há 20 anos, e es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de Angola, diá­rio que mui­to uso na bus­ca de in­for­ma­ções so­bre o meu país. Acom­pa­nho com in­te­res­se a evo­lu­ção do diá­lo­go na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), en­tre to­das as for­ças po­lí­ti­cas, no sen­ti­do de evi­tar-se o ca­os po­lí­ti­co e so­ci­al.

Co­mo se sa­be, as elei­ções mar­ca­das, em prin­cí­pio, pa­ra fi­nais des­te ano fi­cam adi­a­das em vir­tu­de de as au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais te­rem de­ci­di­do pe­lo adi­a­men­to do es­cru­tí­nio.

Avan­ça­ram ques­tões fi­nan­cei­ras e lo­gís­ti­cas, fac­to que pro­vo­cou al­gum al­vo­ro­ço en­tre as eli­tes po­lí­ti­cas, ten­do for­ça­do a União Afri­ca­na a en­vi­ar um fa­ci­li­ta­dor pa­ra in­ter­me­di­ar o diá­lo­go. Tra­ta-se de Edem Kod­jo, an­ti­go Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ex­tin­ta Or­ga­ni­za­ção da Uni­da­de Afri­ca­na e ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro do To­go que, se­gu­ra­men­te, não es­tá a ter uma ta­re­fa fá­cil.

Há gran­de com­ple­xi­da­de em jun­tar os re­pre­sen­tan­tes do po­der e da opo­si­ção na ex­pec­ta­ti­va de as du­as par­tes con­se­gui­rem con­ver­gir nu­ma pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to so­bre o fu­tu­ro po­lí­ti­co ime­di­a­to do país. A Co­mis­são Elei­to­ral su­ge­riu o adi­a­men­to por de­zas­seis me­ses e um dia pa­ra que o fi­chei­ro elei­to­ral se­ja de­vi­da­men­te tra­ta­do e re­mar­ca­da a da­ta pa­ra a re­a­li­za­ção das elei­ções.

Ago­ra, cor­rem in­for­ma­ções se­gun­do as quais o po­der é fa­vo­rá­vel ao alar­ga­men­to da da­ta de adi­a­men­to das elei­ções pa­ra que te­nham iní­cio com as lo­cais e fi­na­li­zar com as pre­si­den­ci­ais e le­gis­la­ti­vas. Se­gun­do in­for­ma­ções do si­te “Con­go Ac­tu­el”, a opo­si­ção de­fen­de o con­trá­rio, co­me­çar com as elei­ções pre­si­den­ci­ais e de­pois com as de­mais, is­to de­pois de to­do o tra­ba­lho li­ga­do ao fi­chei­ro elei­to­ral.

Até aqui, na­da mal na me­di­da em que to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos têm pro­cu­ra­do es­gri­mir os seus ar­gu­men­tos, fac­to que tra­duz o es­sen­ci­al do jo­go de­mo­crá­ti­co, a tro­ca de idei­as. Co­mo con­go­lês re­si­den­te em Angola, es­pe­ro que a si­tu­a­ção no meu país de ori­gem se acal­me pa­ra que pos­sa­mos vi­ver em paz e de­mo­cra­cia co­mo qu­al­quer ou­tro país. Acre­di­to na RDC e não te­nho dú­vi­das quan­to ao la­do ma­du­ro da clas­se po­lí­ti­ca lo­cal, por­que o meu país pos­sui uma gran­de co­mu­ni­da­de aca­dé­mi­ca.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.