Ce­de­ao con­se­gue acor­do na Gui­né-Bis­sau

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

O prin­cí­pio de acor­do al­can­ça­do en­tre os prin­ci­pais ac­to­res da cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal na Gui­né-Bis­sau, sob me­di­a­ção da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (Ce­de­ao), pa­ra a cri­a­ção de um go­ver­no in­clu­si­vo com to­dos os re­pre­sen­tan­tes gui­ne­en­ses, se efec­ti­va­do, era uma vi­tó­ria pa­ra o po­vo e pa­ra o Par­ti­do Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia da Gui­né e Ca­bo Ver­de (PAIGC) e uma no­va der­ro­ta po­lí­ti­ca do Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz, que ha­via de ver a que­da de um se­gun­do go­ver­no de ini­ci­a­ti­va pre­si­den­ci­al em um ano.

O acor­do era uma vi­tó­ria pa­ra o po­vo gui­ne­en­se, por­que ha­via de per­mi­tir ao país - es­tag­na­do há mais de um ano por que­zí­li­as po­lí­ti­cas de di­ri­gen­tes com pou­co sen­ti­do de Es­ta­do e fins in­con­fes­sos – fi­nal­men­te, co­me­çar a avan­çar.

Era uma vi­tó­ria pa­ra o PAIGC, por­que o par­ti­do apre­sen­tou uma pro­pos­ta si­mi­lar de um go­ver­no in­clu­si­vo do PAIGC, com 18 pas­tas pa­ra o par­ti­do de um to­tal de 34, oi­to pa­ra o Par­ti­do de Re­no­va­ção So­ci­al (PRS), o se­gun­do mais vo­ta­do nas elei­ções le­gis­la­ti­vas de Ou­tu­bro,três pa­ra os de­mais par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar, du­as pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, ou­tras tan­tas pa­ra par­ti­dos po­lí­ti­cos sem as­sen­to par­la­men­tar e uma pa­ra a so­ci­e­da­de ci­vil, acom­pa­nha­da de ou­tra pro­pos­ta, de um pac­to de es­ta­bi­li­da­de a as­si­nar pu­bli­ca­men­te por to­das as for­ças po­lí­ti­cas com as­sen­to par­la­men­tar.Pa­ra o Che­fe de Es­ta­do gui­ne­en­se, Jo­sé Má­rio Vaz, a anuên­cia de to­dos os par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar e dos 15 de­pu­ta­dos dis­si­den­tes do PAIGC à pro­pos­ta da Ce­de­ao é uma no­va der­ro­ta po­lí­ti­ca, por­que o Pre­si­den­te re­jei­tou a pro­pos­ta do par­ti­do com mai­o­ria ab­so­lu­ta no Par­la­men­to e pre­fe­riu no­me­ar um se­gun­do go­ver­no de ini­ci­a­ti­va pre­si­den­ci­al li­de­ra­do por Ba­ci­ro Djá, mes­mo de­pois de o pri­mei­ro, tam­bém li­de­ra­do por Ba­ci­ro Djá, cair por in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de.

A cri­a­ção de um Go­ver­no gui­ne­en­se de con­sen­so tam­bém era uma gran­de der­ro­ta pa­ra o ac­tu­al pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ba­ci­ro Djá, que mui­to pro­va­vel­men­te vai ser de­mi­ti­do pe­la se­gun­da vez, em me­nos de um ano, e não de­ve­rá vol­tar tão ce­do a che­fi­ar um Go­ver­no.

O PAIGC anun­ci­ou re­cen­te­men­te que afas­ta qu­al­quer pos­si­bi­li­da­de de o pró­xi­mo Go­ver­no ser for­ma­do por um dos 15 de­pu­ta­dos ex­pul­sos do PAIGC e Ba­ci­ro Djá é um dos in­te­gran­tes do “Gru­po dos 15”.

Go­ver­no de con­sen­so

O prin­cí­pio de acor­do foi al­can­ça­do no sá­ba­do, na sequên­cia de uma vi­si­ta de “bons ofí­ci­os” à ca­pi­tal gui­ne­en­se dos pre­si­den­tes da Gui­néCo­na­cri e da Li­bé­ria, Alpha Con­dé, e Er­nest Bai Ko­ro­ma, na qua­li­da­de de re­pre­sen­tan­tes do blo­co re­gi­o­nal da Áfri­ca Oci­den­tal.

De acor­do com o co­mu­ni­ca­do fi­nal da vi­si­ta dos dois Che­fes de Es­ta­do, to­das as par­tes aus­cul­ta­das de­ram a sua anuên­cia à for­ma­ção de um no­vo “go­ver­no de con­sen­so e in­clu­si­vo pa­ra a im­ple­men­ta­ção da pla­ta­for­ma re­sul­tan­te da me­sa re­don­da, pa­ra di­ri­gir o país até às pró­xi­mas elei­ções em 2018.” A mis­são da Ce­de­ao es­te­ve com o pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ba­ci­ro Djá, com o lí­der do Par­la­men­to, Ci­pri­a­no Cas­sa­má, com as di­rec­ções dos cin­co for­ma­ções po­lí­ti­cas re­pre­sen­ta­das no Par­la­men­to (PAIGC, PRS, UM, PND e PCD) e com o gru­po dos 15 de­pu­ta­dos dis­si­den­tes do PAIGC que se jun­ta­ram ao PRS.

De­pois de to­das as con­sul­tas, re­fe­re o do­cu­men­to, o pla­no de saí­da da cri­se me­di­a­do e pro­pos­to pe­la Ce­de­ao “foi adop­ta­do na ín­te­gra e por una­ni­mi­da­de.”

Re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal

Uma re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal é “ta­re­fa es­sen­ci­al” do no­vo Go­ver­no, as­sim co­mo a re­for­ma das leis Elei­to­ral, Qua­dro dos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos e do Sec­tor Mi­li­tar, re­fe­re ain­da o co­mu­ni­ca­do fi­nal da vi­si­ta dos dois Che­fes de Es­ta­do a Bis­sau.

A his­tó­ria da Gui­né-Bis­sau in­di­ca que o se­mi-pre­si­den­ci­a­lis­mo, sis­te­ma de Go­ver­no vi­gen­te no país, tem si­do um fac­tor de ins­ta­bi­li­da­de, ra­zão pe­la qual uma even­tu­al al­te­ra­ção cons­ti­tu­ci­o­nal, em no­me da es­ta­bi­li­da­de e da de­mo­cra­cia, não de­ve ser des­car­ta­da.

De res­to, o co­mu­ni­ca­do fi­nal da vi­si­ta dos dois Che­fes de Es­ta­do su­bli­nha que, em 43 anos de in­de­pen­dên­cia, ne­nhum Che­fe de Es­ta­do elei­to foi ca­paz de ter­mi­nar um man­da­to e ne­nhum Go­ver­no con­se­guiu exe­cu­tar o seu pro­gra­ma, pe­lo que “tor­na-se ne­ces­sá­rio re­de­fi­nir o pa­pel do Exe­cu­ti­vo, o pa­pel do Par­la­men­to e do Ju­di­ciá­rio.”

De acor­do com fon­tes ofi­ci­ais, o pre­si­den­te da co­mis­são da CE­DE­AO, Mar­cel de Soul, vai li­de­rar as ne­go­ci­a­ções en­tre os par­ti­dos re­pre­sen­ta­dos no Par­la­men­to, o gru­po dos 15 dis­si­den­tes do PAIGC, a so­ci­e­da­de ci­vil, lí­de­res re­li­gi­o­sos e tra­di­ci­o­nais, no âm­bi­to das quais de­ve­rá ser en­con­tra­da a fi­gu­ra que vai li­de­rar o no­vo Exe­cu­ti­vo.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Jo­sé Má­rio Vaz po­de de­mi­tir se­gun­do Go­ver­no de ini­ci­a­ti­va pre­si­den­ci­al em me­nos de um ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.