Ca­lou a voz da mar­ra­ben­ta

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Mor­reu sá­ba­do, aos 83 anos, em Lon­dres, ví­ti­ma de um aci­den­te car­di­o­vas­cu­lar, o mú­si­co João Do­min­gos, lí­der do gru­po do mes­mo no­me que na dé­ca­da 60 e 70 foi um dos prin­ci­pais pre­cur­so­res do es­ti­lo mu­si­cal mar­ra­ben­ta em Mo­çam­bi­que. O gru­po de João Do­min­gos foi um dos res­pon­sá­veis por su­ces­sos co­mo “Eli­sa Go­ma­ra Saia”, “Mas­so­ri­a­na”, “Tam­pa ya Xi­can­da­ri­nha”, en­tre ou­tras can­ções que mar­ca­ram a mar­ra­ben­ta no pe­río­do co­lo­ni­al.

Can­tor e gui­tar­ris­ta, nas­ci­do em Inhar­ri­me, na pro­vín­cia de Inham­ba­ne, a 13 de Maio de 1933, João Do­min­gos ini­ci­ou a car­rei­ra co­mo per­cus­si­o­nis­ta, na sua ter­ra na­tal.

No dia 1 de Ja­nei­ro de 1956, em Lou­ren­ço Mar­ques, ac­tu­al Ma­pu­to, cri­ou o trio Ho­o­la Hop, que vi­ria a tor­nar-se no le­gen­dá­rio Con­jun­to João Do­min­gos, no qual pon­ti­fi­ca­ram Gon­za­na e Young Is­su­fo.

Nes­sa épo­ca, o seu gru­po, a par de Djam­bu e Har­mo­nia, foi res­pon­sá­vel pe­la po­pu­la­ri­za­ção da mar­ra­ben­ta, a ex­pres­são mu­si­cal mais in­ter­na­ci­o­na­li­za­da de Mo­çam­bi­que.

O che­fe da di­plo­ma­cia cu­ba­na in­sis­tiu no pe­di­do aos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra que ter­mi­nem o blo­queio, que con­si­de­ra ana­cró­ni­co no no­vo con­tex­to de re­la­ções en­tre os dois paí­ses e que cau­sou pre­juí­zos su­pe­ri­o­res a 125 mil mi­lhões de dó­la­res. “O blo­queio per­sis­te, pre­ju­di­ca o po­vo cu­ba­no. Não há uma fa­mí­lia cu­ba­na que não so­fra com os seus efei­tos. Ca­rên­ci­as, di­fi­cul­da­des, pri­va­ção. Is­so faz par­te da vi­da quo­ti­di­a­na dos cu­ba­nos”, dis­se o mi­nis­tro Bru­no Ro­drí­guez.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.