Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra 1939 - 2016

Ami­gos e ca­ma­ra­das de lu­ta la­men­tam a mor­te de um dos íco­nes da re­vo­lu­ção angolana

Jornal de Angola - - PARTADA -

O na­ci­o­na­lis­ta e de­pu­ta­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra fa­le­ceu on­tem, em Lis­boa, por do­en­ça, aos 77 anos. In­gres­sa­do nas fi­lei­ras do MPLA no mo­men­to da sua fun­da­ção, em 1956, co­or­de­nou vá­ri­os gru­pos de pa­tri­o­tas dos mais di­ver­sos es­tra­tos so­ci­ais e in­te­grou a pri­mei­ra Co­mis­são Di­rec­ti­va do Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de Angola, en­tão co­or­de­na­da pe­lo Pre­si­den­te Agostinho Ne­to, o Fun­da­dor da Na­ção angolana.

O Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA la­men­tou, em co­mu­ni­ca­do, a mor­te do des­te­mi­do combatente pe­la In­de­pen­dên­cia de Angola e con­si­de­ra-o um na­ci­o­na­lis­ta e afri­ca­nis­ta con­vic­to que, por cau­sa dis­so, mui­to ce­do co­nhe­ceu as ca­dei­as co­lo­ni­ais, ten­do ne­las per­ma­ne­ci­do de 1960 a 1974, de­pois da que­da do en­tão re­gi­me co­lo­ni­al e fas­cis­ta, em Por­tu­gal.

Fru­to da con­fi­an­ça que lhe foi de­po­si­ta­da, após a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, em 11 de No­vem­bro de 1975, Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra de­sem­pe­nhou car­gos de gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de no MPLA e no Go­ver­no, fun­ções que de­sem­pe­nhou com mui­to brio e de­di­ca­ção.

“Pe­lo in­faus­to acon­te­ci­men­to, o Bu­re­au Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do MPLA in­cli­na-se pe­ran­te a me­mó­ria des­te ilus­tre combatente da Pá­tria angolana e, em no­me dos mi­li­tan­tes, sim­pa­ti­zan­tes e ami­gos do par­ti­do, en­de­re­ça à fa­mí­lia en­lu­ta­da e à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, as su­as mais sen­ti­das con­do­lên­ci­as”, lê-se na men­sa­gem.

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA tam­bém la­men­tou a mor­te de Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra, que con­si­de­ra um exem­plar e des­ta­ca­do mi­li­tan­te do MPLA que, com brio e de­di­ca­ção, exer­ceu as fun­ções que lhe fo­ram aco­me­ti­das, nas vá­ri­as eta­pas da sua vi­da. Li­cen­ci­a­do em Ci­ên­ci­as So­ci­ais, em Ha­va­na, pe­la Es­co­la Su­pe­ri­or do Par­ti­do Co­mu­nis­ta de Cu­ba, Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra exer­ceu vá­ri­os car­gos na di­rec­ção cen­tral do MPLA e foi mi­nis­tro dos Trans­por­tes e da Agri­cul­tu­ra, além de em­bai­xa­dor re­si­den­te em Cu­ba e na Itá­lia. Foi tam­bém em­bai­xa­dor não re­si­den­te na Ni­ca­rá­gua, Mé­xi­co e Gui­a­na, além de re­pre­sen­tan­te de Angola jun­to das Na­ções Uni­das e jun­to de agên­ci­as das Na­ções Uni­das, co­mo a FAO, PAM e FIDA. Os ami­gos des­cre­vem-no co­mo um au­to­di­dac­ta, que ad­qui­riu uma vas­ta e só­li­da cul­tu­ra nas ca­dei­as por­tu­gue­sas da PIDE-DGS, no cam­po do Mis­som­bo, sob ori­en­ta­ção de Jai­me Ma­da­le­no da Cos­ta Car­nei­ro, e no Tar­ra­fal, sob ori­en­ta­ção de An­tó­nio Ja­cin­to do Ama­ral Mar­tins, com o acom­pa­nha­men­to de Lu­an­di­no Vi­ei­ra.

Em de­cla­ra­ções à Rá­dio Na­ci­o­nal de Angola, o se­cre­tá­rio do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA pa­ra as Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, Ju­lião Ma­teus Pau­lo “Di­no Ma­tross”, dis­se que a mor­te de Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra apa­nhou de sur­pre­sa to­da a di­rec­ção do seu par­ti­do. Di­no Ma­tross con­si­de­ra Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra um dos íco­nes da re­vo­lu­ção angolana que, por ser mui­to ac­ti­vo na lu­ta an­ti-co­lo­ni­al, tam­bém es­te­ve pre­so no pro­ces­so 50.

Es­cri­tor de re­fe­rên­cia

Nas­ci­do no Go­lun­go Al­to, Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra é au­tor de vá­ri­as obras, co­mo “Gen­tes do Ma­to”, “Bo­ne­ca”, “Nzin­ga Mban­di”, “Nda­la­tan­do em Cha­mas”, “4 de Fe­ve­rei­ro pe­los Pró­pri­os” e “JES – Uma Vi­da em prol da Pá­tria”, de­di­ca­do ao Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. “Angola e o Mo­vi­men­to Re­vo­lu­ci­o­ná­rio dos Ca­pi­tães de Abril em Por­tu­gal -Me­mó­ri­as (1974 – 1976)”, foi o seu mais re­cen­te li­vro, con­si­de­ra­do um con­tri­bu­to ines­ti­má­vel à com­pre­en­são do pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção e os acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos na an­ti­ga co­ló­nia por­tu­gue­sa, en­tre 25 de Abril de 1974 e Mar­ço de 1976, da­ta em que se re­ti­ra­ram de Angola os in­va­so­res sul-afri­ca­nos.

“’As Me­mó­ri­as’ de Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra so­bre es­te pe­río­do da his­tó­ria de Angola, es­cri­tas num rit­mo em­pol­gan­te e su­bli­nha­do pe­la ora­li­da­de, que é ma­triz da mo­der­na li­te­ra­tu­ra angolana, re­ve­lam fac­tos, si­tu­a­ções e pro­ta­go­nis­tas que aju­dam a com­pre­en­der o que es­ta­va em jo­go num pe­río­do em que a ‘Guer­ra-Fria’ es­ta­va no au­ge em Áfri­ca”, es­cre­ve a edi­to­ra.

O li­vro é con­si­de­ra­do uma pe­ça pre­ci­o­sa pa­ra me­lhor com­pre­en­der o pe­río­do con­tur­ba­do en­tre a que­da do fas­cis­mo em Por­tu­gal e a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia de Angola, à meia-noi­te de 11 de No­vem­bro de 1975. Re­ve­la igual­men­te fac­tos até ago­ra des­co­nhe­ci­dos e que vão aju­dar a cla­ri­fi­car al­gu­mas eta­pas do pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção e, so­bre­tu­do, a evo­lu­ção do MPLA des­de o mo­men­to em que foi di­la­ce­ra­do pe­las cha­ma­das “re­vol­tas” in­ter­nas até à con­quis­ta do po­der po­lí­ti­co.

Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra re­ce­beu, por oca­sião das co­me­mo­ra­ções do 30° ani­ver­sá­rio da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, ce­le­bra­da a 11 de No­vem­bro de 2005, um ates­ta­do e uma me­da­lha de ou­ro co­mo combatente da li­ber­da­de de 1° grau. Foi co-fun­da­dor da UEA – União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e, de­pois, vi­ce-pre­si­den­te da As­sem­bleia Ge­ral no pe­río­do 1980-1985.

NU­NO FLASH

Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra es­te­ve nos mo­men­tos da fun­da­ção do MPLA e co­or­de­nou vá­ri­os gru­pos de pa­tri­o­tas de di­fe­ren­tes es­tra­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.