Igre­ja da Na­za­ré nas raí­zes do po­vo

Mis­sa de ac­ção de gra­ças foi ce­le­bra­da pe­lo bis­po au­xi­li­ar de Luanda

Jornal de Angola - - PARTADA - MAZARINO DA CU­NHA |

Do­min­go foi a fes­ta da Nos­s­sa Se­nho­ra da Na­za­ré. Mi­lha­res de de­vo­tos en­che­ram o pá­tio e to­da a área ad­ja­cen­te da Igre­ja, pa­ra ce­le­brar com Dom Ze­ca Mar­tins, bis­po au­xi­li­ar de Luanda, os 352 anos do San­tuá­rio.

Três sé­cu­los e meio de exis­tên­cia da Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré em Luanda. Jo­a­na Guer­rei­ro, 91 anos, 87 dos quais de­vo­ta à Na­za­ré. Ela afir­ma ser “fi­lha mais ve­lha” da­que­la Pa­dro­ei­ra.

Se­ve­ri­no Ku­li­ve­la, na­tu­ral do Hu­am­bo, de­di­ca a sua vi­da à Na­za­ré des­de 1979. A pro­xi­mi­da­de da igre­ja ao mar faz Se­ve­ri­no Ku­li­ve­la re­flec­tir to­dos os di­as so­bre a re­la­ção que exis­te en­tre Deus, o ho­mem e a na­tu­re­za.

A de­vo­ta Jo­a­na Guer­rei­ro dis­se ao Jor­nal de Angola que tem uma afi­ni­da­de mui­to for­te e an­ti­ga pa­ra com a Igre­ja da Na­za­ré. Acom­pa­nha­da an­tes pe­los seus pais, a de­vo­ta Jo­a­na re­ce­beu to­dos os seus sa­cra­men­tos na­que­la igre­ja da Bai­xa de Luanda.

Num am­bi­en­te de emo­ção e de es­pe­ran­ça dos três sé­cu­los e meio de cren­ça, os cris­tãos, vin­dos de vá­ri­as pa­ró­qui­as de Luanda, re­za­ram e en­to­a­ram lou­vo­res nas di­fe­ren­tes línguas na­ci­o­nais. Pa­ra os pre­sen­tes na ce­ri­mó­nia, can­tar, re­zar e ve­ne­rar em di­fe­ren­tes línguas de­mons­tra quan­to va­lor tem a Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré na fé dos an­go­la­nos.

Cons­truí­da em 1664, a pe­di­do do go­ver­na­dor por­tu­guês, An­dré Vi­dal de Ne­grei­ros de em agra­de­ci­men­to a Deus por ter so­bre­vi­vi­do a um nau­frá­gio, du­ran­te a vi­a­gem do Bra­sil pa­ra Angola, na­que­le mes­mo ano, é fre­quen­ta­da por mi­lha­res de de­vo­tos vin­dos de ou­tras ter­ras.

Quem tem fé em Deus, fri­sou Se­ve­ri­no Ku­li­ve­la, re­ce­be gra­ças por in­ter­sec­ção à de­vo­ção à Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré. “A mi­nha vi­da, pes­so­al e fa­mi­li­ar tem sen­ti­do por eu ter co­nhe­ci­do há 37 anos es­sa pa­dro­ei­ra”, re­al­çou.

Vi­si­vel­men­te fe­liz pe­la ce­le­bra­ção eu­ca­rís­ti­ca, em agra­de­ci­men­to aos 352 anos de per­ma­nên­cia na de­vo­ção em Luanda, Se­ve­ri­no Ku­li­ve­la re­ma­tou, di­zen­do que dei­xou a sua ter­ra na­tal por cau­sa da apa­ri­ção de Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré. O mes­mo dis­se que se os jo­vens ama­rem e ti­ve­rem es­pe­ran­ça em Deus, tu­do de bom nas su­as vi­das vai acon­te­cer ao seu de­vi­do tem­po.

Mis­sa de ac­ção de gra­ças

A mis­sa de ac­ção de gra­ças em alu­são aos 352 anos de exis­tên­cia da Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré, cons­truí­da em 1664, na Bai­xa da ci­da­de de Luanda, foi ce­le­bra­da do­min­go, pe­lo bis­po au­xi­li­ar de Luanda, Dom Ze­fe­ri­no Ze­ca Mar­tins.

A ce­ri­mó­nia eu­ca­rís­ti­ca jun­tou fiéis e de­vo­tos vin­dos de vá­ri­as pa­ró­qui­as de Luanda, pa­ra, num só pro­pó­si­to, agra­de­ce­rem pe­las gra­ças al­can­ça­das ao lon­go de três sé­cu­los e pe­di­rem tam­bém a in­ter­ces­são de Ma­ria Mãe de Deus pe­la paz, amor e so­li­da­ri­e­da­de en­tre as na­ções.

Na ho­mí­lia, o bis­po au­xi­li­ar de Luanda pe­diu aos cris­tãos pa­ra não te­rem me­do de aco­lher al­guém que es­te­ja a so­frer e a pre­ci­sar de aju­da. "O men­di­go, o vi­a­jan­te, o mi­gran­te, den­tre ou­tros que es­tão es­pa­lha­dos no mun­do, es­ses de­vem ter um tra­ta­men­to mais cui­da­do­so", fri­sou. O pre­la­do ca­tó­li­co re­cor­dou que o po­vo de Angola foi evan­ge­li­za­do por ou­tros po­vos, vin­dos de cul­tu­ras di­fe­ren­tes, o que nos per­mi­tiu dei­xar al­gu­mas prá­ti­cas an­ces­trais que fe­ri­am a fé cris­tã. Por is­so, fri­sou Dom Ze­ca Mar­tins, a igre­ja cris­tã de­fen­de o ca­sa­men­to mo­no­gâ­mi­co e in­dis­so­lú­vel, o di­rei­to pe­lo res­pei­to às au­to­ri­da­des ci­vis e à sua hi­e­rar­quia má­xi­ma.

Dom Ze­ca Mar­tins so­li­ci­tou os cren­tes a se­rem mais so­li­dá­ri­os pa­ra com os ou­tros e, em par­ti­cu­lar, nes­ses mo­men­tos mais di­fí­ceis que o país atra­ves­sa. O bis­po em co­mu­nhão com os de­vo­tos da Na­za­ré, pre­sen­tes na fes­ta, agra­de­ceu à Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré pe­lo al­can­ce da paz, pe­lo dom da uni­da­de nas fa­mí­li­as an­go­la­nas e pe­lo cres­ci­men­to da igre­ja em Luanda. Luanda, fri­sou o bis­po au­xi­li­ar, com o al­can­ce da paz, tor­nou-se nu­ma ci­da­de mul­ti­cul­tu­ral, que aco­lhe po­vos com cul­tu­ras, ide­o­lo­gi­as, ori­gens, cren­ças e pers­pec­ti­vas mui­to di­fe­ren­tes das nos­sas.

Na vi­são do bis­po, es­ta re­a­li­da­de não in­te­res­sa a um cris­tão que tem co­mo cen­tro da sua de­vo­ção Nos­sa Se­nhor da Na­za­ré. Pa­ra o pre­la­do, o que va­le é "ter­mos o mes­mo co­ra­ção", aque­le que Ma­ria Mãe de Deus nos en­si­na a ter to­dos os di­as.

Dom Ze­ca Mar­tins ape­lou aos ho­mens pa­ra dei­xa­rem de olhar a mu­lher ape­nas co­mo uma escrava, uma ex­plo­ra­da, um ob­jec­to de sa­tis­fa­ção car­nal e uma do­més­ti­ca pa­ra sim­ples­men­te ge­rar fi­lhos. O bis­po dis­se que Deus já en­si­nou a hu­ma­ni­da­de a con­si­de­rar a mu­lher co­mo "com­pa­nhei­ra da vi­da que de­ve me­re­cer a con­fi­an­ça ab­so­lu­ta."

Edi­fi­ca­da em 1664, a Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré es­tá lo­ca­li­za­da jun­to ao Oce­a­no Atlân­ti­co, o que re­flec­te a sua im­por­tan­te li­ga­ção com os po­vos que en­tra­vam e saíam de Luanda. Ho­je, 352 anos de­pois, a igre­ja en­con­tra-se ro­de­a­da de vá­ri­os edi­fí­ci­os no­vos e jar­dins, com re­al­ce pa­ra os mais re­cen­tes: o jar­dim do Am­bi­en­te e o da Mar­gi­nal.

O pe­que­no tem­plo de Deus tem uma de­co­ra­ção me­di­e­val re­ple­ta de azu­le­jos, que de­mons­tram as es­tó­ri­as e mi­la­gres dos anos pas­sa­dos, em par­ti­cu­lar dos vi­a­jan­tes. No seu in­te­ri­or, além da ima­gem da Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré, exis­tem igual­men­te ou­tras ima­gens de san­tas.

A Igre­ja de Nos­sa Se­nho­ra da Na­za­ré de Luanda é uma ré­pli­ca da­que­la que exis­te em Por­tu­gal. Pa­ra a his­tó­ria de Luanda, a igre­ja pas­sa a ser um Mo­nu­men­to His­tó­ri­co Na­ci­o­nal. Ho­je, aque­la igre­ja é uma pa­ró­quia da Bai­xa da ca­pi­tal e um san­tuá­rio por on­de pas­sam di­a­ri­a­men­te cen­te­nas de fiéis com cren­ça na Mãe de Deus.

DOMBELE BER­NAR­DO

Num am­bi­en­te de emo­ção e de es­pe­ran­ça dos três sé­cu­los e meio de cren­ça os cris­tãos vin­dos de vá­ri­as pa­ró­qui­as de Luanda re­za­ram e en­to­a­ram lou­vo­res nas di­fe­ren­tes línguas na­ci­o­nais

DOMBELE BER­NAR­DO

A mis­sa foi ce­le­bra­da pe­lo bis­po au­xi­li­ar de Luanda Dom Ze­fe­ri­no Ze­ca Mar­tins e vi­sou pe­dir a in­ter­ces­são de Ma­ria Mãe de Deus pe­la paz

DOMBELE BER­NAR­DO

Se­ve­ri­no Ku­li­ve­la de­di­cou sua vi­da à Na­za­ré

DOMBELE BER­NAR­DO

Jo­a­na Guer­rei­ro tem for­te afi­ni­da­de com a igre­ja

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.