No­va fa­se nas fi­nan­ças pú­bli­cas

Jornal de Angola - - PARTADA - EU­GÉ­NIO GUER­REI­RO

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pro­mo­veu uma re­mo­de­la­ção go­ver­na­men­tal. Au­gus­to Ar­cher de Sou­sa Man­guei­ra é, ago­ra, o no­vo mi­nis­tro das Fi­nan­ças, subs­ti­tuin­do Ar­man­do Ma­nu­el. Sem dú­vi­das, sob o pon­to de vis­ta po­lí­ti­co e fi­nan­cei­ro, Ar­cher Man­guei­ra en­fren­ta múltiplos de­sa­fi­os.

O no­vo in­qui­li­no da Mu­tam­ba é um qua­dro na­ci­o­nal com ele­va­da ex­pe­ri­ên­cia téc­ni­ca, aca­dé­mi­ca e po­lí­ti­ca. Ele en­con­tra uma si­tu­a­ção ma­cro-eco­nó­mi­ca di­fí­cil, ten­do co­mo um dos prin­ci­pais fac­to­res de­ter­mi­nan­tes o agra­va­men­to da si­tu­a­ção fis­cal tra­zi­da pe­la de­te­ri­o­ra­ção das con­tas ex­ter­nas do país, que fo­ram afec­ta­das, so­bre­tu­do, pe­la que­da do pre­ço do pe­tró­leo nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais ini­ci­a­da em me­a­dos de 2014.

An­tes de 2014, Angola ti­nha uma his­tó­ria de cres­ci­men­to in­te­res­san­te com gran­de po­ten­ci­al. Olhan­do pa­ra os da­dos de 2014, o PIB pe­tro­lí­fe­ro an­dou em 35 por cen­to. Se com­pa­rar­mos com a cri­se an­te­ri­or, em que se si­tu­a­va aci­ma dos 50 por cen­to, no­ta­mos que fo­ram cri­a­dos ac­ti­vos na eco­no­mia que se cons­ti­tu­em em fon­tes de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. Mes­mo que não se­ja fa­cil­men­te men­su­rá­vel, sen­te-se mai­or re­si­li­ên­cia pa­ra o ta­ma­nho do cho­que ac­tu­al.

Em pe­río­dos de cri­se – e es­ta não é uma ten­dên­cia de ago­ra – um dos prin­ci­pais vec­to­res pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de Angola é a des­pe­sa pú­bli­ca, mor­men­te o in­ves­ti­men­to pú­bli­co, não com a mag­ni­tu­de que ha­via, mas que não de­ve anu­lar a re­for­ma es­tru­tu­ral. Es­ta re­du­ção da eco­no­mia pe­tro­lí­fe­ra pa­ra ape­nas 35 por cen­to do PIB de­mons­tra bem o po­ten­ci­al que exis­te pa­ra fa­zer emer­gir ou­tras es­fe­ras, po­ten­ci­an­do uma eco­no­mia mais di­ver­si­fi­ca­da.

O no­vo mi­nis­tro das Fi­nan­ças de­ve, sem dú­vi­das, olhar pa­ra a cri­se ac­tu­al co­mo uma opor­tu­ni­da­de pa­ra pro­du­zir as re­for­mas es­tru­tu­rais ne­ces­sá­ri­as, as cor­rec­ções das ex­ter­na­li­da­des e ajus­tar a eco­no­mia pa­ra um pa­ta­mar mais di­nâ­mi­co quan­do vi­rar­mos a pá­gi­na da cri­se.

Em 2014 te­mos uma re­fe­rên­cia do pre­ço mé­dio do bar­ril de pe­tró­leo, com um de­clí­nio abrup­to, a tal pon­to de che­gar­mos à ca­sa dos 30 dó­la­res, com im­pli­ca­ções for­tes em ter­mos de ex­por­ta­ções que em 2013 se ti­nham po­si­ci­o­na­do em 66 mil mi­lhões dó­la­res. Nes­se pe­río­do, hou­ve pro­ble­mas téc­ni­cos em al­guns cam­pos e saí­mos de um PIB pe­tro­lí­fe­ro aci­ma dos 66 mil mi­lhões pa­ra uma pre­vi­são no exer­cí­cio de 2016 de 21 mil mi­lhões de dó­la­res. O que o país be­ne­fi­cia em ter­mos di­rec­tos é do im­pos­to e da re­cu­pe­ra­ção e is­so ten­de a re­du­zir a re­cei­ta pú­bli­ca e o ar­rom­bo abrup­to que a eco­no­mia vi­ve nas cir­cuns­tân­ci­as ac­tu­ais.

Con­vém, en­tre­tan­to, não per­der­mos de vis­ta que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal acom­pa­nha com aten­ção, mas com me­nos pre­o­cu­pa­ção a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca de Angola, em com­pa­ra­ção com ou­tros co­los­sos da pro­du­ção de cru­de, co­mo são os ca­sos da Ará­bia Sau­di­ta e da Ni­gé­ria. Ve­ja­mos por que ra­zão. AA­rá­bia Sau­di­ta es­tá a in­ten­si­fi­car os es­for­ços pa­ra re­du­zir o mai­or dé­fi­ce or­ça­men­tal en­tre os paí­ses do G-20 e, pa­ra o efei­to, vai can­ce­lar mais de 20 mil mi­lhões de dó­la­res em pro­jec­tos e or­ça­men­tos mi­nis­te­ri­ais. O go­ver­no es­tá a re­a­va­li­ar a sua lis­ta de in­ves­ti­men­to pú­bli­co or­ça­do em 69 mil mi­lhões de dó­la­res e po­de cor­tar um ter­ço de­les. O país tem em mar­cha um pla­no de re­for­mas que in­clui o au­men­to do pre­ço dos com­bus­tí­veis, a fu­são de al­guns mi­nis­té­ri­os e a eli­mi­na­ção de ou­tros, nu­ma al­tu­ra em que se es­ti­ma um au­men­to do dé­fi­ce pú­bli­co pa­ra 16 por cen­to do PIB. O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) es­pe­ra que o dé­fi­ce caia pa­ra abai­xo de 10 por cen­to do PIB em 2017.

Mas a Ará­bia Sau­di­ta não é um ca­so úni­co. Na mai­or eco­no­mia afri­ca­na, o im­pac­to é avas­sa­la­dor e co­me­ça a sen­tir-se nas ru­as. Com 187 mi­lhões de pes­so­as, a Ni­gé­ria de­ve­ria ser o mo­tor de cres­ci­men­to de Áfri­ca. Mas o país tor­nou-se num exem­plo do im­pac­to da in­ten­si­da­de com que os pre­ços bai­xos do pe­tró­leo vêm afun­dan­do os mer­ca­dos emer­gen­tes. Fá­bri­cas es­tão pa­ra­li­sa­das por es­cas­sez de di­vi­sas pa­ra im­por­tar pe­ças, Su­per­mer­ca­dos es­tão com di­fi­cul­da­des pa­ra man­ter as gôn­do­las abas­te­ci­das e até bar­ra­gens de elec­tri­ci­da­de pra­ti­ca­men­te pa­ra­ram de pro­du­zir ener­gia por­que não po­dem ar­car com os cus­tos de ma­nu­ten­ção. Mui­tos no­vos “shop­ping cen­ters” es­tão va­zi­os e os ci­da­dãos do país es­tão a en­fren­tar gran­des di­fi­cul­da­des pa­ra en­con­trar pro­du­tos bá­si­cos. Em La­gos, as fi­las pa­ra o abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­vel le­va mais de seis ho­ras de es­pe­ra, obri­gan­do mes­mo à in­ter­ven­ção da po­lí­cia pa­ra con­tro­lar a si­tu­a­ção. Pa­ra man­ter a eco­no­mia a cres­cer, o pre­si­den­te Muham­ma­du Buha­ri foi re­cen­te­men­te à Chi­na pa­ra ne­go­ci­ar fi­nan­ci­a­men­tos a obras de in­fra­es­tru­tu­ra, co­mo es­tra­das, no va­lor de seis mil mi­lhões de dó­la­res e es­tá em pro­jec­ção a emis­são de tí­tu­los de dí­vi­da em yu­an, pe­la pri­mei­ra vez.

Fe­liz­men­te, em Angola os de­sa­fi­os são ou­tros.

Pa­ra uma eco­no­mia com for­te ex­po­si­ção ao ex­te­ri­or es­te cho­que re­flec­te-se na con­ta cor­ren­te e o PIB na óp­ti­ca do ren­di­men­to mos­tra-se con­cen­tra­do. Com a ex­po­si­ção ao cho­que e a que­da con­tí­nua das re­cei­tas pe­tro­lí­fe­ras – de 66 mil mi­lhões de dó­la­res em 2013 pa­ra 20 mil mi­lhões em 2016, an­tes da re­vi­são – foi boa a re­ac­ção do Exe­cu­ti­vo em pro­du­zir um ajus­ta­men­to na des­pe­sa pú­bli­ca. O Go­ver­no man­tém sal­dos pri­má­ri­os pa­ra as­se­gu­rar o ser­vi­ço da dí­vi­da, e aí re­si­de um dos gran­des de­sa­fi­os, da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra da ac­tu­a­li­da­de. Con­tro­lar o en­di­vi­da­men­to, man­ter a des­pe­sa e as­se­gu­rar cres­ci­men­to tan­gí­vel pa­ra re­a­que­cer a eco­no­mia. A es­tra­té­gia se­gui­da em 2011-2013 – al­tu­ra em que co­me­çá­mos a no­tar um au­men­to do en­di­vi­da­men­to por­que nes­se pe­río­do gran­de par­te dos pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes en­tra­ram em fun­ci­o­na­men­to, com bar­ra­gens, ca­mi­nhos-de-fer­ro, ci­clo com­bi­na­do do Soyo – de­ve ago­ra tam­bém ser vá­li­da. A car­tei­ra de pro­jec­tos pú­bli­cos de­ve pri­o­ri­zar aque­les que con­cor­rem em mais­va­li­as pa­ra o fo­men­to da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca em­pre­sa­ri­al.

As re­cei­tas pe­tro­lí­fe­ras con­ti­nu­am de­ma­si­a­do abai­xo dos ní­veis an­te­ri­o­res e is­so tem vin­do a afec­tar to­da a es­tru­tu­ra da eco­no­mia, re­sul­tan­do daí uma cri­se eco­nó­mi­ca, ten­do co­mo fa­ce mais vi­sí­vel a qu­es­tão cam­bi­al. Na ver­da­de, ca­be­rá ao mi­nis­tro Ar­cher Man­guei­ra, em ar­ti­cu­la­ção com to­dos os de­mais sec­to­res de po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca, pro­mo­ver uma pro­fun­da re­for­ma na es­tru­tu­ra da eco­no­mia na­ci­o­nal, tor­nan­do a di­ver­si­fi­ca­ção uma re­a­li­da­de, e não ape­nas em dis­cur­sos e pro­jec­tos, pa­ra além de avan­çar com a re­for­ma tri­bu­tá­ria me­di­an­te a in­tro­du­ção de im­pos­tos com mai­or vo­lu­me de ar­re­ca­da­ção, co­mo o IVA, su­ge­ri­do pe­lo FMI e ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas, ou ain­da a ne­ces­sá­ria con­ten­ção e ra­ci­o­na­li­da­de na des­pe­sa pú­bli­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.