Exér­ci­to res­pei­ta ces­sar-fo­go e man­tém po­si­ções no ter­re­no

Jornal de Angola - - PARTADA - R. EL HUSSEINI e K. AL-MASRI | AFP

Um ces­sar-fo­go ne­go­ci­a­do por Washing­ton e Mos­co­vo en­trou em vi­gor na tar­de de on­tem na Sí­ria, ape­sar de ser re­ce­bi­da com cep­ti­cis­mo so­bre o seu cum­pri­men­to ou não. O acor­do de­ter­mi­na um pri­mei­ro ces­sar-fo­go de 48 ho­ras a par­tir das 19h00 lo­cais (17 ho­ras de Angola) de on­tem nas re­giões que não es­tão em mãos de ex­tre­mis­tas co­mo os do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI).

O exér­ci­to sí­rio anun­ci­ou ime­di­a­ta­men­te a sus­pen­são das su­as ope­ra­ções mi­li­ta­res até à meia-noi­te do pró­xi­mo do­min­go. Mes­mo as­sim, a opo­si­ção ain­da não ti­nha ex­pres­sa­do for­mal­men­te o seu apoio em re­la­ção ao acor­do.O ces­sar-fo­go é mais uma ten­ta­ti­va pa­ra pôr fim ao der­ra­ma­men­to de san­gue que des­de 2011 atin­ge a Sí­ria, além de per­mi­tir le­var a aju­da hu­ma­ni­tá­ria a mi­lha­res de ci­vis. Du­ran­te o dia, ocor­re­ram vá­ri­os bom­bar­de­a­men­tos em Alep­po e os com­ba­tes pros­se­gui­am, se­gun­do cor­res­pon­den­tes da AFP, nes­ta ci­da­de di­vi­di­da des­de 2012 em du­as zo­nas, uma nas mãos dos re­bel­des e ou­tra con­tro­la­da pe­lo Go­ver­no da Sí­ria. Pou­co an­tes de co­me­çar o ces­sar-fo­go, o ge­ne­ral rus­so Ser­gei Ruds­koi afir­mou que a tré­gua se es­ten­dia a to­do o país, mas que Mos­co­vo con­ti­nu­a­rá a ata­car “ob­jec­ti­vos ter­ro­ris­tas”.

Se o ces­sar-fo­go for man­ti­do du­ran­te uma se­ma­na, a Rús­sia e os Es­ta­dos Uni­dos ini­ci­a­rão – de for­ma iné­di­ta – ata­ques con­jun­tos con­tra os ex­tre­mis­tas do Es­tadp Is­lâ­mi­co, e da Fren­te Fa­teh Al Sham, ex-Fren­te al Nus­ra, fac­ção sí­ria da Al-Qa­e­da. De­pois de vá­ri­as ten­ta­ti­vas in­fru­tí­fe­ras, prin­ci­pal­men­te a de Fe­ve­rei­ro pas­sa­do, per­sis­tem mui­tas in­cer­te­zas so­bre a pos­si­bi­li­da­de de se pôr fim a uma guer­ra que já pro­vo­cou 290.000 mor­tos e ex­pul­sou dos seus la­res mi­lhões de sí­ri­os.

O Pre­si­den­te sí­rio Bashar al As­sad de cer­ta for­ma re­du­ziu as es­pe­ran­ças de um rá­pi­do ces­sar dos com­ba­tes ao de­cla­rar on­tem que quer re­cu­pe­rar to­do o ter­ri­tó­rio que ain­da não es­tá sob con­tro­lo do seu go­ver­no.“O Es­ta­do sí­rio es­tá de­ter­mi­na­do a re­cu­pe­rar to­das as re­giões que es­tão nas mãos dos ter­ro­ris­tas e a res­ta­be­le­cer a se­gu­ran­ça” do país, de­cla­rou As­sad à im­pren­sa es­ta­tal du­ran­te uma vi­si­ta ao ex-re­du­to re­bel­de de Da­raya, per­to de Da­mas­co.

O go­ver­no sí­rio uti­li­za a pa­la­vra “ter­ro­ris­ta” pa­ra fa­zer re­fe­rên­cia a re­bel­des e jiha­dis­tas. “Exis­tem aque­les que têm ilu­sões e há cin­co anos não se li­vra­ram das ilu­sões”, afir­mou o Pre­si­den­te sí­rio a res­pei­to da opo­si­ção, de acor­do com de­cla­ra­ções di­vul­ga­das pe­la agên­cia ofi­ci­al Sa­na. “Al­guns apos­ta­vam em pro­mes­sas do ex­te­ri­or”, dis­se, em re­fe­rên­cia aos fi­nan­ci­a­do­res da opo­si­ção, co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, a Grã-Bre­ta­nha, a Fran­ça, a Ará­bia Sau­di­ta ou a Tur­quia. “Es­sas pro­mes­sas não se con­cre­ti­za­rão”, con­cluiu. A opo­si­ção sí­ria, por sua vez, pe­diu ga­ran­ti­as so­bre a apli­ca­ção do ces­sar-fo­go. “Qu­e­re­mos sa­ber quais são as ga­ran­ti­as. Es­pe­ra­mos que exis­tam ga­ran­ti­as e pe­di­mos ga­ran­ti­as, es­pe­ci­al­men­te dos Es­ta­dos Uni­dos, que é par­te en­vol­vi­da no acor­do de ces­sar-fo­go”, afir­mou à AFP Sa­lem al-Mus­let, por­ta-voz do Al­to Co­mi­té de Ne­go­ci­a­ções (ACN) da opo­si­ção sí­ria.

O anún­cio do ces­sar-fo­go na sex­ta-fei­ra ocor­reu após se­ma­nas de ne­go­ci­a­ções en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia, que apoi­am res­pec­ti­va­men­te a re­be­lião e o Go­ver­no, e no mo­men­to em que os re­bel­des pas­sam por di­fi­cul­da­des mi­li­ta­res de­pois de uma der­ro­ta na úl­ti­ma ba­ta­lha de Alep­po. “Es­ta­mos a re­ver com­ple­ta­men­te (o acor­do). É re­al­men­te im­por­tan­te co­nhe­cer os ní­veis de com­pro­mis­so de to­das as par­tes no acor­do, es­pe­ci­al­men­te dos Es­ta­dos Uni­dos”, dis­se Mus­let. “Qual é a de­fi­ni­ção es­co­lhi­da pa­ra ‘ter­ro­ris­mo’ e qual se­rá a res­pos­ta em ca­so de vi­o­la­ção?”, per­gun­tou.

O in­flu­en­te gru­po re­bel­de is­la­mi­ta sí­rio Ah­rar al-Sham re­jei­tou por sua vez o acor­do de tré­guas en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia, ale­gan­do que ser­vi­rá ape­nas pa­ra “re­for­çar” o go­ver­no de Da­mas­co e “au­men­tar o so­fri­men­to” do po­vo.

Ah­rar al-Sham foi o pri­mei­ro gru­po re­bel­de a re­a­gir ofi­ci­al­men­te ao acor­do as­si­na­do na se­ma­na pas­sa­da en­tre rus­sos e nor­te-ame­ri­ca­nos, em Ge­ne­bra. Os de­mais gru­pos re­bel­des – is­la­mi­tas e não is­la­mi­tas –e a opo­si­ção po­lí­ti­ca ain­da não de­ram uma res­pos­ta ofi­ci­al. “O po­vo (sí­rio) não po­de acei­tar so­lu­ções pe­la me­ta­de”, afir­mou Ali el Omar, sub­co­man­dan­te-ge­ral do gru­po, em dis­cur­so di­vul­ga­do no YouTu­be por oca­sião da Aid al-Adha, a Fes­ta do Sa­cri­fí­cio, que se ce­le­bra ho­je. “O acor­do rus­so-ame­ri­ca­no faz eva­po­rar to­dos os sa­cri­fí­ci­os e avan­ços do nos­so po­vo em re­vol­ta. Ape­nas con­tri­bui pa­ra re­for­çar o Go­ver­no e en­cur­ra­lar mi­li­tar­men­te a re­vo­lu­ção”, de­nun­ci­ou.

Ali el Omar re­jei­tou ain­da o se­gun­do pon­to do acor­do, em vir­tu­de do qual Washing­ton de­ve­ria con­ven­cer os re­bel­des a dis­so­ci­a­rem-se de um im­por­tan­te ali­a­do ex­tre­mis­ta – a Fren­te Fa­teh al-Sham (ex-Fren­te Al-Nus­ra). Es­te úl­ti­mo gru­po, afec­ta­do pe­lo acor­do ape­nas de for­ma in­di­rec­ta, tam­bém re­a­giu no Twit­ter. “É sim­ples. O acor­do rus­so-ame­ri­ca­no tra­ta da eli­mi­na­ção da­que­les que pro­te­gem os sí­ri­os”, in­di­cou Mos­ta­fa Maha­med, um dos seus por­ta-vo­zes, re­fe­rin­do-se ao gru­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.