A brin­car a brin­car...

Jornal de Angola - - PARTADA -

Sá­ba­do. Es­tá­va­mos nu­ma sa­la de um no­vo es­pa­ço cul­tu­ral que ia ser inau­gu­ra­do. Um gru­po de ve­lhos ami­gos e co­nhe­ci­dos, sen­ta­dos à vol­ta de uma me­sa re­don­da. Pe­los vis­tos, só eu é que não sa­bia. To­dos mos­tra­vam, no écran de ca­da um des­ses te­le­fo­nes de top, ima­gens de um ob­jec­to es­qui­si­to, su­ge­rin­do ar­te sur­re­a­lis­ta. Era a gar­ga­lha­da ge­ral. Eu per­gun­tei com a cau­te­la sem co­men­tá­ri­os. Na­da! To­do o mun­do sa­bia e an­da­va pe­las re­des so­ci­ais. O que era en­tão? O fei­ti­ço da So­nan­gol! Mas co­mo, quan­do e on­de? Que ha­via si­do en­con­tra­do na ca­sa de ba­nho dos ca­va­lhei­ros. E o des­ti­no, nin­guém sa­bia. Uma das pes­so­as ti­nha ti­ra­do mes­mo a fo­to­gra­fia in lo­co. Era mes­mo o fei­ti­ço da So­nan­gol. Mas se já lá es­ta­va an­tes da mu­dan­ça ou se ti­ve­ra si­do co­lo­ca­do de­pois da mu­dan­ça. E o pes­so­al gar­ga­lha­va bué já que a ques­tão era sa­ber se o fei­ti­ço, nesta ho­ra de Angola a crescer, se o fei­ti­ço era con­tra ou a fa­vor já que no fei­ti­ço não há abs­ten­ções. Fos­se co­mo fos­se, a sé­rio ou a brin­car, pa­ra mim tra­ta­va-se de uma me­tá­fo­ra so­bre a ma­nei­ra co­mo se en­ca­ra o exa­ge­ro da ideia de que es­ta­mos em cres­ci­men­to ful­gu­ran­te que nem a Co­reia do Nor­te com os fo­gue­tões.

Na ver­da­de, a eu­fo­ria não de­ve ser exa­ge­ra­da por­que o cres­ci­men­to, a subs­ti­tui­ção de im­por­ta­ções, o au­men­to da pro­du­ção na­ci­o­nal não acom­pa­nha a ve­lo­ci­da­de que a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al (que é sem­pre rá­pi­da) lhe vem dan­do. Tra­ta-se de um pro­ces­so que de­ve cui­dar-se con­tra o es­pon­tâ­neo, dos que es­tão sem­pre à es­pe­ra de mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o en­ri­que­ci­men­to sem cau­sa. Em boa ho­ra o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, nu­ma ho­ra so­le­ne, fa­lou em tra­ba­lho e er­ros. Em su­ma, dis­se que é um ser hu­ma­no. Foi uma cha­pa­da na­que­les que a to­da a ho­ra o que­rem en­deu­sar com exa­ge­ros de vas­sa­la­gem a ti­rar pro­vei­to, con­tra­ri­an­do a sim­pli­ci­da­de do lí­der que por via dos maus con­se­lhos tam­bém po­de er­rar. Fi­quei em la­men­ta­ção quan­do me fa­la­ram, que eu não vi, ter o em­bai­xa­dor iti­ne­ran­te es­ta­do num de­ba­te com um re­sí­duo de des­tro­ços de uma asa de um avião pi­ra­ta aci­den­ta­do em ter­ri­tó­rio an­go­la­no, sem li­cen­ça, sem na­da. E lem­brei-me do po­e­ta so­vié­ti­co que fa­zia de em­bai­xa­dor iti­ne­ran­te. Mas só pas­sa­va e fa­la­va de cul­tu­ra. Cu­ba, ago­ra, tem um es­cri­tor que en­con­tro em to­dos os con­gres­sos. Só fa­la de cul­tu­ra cu­ba­na. A fi­gu­ra do em­bai­xa­dor iti­ne­ran­te an­go­la­no é uma es­pé­cie de bom­bei­ro ou jus­ti­fi­ca­dor.

Ime­di­a­ta­men­te a se­guir à in­de­pen­dên­cia, al­gu­mas das pes­so­as que fo­ram pa­ra Por­tu­gal des­co­bri­ram uma ma­nei­ra de pro­ta­go­nis­mo e vi­su­a­li­za­ção me­diá­ti­ca. Ir pa­ra os jor­nais fa­lar mal de Angola, al­gu­mas ve­zes, até, de quem os aju­dou a sair. Por­tu­gal pas­sou a ser o lu­gar das quei­xi­nhas e can­ti­gas de mal­di­zer. Ti­nham per­di­do a jóia da co­roa e aco­lhi­am is­so de bra­ços aber­tos. O sa­po que fa­lou com o nos­so iti­ne­ran­te, foi cor­ri­do do mi­nis­té­rio da cul­tu­ra por ter ame­a­ça­do com por­ra­da fun­ci­o­ná­ri­os su­pe­ri­o­res, um po­dre que a pla­ti­na não aguen­ta uma cha­pa­da. Fran­ca­men­te, va­mos co­lo­car o iti­ne­ran­te a fa­lar de in­ves­ti­men­tos, cul­tu­ra, im­pu­tes pa­ra a se­mi­a­dor­me­ci­da CPLP, en­fim, de coi­sas sé­ri­as e não de ma­té­ri­as que são da nos­sa so­be­ra­nia e se ti­ver­mos de res­pon­der por quais­quer ma­té­ri­as que me­re­çam ou­tro ní­vel de ob­ser­va­ção se­rá sem­pre nas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais com­pe­ten­tes. Aliás, o Por­tu­gal sau­do­sis­ta que ve­ri­fi­que a aten­ção que a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al an­go­la­na dá às tri­cas tu­gas. É a di­fe­ren­ça en­tre a edu­ca­ção e a fal­ta de edu­ca­ção. E aqui em Angola, an­go­la­nos e por­tu­gue­ses vi­vem co­mo ir­mãos e o Ins­ti­tu­to Ca­mões, por exem­plo, en­che-se de an­go­la­nos em to­dos os even­tos.

Mas vol­tan­do ao nos­so as­sun­to: o fei­ti­ço na So­nan­gol. Não acre­di­to que te­nha si­do co­lo­ca­do nem pe­la ad­mi­nis­tra­ção que saiu nem pe­la que en­trou. En­tão foi por ter­cei­ro. E se for um des­ses chan­fús que sa­em da psi­qui­a­tria me­di­ca­dos pa­ra um pas­seio? Na glo­ba­li­za­ção tu­do po­de acon­te­cer. Já dis­se aqui que es­ta­mos na ida­de mé­dia com tec­no­lo­gia. Na­que­le tem­po fa­zi­am-se mui­tos mu­ros e cas­te­los. E ago­ra veio a do­en­ça dos mu­ros e um can­di­da­to à pre­si­dên­cia da Amé­ri­ca, foi em vi­si­ta ofi­ci­al ao Mé­xi­co e fa­lou que quem ia pa­gar o mu­ro pa­ra os me­xi­ca­nos não en­tra­rem na Amé­ri­ca se­ria o Mé­xi­co. Pa­ra ter­mi­nar es­ta con­fu­são, o ces­sar-fo­go na Síria foi as­si­na­do pe­lo ame­ri­ca­no e pe­lo rus­so... pois são os pa­tro­ci­na­do­res dos even­tos bé­li­co-te­le­vi­si­vos e o des­ca­ra­men­to do Oci­den­te vem des­de a pri­ma­ve­ra ára­be, tu­do na de­cor­rên­cia do con­fli­to En­tre Is­ra­el, pro­te­gi­do pe­los ame­ri­ca­nos e a Pa­les­ti­na mas­sa­cra­da pe­los Is­ra­e­li­tas, fe­liz­men­te, com a au­sên­cia do nos­so iti­ne­ran­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.