Pro­tec­ção das zo­nas cos­tei­ras e ma­ri­nhas jun­ta es­pe­ci­a­lis­tas

Jornal de Angola - - PARTADA - DO­MIN­GOS DOS SAN­TOS |

A di­rec­to­ra na­ci­o­nal das Pes­cas de­fen­deu on­tem em Luanda a ges­tão re­gu­lar e sus­ten­tá­vel das ac­ti­vi­da­des re­a­li­za­das nas zo­nas cos­tei­ras pa­ra a pre­ser­va­ção do am­bi­en­te ma­ri­nho no sen­ti­do de se de­sen­vol­ver a eco­no­mia azul.

Ma­ria de Lour­des Sar­di­nha, que fa­la­va no fi­nal do ac­to de aber­tu­ra do seminário so­bre a Ges­tão In­te­gra­da das zo­nas cos­tei­ras e o or­de­na­men­to do es­pa­ço ma­ri­nho, dis­se que nas zo­nas cos­tei­ras e ma­ri­nhas são re­a­li­za­das ac­ti­vi­da­des co­mo de pes­ca, re­cre­a­ção e de trans­por­te ma­rí­ti­mo que de­vem ser ge­ri­das de for­ma sus­ten­tá­vel pa­ra a pre­ser­va­ção dos re­cur­sos marinhos.

“Es­sas ac­ti­vi­da­des e ou­tros pro­ces­sos bi­o­ló­gi­cos em con­jun­to de­vem ser ge­ri­dos de tal for­ma que pos­sa­mos ter um am­bi­en­te sus­ten­tá­vel e uma ex­plo­ra­ção sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos, ten­do em aten­ção o ecos­sis­te­ma”, afir­mou.

Angola con­ta des­de 1985 com a par­ce­ria da No­ru­e­ga no âm­bi­to de um pro­gra­ma que con­sis­tia na investigação pes­quei­ra. Com o pas­sar do tem­po, os dois paí­ses de­ci­di­ram alar­gar es­sa co­o­pe­ra­ção pa­ra o do­mí­nio da ges­tão pes­quei­ra e do ecos­sis­te­ma.

A di­rec­to­ra Na­ci­o­nal das Pes­cas ex­pli­cou que os dois paí­ses de­fi­ni­ram cin­co com­po­nen­tes prin­ci­pais em que a No­ru­e­ga ce­de os seus téc­ni­cos pa­ra aju­dar os seus co­le­gas an­go­la­nos a de­sen­vol­ve­rem pro­gra­mas de ges­tão de pes­cas, de costa, ecos­sis­te­mas, investigação pes­quei­ra e aqua­cul­tu­ra.

“O de­sen­vol­vi­men­to nun­ca po­de ser de­sor­ga­ni­za­do, por is­so te­mos que ter uma pes­ca ao ní­vel da costa or­ga­ni­za­da de tal for­ma que sa­be­mos aqui­lo que es­ta­mos a ti­rar e co­mo va­mos ti­rar, pa­ra não afec­tar o ecos­sis­te­ma”, dis­se Ma­ria de Lour­des Sar­di­nha, acres­cen­tan­do que a cons­tru­ção e re­ti­ra­da de ma­dei­ra, no ca­so dos man­gais, tem que ser co­or­de­na­do pa­ra não afec­tar o am­bi­en­te ma­ri­nho.

O in­ves­ti­ga­dor prin­ci­pal do Ins­ti­tu­to de Investigação Ma­ri­nha da No­ru­e­ga, Ter­je Sva­sand, ma­ni­fes­tou a in­ten­ção do seu país trans­mi­tir a Angola a sua ex­pe­ri­ên­cia no do­mí­nio da ges­tão dos re­cur­sos marinhos no de de­sen­vol­ver a cha­ma­da eco­no­mia azul. “Te­mos tra­ba­lha­do bas­tan­te nes­sa área na No­ru­e­ga e atra­vés da pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to con­se­gui­mos al­can­çar re­sul­ta­dos bas­tan­te po­si­ti­vos que ala­van­ca­ram a nos­sa eco­no­mia na área da aqua­cul­tu­ra e ges­tão das zo­nas cos­tei­ras”, sus­ten­tou.

Ter­je Sva­sand con­si­de­ra im­por­tan­te a re­a­li­za­ção do seminário por ser um pas­so no sen­ti­do de ori­en­tar o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no na ges­tão sus­ten­tá­vel das zo­nas cos­tei­ras. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Aqua­cul­tu­ra, Car­los Fi­lo­me­no Mar­ti­nó, lem­brou as eta­pas por que pas­sou a co­o­pe­ra­ção no sec­tor das pes­cas com a No­ru­e­ga, ini­ci­a­da em 1985, com a im­ple­men­ta­ção do Pro­gra­ma Nan­sen, que se cen­tra­va prin­ci­pal­men­te na mo­ni­to­ri­za­ção e investigação dos re­cur­sos marinhos vi­vos e no de­sen­vol­vi­men­to da ca­pa­ci­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Investigação Pes­quei­ra (INIP).

“A par­tir de 2000, o Pro­gra­ma Nan­sen foi alar­ga­do pa­ra tam­bém in­cluir as com­po­nen­tes de ges­tão pes­quei­ra e das ques­tões de pe­tró­leo, pes­cas e am­bi­en­te. Nesta con­for­mi­da­de, foi as­si­na­do em 2014 o pro­gra­ma de co­o­pe­ra­ção téc­ni­ca com o ob­jec­ti­vo ge­ral de for­ta­le­cer a ca­pa­ci­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, téc­ni­ca e de ges­tão em áre­as pri­o­ri­tá­ri­as, de mo­do a pro­mo­ver a uti­li­za­ção sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos aquá­ti­cos do pon­to de vis­ta eco­ló­gi­co e am­bi­en­tal e con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co viá­vel do sec­tor das pes­cas em Angola”, ex­pli­cou.

Co­mo par­te des­ta co­o­pe­ra­ção, dis­se, fo­ram re­a­li­za­das vá­ri­as ac­ti­vi­da­des, de en­tre elas um seminário na­ci­o­nal que per­mi­tiu ana­li­sar as opor­tu­ni­da­des e cons­tran­gi­men­tos pa­ra a cri­a­ção de áre­as ma­ri­nhas pro­te­gi­das. Em Ou­tu­bro de 2014, acres­cen­tou, foi re­a­li­za­do um se­gun­do seminário mul­tis­sec­to­ri­al e de âm­bi­to in­ter­na­ci­o­nal on­de fo­ram abor­da­das ques­tões li­ga­das ao es­ta­be­le­ci­men­to e de­fi­ni­ção de áre­as ma­ri­nhas pro­te­gi­das e áre­as sen­sí­veis e tam­bém de as­pec­tos li­ga­dos ao de­sen­vol­vi­men­to e ges­tão da aqua­cul­tu­ra.

“Nes­te seminário que ho­je (on­tem) se ini­cia, vão ser ana­li­sa­das ques­tões re­fe­ren­tes à ges­tão in­te­gra­da da zo­na cos­tei­ra, do or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio em re­la­ção às áre­as ma­ri­nhas pro­te­gi­das, aqua­cul­tu­ra e de ou­tros uti­li­za­do­res im­por­tan­tes da zo­na cos­tei­ra, co­mo é o ca­so da ex­plo­ra­ção pe­tro­lí­fe­ra e trans­por­te ma­rí­ti­mo”, con­cluiu.

PAULO MULAZA

Es­pe­ci­a­lis­tas ana­li­sam ques­tões de ges­tão in­te­gra­da das zo­nas ma­ri­nhas e do or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio em re­la­ção às áre­as pro­te­gi­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.