Co­o­pe­ra­ção com as Na­ções Uni­das é ex­ce­len­te

Jornal de Angola - - POLÍTICA - JOSINA DE CARVALHO |

A co­o­pe­ra­ção en­tre Angola e o sis­te­ma das Na­ções Uni­das é ex­ce­len­te, afir­mou on­tem o se­cre­tá­rio de Es­ta­do das Relações Ex­te­ri­o­res, Manuel Au­gus­to, du­ran­te o en­con­tro anual de tra­ba­lho en­tre as par­tes, que tem co­mo ob­jec­ti­vo ava­li­ar o es­ta­do des­sa co­o­pe­ra­ção, com a par­ti­ci­pa­ção do Ban­co Mun­di­al (BM), Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) e do Ban­co Afri­ca­no de De­sen­vol­vi­men­to (BAD).

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do dis­se que mui­tos pro­gra­mas fo­ram re­a­li­za­dos nos do­mí­ni­os da edu­ca­ção, saú­de, as­sis­tên­cia téc­ni­ca, boa go­ver­na­ção e di­rei­tos hu­ma­nos. Pa­ra­le­la­men­te a es­tas ac­ções, re­fe­riu que Angola par­ti­ci­pou em to­dos os pro­ces­sos in­ter­na­ci­o­nais re­a­li­za­dos no úl­ti­mo ano até ao mo­men­to e as­su­miu res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das, en­quan­to mem­bro não per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das.

“Tam­bém te­mos ti­do um pa­pel mui­to im­por­tan­te ao ní­vel do Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos; por is­so, as­su­mi­mo-nos co­mo um par­cei­ro de cor­po in­tei­ro nas relações in­ter­na­ci­o­nais”, de­cla­rou o di­plo­ma­ta.

Es­te ano, de acor­do com Manuel Au­gus­to, o Exe­cu­ti­vo de­fi­niu co­mo pri­o­ri­da­de a in­ser­ção de qua­dros an­go­la­nos no sis­te­ma das Na­ções Uni­das e no sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal. “É uma la­cu­na que que­re­mos pre­en­cher, em fun­ção das res­pon­sa­bi­li­da­des que o país as­su­me a ní­vel re­gi­o­nal e con­ti­nen­tal, e da sua pos­tu­ra em re­la­ção aos seus com­pro­mis­sos fi­nan­cei­ros, li­ga­dos ao pa­ga­men­to de quo­tas”, ex­pli­cou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do. Se­gun­do Manuel Au­gus­to, não faz sen­ti­do que até ago­ra o país não te­nha ne­nhu­ma re­pre­sen­ta­ção vi­sí­vel de qua­dros an­go­la­nos no sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal. O Exe­cu­ti­vo, pros­se­guiu, es­tá a tra­ba­lhar pa­ra que ao ní­vel das Na­ções Uni­das, União Afri­ca­na e de ou­tras en­ti­da­des Angola pos­sa ter qua­dros na­ci­o­nais. “Pen­sa­mos que ho­je te­mos con­di­ções e qua­dros jo­vens com mar­gens de pro­gres­são na car­rei­ra. Va­mos ver até que pon­to po­de­mos ob­ter o apoio das Na­ções Uni­das”, re­ma­tou.

Gra­du­a­ção de Angola

Du­ran­te o en­con­tro, or­ga­ni­za­do pe­la Di­rec­ção dos As­sun­tos Mul­ti­la­te­rais do Mi­nis­té­rio das Relações Ex­te­ri­o­res, foi tam­bém ava­li­a­do o pro­ces­so de gra­du­a­ção de Angola pa­ra país de ren­di­men­to mé­dio e a agen­da mun­di­al 2030. Angola es­tá nu­ma fa­se de tran­si­ção, em que de­ve re­for­çar a ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca, ela­bo­rar o per­fil de vul­ne­ra­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e o re­la­tó­rio de avaliação pré­via do im­pac­to da gra­du­a­ção. O pro­ces­so de gra­du­a­ção, es­cla­re­ceu, de­ve es­tar a acon­te­cer ape­nas em 2021, por­que Angola so­li­ci­tou em 2015 um pe­río­do de ex­ten­são, de­vi­do à cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, re­sul­tan­te da que­da do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

Manuel Au­gus­to re­fe­riu que o país es­tá nu­ma si­tu­a­ção de­li­ca­da, igual­men­te pe­lo fac­to de per­der o aces­so a fun­dos di­ri­gi­dos aos paí­ses me­nos avan­ça­dos, des­de 2012, al­tu­ra em que foi acei­te a sua gra­du­a­ção. “Mas es­for­ços es­tão a ser en­vi­da­dos pa­ra a re­ver­são do ac­tu­al qua­dro eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro do país”, ga­ran­tiu, apon­tan­do o Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to co­mo um ins­tru­men­to que vai per­mi­tir um cres­ci­men­to di­ver­si­fi­ca­do da eco­no­mia an­go­la­na.

Ac­ções fu­tu­ras

O co­or­de­na­dor re­si­den­te das Na­ções Uni­das em Angola, Pi­er Pa­o­lo Bal­la­del­li, dis­se que os Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel e a gra­du­a­ção de Angola pa­ra país de ren­di­men­to mé­dio vão ser nos pró­xi­mos anos os ele­men­tos ori­en­ta­do­res da par­ce­ria en­tre as Na­ções Uni­das e o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no.

Den­tro dos sec­to­res de co­o­pe­ra­ção, ex­pli­cou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, as Na­ções Uni­das vão con­ti­nu­ar a iden­ti­fi­car no­vas par­ce­ri­as e for­ta­le­cer as já exis­ten­tes com o Go­ver­no de Angola e as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras in­ter­na­ci­o­nais.

KINDALA MANUEL

Se­cre­tá­rio de Es­ta­do Manuel Au­gus­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.