ANGOLA A CRESCER No­va­gro­lí­der fo­men­ta a pro­du­ção na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - DESTAQUE - CRISTINA DA SILVA |

O fo­men­to da pro­du­ção na­ci­o­nal tem aju­da­do a me­lho­rar a qua­li­da­de de vida das po­pu­la­ções. Com o re­for­ço dos pro­gra­mas agrí­co­las, ho­je é ca­da vez mais co­mum ver em pra­te­lei­ras de su­per­mer­ca­dos, can­ti­nas e até nas ru­as, di­ver­sos pro­du­tos do cam­po, que dão “gos­to” ao ali­men­to nas ca­sas dos an­go­la­nos.

Ba­na­nas, cour­get­te, al­fa­ce, bró­co­los, fei­jão ver­de, uva, mo­ran­go, be­ter­ra­ba, na­bo, pi­men­to ver­me­lho e ama­re­lo, são al­guns pro­du­tos agrí­co­las que os co­mer­ci­an­tes im­por­ta­vam.

Ho­je a re­a­li­da­de é di­fe­ren­te. Es­tes pro­du­tos já es­tão a ser pro­du­zi­dos em Angola e em gran­de es­ca­la.

Num mer­ca­do pa­ra­le­lo de Luanda, en­con­trá­mos uma ban­ca­da re­ple­ta de va­ri­e­da­des de fru­tas de qua­li­da­de. A co­mer­ci­an­te sa­be ape­nas que são pro­du­tos da No­va­gro­lí­der e jul­ga que são im­por­ta­dos. O aba­ca­xi, la­ran­ja e tan­ge­ri­na, por exem­plo, são pro­du­zi­dos em Bom Je­sus, na pro­vín­cia de Luanda.

Em 10 anos de exis­tên­cia, o gru­po No­va­gro­lí­der con­se­guiu tor­nar­se num dos mai­o­res pro­du­to­res e abas­te­ce­do­res de ar­ti­gos do cam­po do país. São mais de 40 es­pé­ci­es, co­mo mi­lho, fei­jão e ce­va­da, es­ta úl­ti­ma em fa­se ex­pe­ri­men­tal, me­lão, me­lan­cia, mo­ran­go, uva, man­ga, pa­paia, aba­ca­xi, la­ran­ja, tan­ge­ri­na, ba­na­na, to­ma­te, ba­ta­ta re­na, ce­nou­ra, abó­bo­ra, al­fa­ce ver­de e ro­xa, qui­a­bo, alho fran­cês, gin­dun­go, na­bo, be­ter­ra­ba, cou­ve, re­po­lho, bró­co­los, cour­get­te, pi­men­to ver­de, ama­re­lo e ver­me­lho, as es­pé­ci­es pro­du­zi­das nos mais va­ri­a­dos cam­pos de cul­ti­vos do gru­po Lí­der es­pa­lha­dos pe­lo país.

A No­va­gro­lí­der in­ves­tiu 220 mi­lhões de dó­la­res, com re­cur­sos pró­pri­os, e em­pre­gou mais de duas mil pes­so­as em to­do o país. Com o au­men­to da pro­du­ção, o pre­si­den­te do gru­po, Jo­sé Ma­ce­do, dis­se que pre­ten­de nos pró­xi­mos tem­pos in­ves­tir mais 100 mi­lhões de dó­la­res. “Te­mos um pro­jec­to a ini­ci­ar no Cu­ne­ne com qua­tro mil hec­ta­res pa­ra a pro­du­ção de hor­tí­co­las”, dis­se Jo­sé Ma­ce­do, acres­cen­tan­do que a área dos ce­re­ais con­ta com 150 hec­ta­res e vai au­men­tar mais três mil pa­ra no­vos pro­jec­tos.

Em 2009, o gru­po tor­nou-se no mai­or pro­du­tor de hor­to­fru­tí­co­las de Angola. Em 2014, pro­du­ziu cer­ca de 106 mil to­ne­la­das, en­quan­to que em 2015 ob­te­ve 150 mil to­ne­la­das de pro­du­tos. Es­ti­ma­ti­vas apon­tam que, es­te ano, o gru­po po­de au­men­tar a pro­du­ção na or­dem dos 25 por cen­to.

Bum­ba Lon­ga

Pró­xi­mo da es­tra­da na­ci­o­nal 120 es­tá lo­ca­li­za­da uma das fa­zen­das que faz jus à qua­li­da­de e quan­ti­da­de de pro­du­tos pro­du­zi­dos pe­la No­va­gro­lí­der. Tra­ta-se da fa­zen­da Bum­ba Lon­ga, si­tu­a­da a 17 qui­ló­me­tros do mu­ni­cí­pio da Qui­ba­la, pro­vín­cia do Cu­an­za Sul. A pro­du­ção é efec­tu­a­da em es­tu­fas a céu aber­to.

Em ca­da tem­po­ra­da de 60 a 90 di­as, mais de 10 es­pé­ci­es são co­lhi­das e co­lo­ca­das à dis­po­si­ção dos con­su­mi­do­res nos mer­ca­dos for­mais e in­for­mais do país. São mais de mil hec­ta­res de pro­du­ção em vá­ri­as fa­ses de plan­tio, cres­ci­men­to e co­lhei­ta. O pro­ces­so ga­ran­te que não ha­ja ro­tu­ra de stock de pro­du­ção do gru­po nos mer­ca­dos do país. “Com is­so, per­mi­ti­mos que não ha­ja ro­tu­ra de pro­du­tos. Da­da a di­men­são do es­pa­ço em cul­ti­vo, atra­vés do ma­pa de plan­ta­ção, con­tro­la­mos as fa­ses e as­sim fa­ze­mos no­vos plan­ti­os”, ex­pli­cou.

Na Qui­ba­la, o cul­ti­vo é fei­to de vá­ri­as for­mas. Por exem­plo, exis­tem 40 hec­ta­res que são cul­ti­va­dos atra­vés de pivô cen­tral, 100 de re­ga por as­per­são e go­ta-a-go­ta e 30 hec­ta­res em es­tu­fa.

Nos úl­ti­mos di­as, má­qui­nas agrí­co­las re­ti­ra­ram ce­nou­ras do so­lo. “São cer­ca de 150 cai­xas, on­de ca­da uma tem a ca­pa­ci­da­de de 600 qui­los”, dis­se o téc­ni­co agrí­co­la Luís Gus­ta­vo. Oi­to jo­vens acom­pa­nham o pro­ces­so.

Um de­les, Do­min­gos Paulo, apa­nha o que es­ca­pa e co­lo­ca em cai­xas. Nou­tra área, uma má­qui­na de pul­ve­ri­za­ção de­sin­fes­ta a plan­ta­ção de ba­ta­ta re­na. “Is­to é pa­ra tra­tar as plan­tas das pra­gas e do­en­ças”, dis­se o con­du­tor.

Opor­tu­ni­da­de de em­pre­go

A agri­cul­tu­ra tor­nou-se nu­ma aber­tu­ra de mi­lha­res de pos­tos de tra­ba­lho pa­ra jo­vens no país. Eram pou­cos os que vi­am o sec­tor co­mo uma opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lho. Ac­tu­al­men­te, o ce­ná­rio ten­de a mu­dar e com no­vos ru­mos.

Na fa­zen­da Bum­ba Lon­ga, mais de 700 jo­vens re­si­den­tes nos bair­ros do mu­ni­cí­pio da Qui­ba­la ga­nha­ram

Pro­du­tos da fa­zen­da en­tre eles o to­ma­te e o pe­pi­no são le­va­dos em cai­xas de ma­dei­ra pa­ra Vi­a­na em Luanda on­de são em­ba­la­dos e pos­te­ri­or­men­te en­ca­mi­nha­dos pa­ra as gran­des su­per­fí­ces co­mer­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.