CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - DO­MIN­GOS ANTÓNIO | ALICE JOÃO | FELIZARDO PINTO |

Actualização de da­dos

Aper­ce­bi-me há di­as que uma bri­ga­da de actualização de da­dos elei­to­rais, si­tu­a­da na Mu­tam­ba, es­tá a tra­ba­lhar até às 16 ho­ras. De­pois vim a sa­ber por ou­tras pes­so­as que es­te ho­rá­rio es­tá ge­ne­ra­li­za­do por to­das as bri­ga­das. Pen­so que as bri­ga­das de actualização de da­dos de­vi­am tra­ba­lhar até mais tar­de, uma vez que há mui­tos tra­ba­lha­do­res que sa­em de­pois das 16 ho­ras dos seus lo­cais de tra­ba­lho.

O re­gis­to eleitoral é um pro­ces­so mui­to im­por­tan­te, pe­lo que ape­lo às en­ti­da­des com­pe­ten­tes pa­ra fa­ze­rem di­li­gên­ci­as no sen­ti­do de se pro­lon­gar um pou­co mais o pe­río­do pa­ra se pro­ce­der à actualização de da­dos elei­to­rais.

Há mui­ta gen­te que quer ac­tu­a­li­zar os seus da­dos e era bom que as bri­ga­das de actualização fi­zes­sem mais ho­ras de tra­ba­lho. Que se cri­em as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra que os bri­ga­dis­tas tra­ba­lhem um pou­co mais.

As elei­ções são um even­to de mui­ta im­por­tân­cia. Te­mos de tu­do fa­zer pa­ra que os po­ten­ci­ais elei­to­res ac­tu­a­li­zem os da­dos e se re­gis­tem. Os par­ti­dos po­lí­ti­cos, to­dos, têm ape­la­do, e is­to é po­si­ti­vo, pa­ra que os ci­da­dãos ac­tu­a­li­zem os da­dos elei­to­rais e se re­gis­tem.

As for­ma­ções po­lí­ti­cas, con­cor­ren­tes ao po­der, sa­bem da im­por­tân­cia das elei­ções ge­rais. Que­re­mos to­dos que as elei­ções ge­rais de 2017 con­tem com a par­ti­ci­pa­ção de um ele­va­do nú­me­ro de elei­to­res, pa­ra bem da de­mo­cra­cia.

Pre­ser­va­ção de in­fra-es­tru­tu­ras

Fo­ram cons­truí­das no país mui­tas in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas, mas, in­fe­liz­men­te, mui­tas de­les en­con­tram­se em mau es­ta­do de con­ser­va­ção. Não po­de­mos ape­nas cons­truir im­po­nen­tes es­tá­di­os e pa­vi­lhões des­por­ti­vos mul­tiu­sos. Te­mos de as­se­gu­rar a sua ma­nu­ten­ção, de­pois das gran­des com­pe­ti­ções que jus­ti­fi­ca­ram a sua edi­fi­ca­ção. Te­mos de ter o há­bi­to de con­ser­var o que cons­truí­mos com mui­to di­nhei­ro. Não de­ve­mos dei­xar que se es­tra­guem em­pre­en­di­men­tos que im­pli­ca­ram dis­pên­dio de mui­tos re­cur­sos fi­nan­cei­ros do Es­ta­do.É pre­ci­so que se pen­se sem­pre o que fa­zer dos es­tá­di­os e dos pa­vi­lhões mul­tiu­sos, quan­do ter­mi­nam as com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais que or­ga­ni­za­mos. Ago­ra que que­re­mos mas­si­fi­car o des­por­to, era bom que as nos­sas in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas es­ti­ves­sem fun­ci­o­nais. Os nos­sos des­por­tis­tas de­vem ti­rar par­ti­do do que se cons­truiu, em ter­mos de in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas.

Era im­por­tan­te que hou­ves­se ges­to­res com­pe­ten­tes pa­ra cui­dar dos es­tá­di­os e pa­vi­lhões mul­tiu­sos. O di­nhei­ro que se gas­tou , e não é pou­co, com a cons­tru­ção des­tas in­fra-es­tru­tu­ras jus­ti­fi­cam que se dê aten­ção à sua con­ser­va­ção, pa­ra que pos­sam be­ne­fi­ci­ar de­las mui­tos des­por­tis­tas pra­ti­can­tes de di­fe­ren­tes mo­da­li­da­des. De­ve­mos apro­vei­tar as in­fra-es­tru­tu­tu­ras des­por­tui­vas pa­ra ter­mos no país des­por­tis­tas de al­to ní­vel. Angola po­de de­sen­vol­ver di­ver­sas mo­da­li­da­des com a ma­nu­ten­ção de in­fra-es­tru­tu­ras.

O Gi­ra­bo­la

Fal­tam se­te jor­na­das pa­ra ter­mi­nar o cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol da pri­mei­ra di­vi­são, co­nhe­ci­do por Gi­ra­bo­la. Pen­so que vai ser in­te­res­san­te a lu­ta pe­lo tí­tu­lo e pe­la ma­nu­ten­ção na pri­mei­ra di­vi­são nesta rec­ta fi­nal do Gi­ra­bo­la. Eu gos­to mui­to de fu­te­bol e es­pe­ro que nes­tas se­te jor­na­das que fal­tam ha­ja gran­des es­pec­tá­cu­los de fu­te­bol e bo­as ar­bi­tra­gens. Gos­tei do fac­to de nes­te cam­pe­o­na­to te­rem si­do lan­ça­dos mui­tos jo­vens jo­ga­do­res, que têm ti­do um bom de­sem­pe­nho. O Pe­tro de Luanda é um bom exem­plo de apos­ta em jo­vens jo­ga­do­res , e os re­sul­ta­dos es­tão aí. Afi­nal não se jus­ti­fi­ca os re­cei­os de mui­tos clu­bes de lan­ça­rem jo­vens jo­ga­do­res an­go­la­nos pa­ra o es­ca­lão sé­ni­or. O 1º de Agos­to lan­çou tam­bém jo­vens jo­ga­do­res, en­tre os quais fi­gu­ra o Gel­son, que é o me­lhor mar­ca­dor do Gi­ra­bo­la. Os clu­bes têm de dei­xar de gas­tar mui­to di­nhei­ro com jo­ga­do­res es­tran­gei­ros de qua­li­da­de du­vi­do­sa e in­ves­ti­rem mais na for­ma­ção de jo­vens an­go­la­nos.

Ain­da bem que os di­ri­gen­tes dos clu­bes es­tão a per­ce­ber que va­le a pe­na in­ves­tir na for­ma­ção de jo­vens jo­ga­do­res. Acre­di­to que mui­ta coi­sa po­de mu­dar no país com uma no­va pers­pec­ti­va de de­sen­vol­vi­men­to do nos­so fu­te­bol as­sen­te na for­ma­ção.

Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra de­se­jar aos nos­sos jo­vens da Se­lec­ção Na­ci­o­nal de sub-17 êxi­tos nos jo­gos que vão efec­tu­ar com as Ilhas Co­mo­res, a con­tar pa­ra a úl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria de apu­ra­men­to pa­ra o CAN , em Ma­da­gás­car.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.