A re­co­lha do li­xo

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A re­co­lha do li­xo em Luanda me­lho­rou subs­tan­ci­al­men­te nos úl­ti­mos me­ses. É ine­gá­vel o fac­to de mui­tos bair­ros es­ta­rem a ser lim­pos com ce­le­ri­da­de , a pon­to de não ha­ver gran­des con­cen­tra­ções de re­sí­du­os só­li­dos em vá­ri­as áre­as da pro­vín­cia de Luanda.

Va­le a pe­na, por exem­plo, re­gis­tar o fac­to de ha­ver pla­nos pa­ra se fa­zer lim­pe­za nas va­las de dre­na­gem e em va­le­tas, o que vai con­tri­buir pa­ra que não ha­ja gran­des pro­ble­mas em épo­ca de chu­vas. São vi­sí­veis os es­for­ços das au­to­ri­da­des no sen­ti­do de as po­pu­la­ções te­rem uma boa qua­li­da­de de vida e mui­tos ci­da­dãos têm ve­ri­fi­ca­do que mui­ta coi­sa es­tá a mu­dar pa­ra me­lhor nos vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os que com­põem a pro­vín­cia de Luanda.

To­dos es­pe­ra­mos que es­ta di­nâ­mi­ca con­ti­nue, mas, pa­ra tan­to, é ne­ces­sá­rio que as co­mu­ni­da­des con­tri­bu­am fi­nan­cei­ra­men­te pa­ra que os seus pro­ble­mas se­jam re­sol­vi­dos no que diz res­pei­to à lim­pe­za de uma pro­vín­cia que tem cer­ca de seis mi­lhões de ha­bi­tan­tes.

É gi­gan­tes­co o tra­ba­lho que se re­a­li­za pa­ra a re­co­lha de li­xo nu­ma pro­vín­cia que cres­ceu mui­to em ter­mos po­pu­la­ci­o­nais. O Es­ta­do, cons­ci­en­te das su­as li­mi­ta­ções em ter­mos de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, achou por bem que os ci­da­dãos de­vi­am con­tri­buir pa­ra fi­nan­ci­ar em par­te a re­co­lha do li­xo.

Es­ta­mos to­dos nós, ci­da­dãos, de­se­jo­sos de ter uma boa qua­li­da­de de vida. Luanda é uma pro­vín­cia com mui­tos pro­ble­mas, em ter­mos de sa­ne­a­men­to bá­si­co, mas é pos­sí­vel re­sol­vê-los. É po­si­ti­vo e in­dis­pen­sá­vel que au­to­ri­da­des de Luanda e as co­mu­ni­da­des co­la­bo­rem nu­ma ta­re­fa - a re­co­lha de li­xo - que po­de im­pe­dir que ha­ja pro­ble­mas co­mo o sur­gi­men­to de do­en­ças. Te­mos de evi­tar que ha­ja de no­vo pro­ble­mas de saú­de pú­bli­ca. Não que­re­mos mais mor­tes por do­en­ças que po­dem ser evi­ta­das, com o es­for­ço de to­dos, o Es­ta­do e os ci­da­dãos.

Foi anun­ci­a­do que a ta­xa so­bre a re­co­lha de li­xo vai co­me­çar a ser pa­ga den­tro de al­gu­mas se­ma­nas, com a emis­são de fac­tu­ras úni­cas, sob a res­pon­sa­bi­li­da­de das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais. Es­ta ta­xa de­ve ser vis­ta co­mo mais uma des­pe­sa que po­de ser com­pen­sa­da pe­la me­lho­ria da re­co­lha do li­xo nos nos­sos bair­ros. A ta­xa que vai ser pa­ga vai con­tri­buir, se­gun­do dis­se o Go­ver­na­dor Pro­vin­ci­al de Luanda, Hi­gi­no Car­nei­ro, pa­ra um me­lhor fun­ci­o­na­men­to das em­pre­sas res­pon­sá­veis pe­la lim­pe­za de Luanda.

Há na­tu­ral­men­te es­pe­ran­ça de que de­pois do iní­cio do pa­ga­men­to da ta­xa so­bre a re­co­lha do li­xo ha­ja uma me­lhor pres­ta­ção de ser­vi­ços por par­te das ope­ra­do­ras de lim­pe­za. Os ci­da­dãos es­pe­ram le­gi­ti­ma­men­te que ha­ja uma ver­da­dei­ra con­tra­par­ti­da ao pa­ga­men­to da ta­xa so­bre a re­co­lha do li­xo.

É por is­so im­por­tan­te que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais es­te­jam à al­tu­ra de le­var a ca­bo com efi­ci­ên­cia mais es­te ser­vi­ço, que vai no sen­ti­do de me­lho­rar as con­di­ções de vida das po­pu­la­ções. É nor­mal que os ci­da­dãos es­pe­rem por bons re­sul­ta­dos , sen­do ne­ces­sá­rio que as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais se do­tem de me­ca­nis­mos que per­mi­tam le­var a ca­bo es­te tra­ba­lho de co­bran­ça de ta­xa so­bre a re­co­lha de li­xo sem gran­des pro­ble­mas.

Que se pen­se nas me­lho­res for­mas de exe­cu­tar es­tas co­bran­ças a fim de se evi­ta­rem si­tu­a­ções que afec­tem ne­ga­ti­va­men­te, quer os ci­da­dãos, quer o Es­ta­do.

Es­ta é a pri­mei­ra vez des­de a in­de­pen­dên­cia do país que se co­bra uma ta­xa so­bre a re­co­lha do li­xo. De­se­ja­mos to­dos que es­ta ex­pe­ri­ên­cia se­ja bem su­ce­di­da, de­ven­do en­tre­tan­to ha­ver a pre­o­cu­pa­ção de os ser­vi­ços de re­co­lha de li­xo a pres­tar à po­pu­la­ção re­sul­ta­rem efec­ti­va­men­te em be­ne­fí­ci­os pa­ra os ci­da­dãos.

Era con­ve­ni­en­te que se ex­pli­cas­se mais às po­pu­la­ções so­bre as van­ta­gens des­te mo­de­lo de pa­ga­men­to de ta­xa so­bre a re­co­lha do li­xo por par­te dos ci­da­dãos. Os ci­da­dãos de­vem ter ga­ran­ti­as de que o di­nhei­ro da ta­xa que vão pa­gar vai re­al­men­te re­sul­tar em ex­ce­len­tes ser­vi­ços de re­co­lha de li­xo.

A pro­mo­ção do bem-es­tar das po­pu­la­ções fi­gu­ra en­tre as pri­o­ri­da­des das au­to­ri­da­des, que tu­do es­tão a fa­zer pa­ra que uma vez mais os ser­vi­ços li­ga­dos à lim­pe­za de Luanda te­nham um bom de­sem­pe­nho e sir­vam bem as po­pu­la­ções.

Era pre­ci­so que se fi­zes­se al­gu­ma coi­sa pa­ra se aca­bar de­fi­ni­ti­va­men­te com a con­cen­tra­ção de li­xo por vá­ri­as se­ma­nas e até me­ses, na ca­pi­tal do país. Não po­día­mos con­ti­nu­ar a “con­vi­ver” to­dos os di­as com re­sí­du­os só­li­dos que nos cau­sa­vam inú­me­ros pro­ble­mas. Es­ta­mos já em épo­ca de chu­vas, pe­lo que há to­da a ur­gên­cia em tor­nar ca­da vez mais ope­ra­ci­o­nais as em­pre­sas que cui­dam da re­co­lha do li­xo.

Que os ci­da­dãos com­pre­en­dam o mo­men­to que es­ta­mos a vi­ver e es­te­jam per­ma­nen­te­men­te dis­po­ní­veis pa­ra pa­ga­rem as su­as ta­xas re­gu­lar­men­te, a fim de re­sol­ver­mos um pro­ble­ma que afec­ta to­da a gen­te. Luanda é a nos­sa ca­sa co­mum. Que, por via do pa­ga­men­to da ta­xa so­bre a re­co­lha do li­xo, con­tri­bu­a­mos pa­ra que a nos­sa ca­sa co­mum es­te­ja ca­da vez mais lim­pa. Nós os ha­bi­tan­tes de Luanda te­mos o de­ver de aju­dar a fa­zer de Luanda um lu­gar bom pa­ra se vi­ver. O li­xo não de­ve fa­zer par­te das nos­sas vi­das. O li­xo é um mal. E o mal de­ve ser er­ra­di­ca­do por to­dos nós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.