Jor­ge Car­los Fon­se­ca cla­ro fa­vo­ri­to à vi­tó­ria

PAICV sem can­di­da­to dá li­ber­da­de de vo­to aos mi­li­tan­tes do mai­or par­ti­do da opo­si­ção

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚ­NEM

|

Apoi­a­do pe­lo Mo­vi­men­to pa­ra a De­mo­cra­cia (MpD), que go­ver­na Ca­bo Ver­de, e pe­la União Ca­bo Ver­di­a­na In­de­pen­den­te e De­mo­crá­ti­ca (UCID), ter­cei­ra mai­or for­ça po­lí­ti­ca, o Che­fe de Es­ta­do ces­san­te, Jor­ge Car­los Fon­se­ca, é pra­ti­ca­men­te o ven­ce­dor an­te­ci­pa­do das pró­xi­mas elei­ções presidenciais no ar­qui­pé­la­go, que se re­a­li­zam em 2 de Ou­tu­bro.

O fa­vo­ri­tis­mo de Jor­ge Car­los Fon­se­ca foi re­for­ça­do de­pois de o Par­ti­do Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia de Ca­bo Ver­de (PAICV), que li­de­ra a opo­si­ção, anun­ci­ar que não apoia qual­quer can­di­da­to às presidenciais de 2 de Ou­tu­bro e que dá li­ber­da­de de vo­to aos seus mi­li­tan­tes.

O PAICV, que até Mar­ço des­te ano go­ver­nou Ca­bo Ver­de, du­ran­te 15 anos, re­cu­sou jus­ti­fi­car o que es­te­ve na ori­gem da fal­ta de um can­di­da­to às presidenciais, mas não de­ve ser in­di­fe­ren­te o fac­to de o ago­ra mai­or par­ti­do da opo­si­ção so­frer duas pe­sa­das der­ro­tas es­te ano, nas elei­ções le­gis­la­ti­vas de Mar­ço e nas au­tár­qui­cas des­te mês.

O bom de­sem­pe­nho de Jor­ge Car­los Fon­se­ca, qua­dro do MPD que sou­be le­var a bom por­to o re­gi­me de co­a­bi­ta­ção po­lí­ti­ca com o an­te­ri­or Go­ver­no do PAICV, as­sim co­mo o en­ten­di­men­to de mui­tos ana­lis­tas de que os ca­bo-ver­di­a­nos es­ta­rão mais in­cli­na­dos em dar um vo­to de con­fi­an­ça ao pre­si­den­te ces­san­te, ago­ra pa­ra tra­ba­lhar com um exe­cu­ti­vo oriun­do da for­ça po­lí­ti­ca de que é qua­dro, tam­bém pa­re­cem ter con­tri­buí­do pa­ra o PAICV não apre­sen­tar um can­di­da­to às elei­ções presidenciais.

Uma vi­tó­ria de Jor­ge Car­los Fon­se­ca nas presidenciais de Ou­tu­bro fa­zia de 2016 o ano eleitoral per­fei­to pa­ra o MpD, de­pois de o par­ti­do, que ago­ra go­ver­na, ven­cer com mai­o­ria ab­so­lu­ta as elei­ções le­gis­la­ti­vas e con­quis­tar 19 das 22 câ­ma­ras mu­ni­ci­pais do ar­qui­pé­la­go nas mais re­cen­tes elei­ções au­tár­qui­cas.

Can­di­da­tu­ra ofi­ci­a­li­za­da

Sob o le­ma “Pre­si­den­te sem­pre jun­to das pes­so­as”, o pre­si­den­te ces­san­te de Ca­bo Ver­de, Jor­ge Car­los Fon­se­ca, ofi­ci­a­li­zou no sá­ba­do, na ci­da­de da Praia, a sua can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, de­pois de uma “lon­ga e pro­fun­da” re­fle­xão, uma “atu­ra­da avaliação” do seu man­da­to e aus­cul­tar os mais pró­xi­mos.

A mo­ti­va­ção da sua can­di­da­tu­ra, jus­ti­fi­cou Jor­ge Car­los Fon­se­ca, é con­ti­nu­ar a co­lo­car “to­do o co­nhe­ci­men­to, to­da a ex­pe­ri­ên­cia e, so­bre­tu­do, to­do o amor” ao ser­vi­ço dos ca­bo-ver­di­a­nos, exer­cer a sua in­fluên­cia e dar o seu con­tri­bu­to, com es­pí­ri­to do diá­lo­go, com in­de­pen­dên­cia e res­pei­to ins­ti­tu­ci­o­nais “pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia de for­ma sus­ten­ta­da, du­ra­dou­ra e in­clu­si­va.”

Ao ofi­ci­a­li­zar no sá­ba­do a en­tra­da na corrida à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca de Ca­bo Ver­de, o Che­fe de Es­ta­do ces­san­te pro­me­teu exer­cer a sua in­fluên­cia “pa­ra que a edu­ca­ção as­su­ma a fun­ção de pre­pa­rar ci­da­dãos mui­to mais ca­pa­ci­ta­dos e com­pro­me­ti­dos com os va­lo­res mais no­bres da so­ci­e­da­de” e “com­ba­ter as ina­cei­tá­veis de­si­gual­da­des so­ci­ais e re­gi­o­nais.”

Ca­so se­ja re­e­lei­to, Jor­ge Car­los Fon­se­ca pro­me­te tra­ba­lhar, no qua­dro cons­ti­tu­ci­o­nal, com o Go­ver­no pa­ra o re­for­ço do Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co e pa­ra a con­cre­ti­za­ção das as­pi­ra­ções da po­pu­la­ção ca­bo-ver­di­a­na, sem­pre com a “in­de­pen­dên­cia e im­par­ci­a­li­da­de” que as fun­ções presidenciais exi­gem.

Pre­si­dên­cia jun­to das pes­so­as

“Um pre­si­den­te sem­pre jun­to das pes­so­as”, o “slo­gan” da cam­pa­nha de Jor­ge Car­los Fon­se­ca pa­ra as presidenciais de Ou­tu­bro, não é mais do que a con­ti­nui­da­de do seu le­ma nas presidenciais de há cin­co anos (um pre­si­den­te jun­to das pes­so­as).

Qu­es­ti­o­na­do so­bre co­mo pre­ten­de ser um “Pre­si­den­te jun­to das pes­so­as” nu­ma en­tre­vis­ta ex­clu­si­va ao Jor­nal de Angola, em 2011, na Ci­da­de da Praia, após con­fir­ma­da a sua elei­ção à Pre­si­dên­cia de Ca­bo Ver­de, Jor­ge Car­los Fon­se­ca res­pon­deu que “es­tan­do nos bair­ros, nas ilhas, nos con­ce­lhos, nas uni­ver­si­da­des, reu­nin­do com os jo­vens e as mu­lhe­res, os em­pre­sá­ri­os e vi­si­tan­do as co­mu­ni­da­des ca­bo-ver­di­a­nas no ex­te­ri­or. Sig­ni­fi­ca não es­tar si­ti­a­do no pa­lá­cio, mas es­tar com os ci­da­dãos ca­bo-ver­di­a­nos, es­te­jam eles nas ilhas ou na diás­po­ra.”

Em 2011, Jor­ge Car­los Fon­se­ca, apoi­a­do pe­lo MpD, ven­ceu as presidenciais à se­gun­da vol­ta con­tra Manuel Ino­cên­cio Sou­sa, apoi­a­do pe­lo PAICV, com 53,13 por cen­to.

ROGÉRIO TUTI

Pre­si­den­te Jor­ge Car­los Fon­se­ca vol­ta a pro­me­ter exer­cer uma Pre­si­dên­cia jun­to das pes­so­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.