Pro­ces­so de re­gis­to gra­tui­to com gran­de ade­são

Pro­vín­cia do Uíge é a se­gun­da re­gião do país on­de fo­ram tra­ta­dos mais do­cu­men­tos des­de o ano pas­sa­do

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JO­A­QUIM JÚNIOR

A pro­vín­cia do Uíge é a se­gun­da re­gião do país, de­pois de Luanda, com mai­or nú­me­ro de ci­da­dãos re­gis­ta­dos, de Ja­nei­ro de 2015 a Ju­nho de 2016, re­ve­lou on­tem o de­le­ga­do pro­vin­ci­al da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Mi­guel Cu­to­ca, que fa­lou pa­ra a re­por­ta­gem do Jor­nal de Angola, ex­pli­cou que, no pe­río­do em aná­li­se, fo­ram re­gis­ta­das na pro­vín­cia 316.556 pes­so­as, fac­to que per­mi­tiu ti­rar o Uíge do gru­po das se­te pro­vín­ci­as do país que, até 2014, ti­nham o ín­di­ce mais ele­va­do de ci­da­dãos sem re­gis­to de nas­ci­men­to.

O de­le­ga­do pro­vin­ci­al da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos avan­çou que os da­dos re­sul­ta­ram da im­ple­men­ta­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 80/13, de 5 de Se­tem­bro, que ori­en­ta a isen­ção do pa­ga­men­to de emo­lu­men­tos a to­dos os ci­da­dãos na­ci­o­nais até De­zem­bro des­te ano, o que per­mi­tiu a ace­le­ra­ção do pro­ces­so, atra­vés de cam­pa­nhas mas­si­vas jun­to das co­mu­ni­da­des.

“A pro­vín­cia do Uíge fa­zia par­te das se­te pro­vín­ci­as de Angola com mai­or nú­me­ro de cri­an­ças por re­gis­tar. Pa­ra dar res­pos­ta a es­ta si­tu­a­ção, ti­ve­mos que cri­ar mé­to­dos fá­ceis pa­ra ace­le­rar o pro­ces­so, tais co­mo le­var vá­ri­as equi­pas téc­ni­cas jun­to das co­mu­ni­da­des, pas­san­do de al­deia em al­deia pa­ra re­gis­tar to­dos os ci­da­dãos, con­tra­ri­a­men­te ao mé­to­do do pas­sa­do, que con­sis­tia em es­pe­rar que as pes­so­as fos­sem ao en­con­tro dos ser­vi­ços”, lem­brou.

Mi­guel Cu­to­ca re­fe­riu que a com­pe­ti­ti­vi­da­de en­tre as de­le­ga­ções mu­ni­ci­pais do sec­tor e a avaliação re­gu­lar do grau de cum­pri­men­to das ta­re­fas tor­na­ram o pro­ces­so mais cé­le­re, ten­do des­ta­ca­do o va­li­o­so con­tri­bu­to pres­ta­do pe­las ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

O de­le­ga­do da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos no Uíge fa­lou do pro­jec­to de apoio ao re­gis­to de nas­ci­men­to, im­ple­men­ta­do na pro­vín­cia des­de Agos­to úl­ti­mo, pe­lo Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra In­fân­cia (Uni­cef), em par­ce­ria com a De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, que pre­vê a atri­bui­ção de do­cu­men­tos ci­vis a mais de 56 mil cri­an­ças, dos ze­ro aos cin­co anos, nos mu­ni­cí­pi­os do Ne­ga­ge, Uíge, San­za Pom­bo, Quim­be­le, Ma­que­la do Zom­bo, Dam­ba, Mi­lun­ga, Bu­en­gas e Can­go­la, até fi­nais de Ou­tu­bro pró­xi­mo.

Mi­guel Cu­to­ca re­co­nhe­ce a im­por­tân­cia do pro­jec­to que per­mi­tiu au­men­tar o nú­me­ro de equi­pas de tra­ba­lho, con­tri­buir pa­ra a for­ma­ção dos téc­ni­cos en­vol­vi­dos no pro­ces­so e me­lho­rar as con­di­ções ma­te­ri­ais e fi­nan­cei­ras, com vis­ta à am­pli­a­ção e re­es­tru­tu­ra­ção da rede de aten­di­men­to, or­ga­ni­za­ção das cam­pa­nhas de re­gis­to e a in­ter­li­ga­ção das uni­da­des de saú­de com as con­ser­va­tó­ri­as de Re­gis­to Ci­vil.

“A nos­sa gran­de mis­são é des­bu­ro­cra­ti­zar ca­da vez mais o sis­te­ma de aten­di­men­to às po­pu­la­ções, tor­ná-lo ca­da vez mais cé­le­re. Te­mos a obri­ga­ção de iden­ti­fi­car os nos­sos ci­da­dãos, im­ple­men­tar por via do re­gis­to ci­vil a edu­ca­ção e as­sis­tên­cia da po­pu­la­ção, aper­fei­ço­an­do as nor­mas e téc­ni­cas dos ser­vi­ços pú­bli­cos de no­ta­ri­a­do e de re­gis­to ci­vil”, dis­se.

Cam­pa­nhas em Mu­ca­ba

As cam­pa­nhas de re­gis­to de nas­ci­men­to no mu­ni­cí­pio de Mu­ca­ba, lo­ca­li­da­de que dis­ta cer­ca de 66 qui­ló­me­tros da ci­da­de do Uíge, per­mi­ti­ram la­vrar um to­tal de 4.572 as­sen­tos de nas­ci­men­to no pri­mei­ro tri­mes­tre do ano em cur­so, in­for­mou o con­ser­va­dor mu­ni­ci­pal.

Jo­sé Manuel avan­çou que o pro­ces­so de re­gis­to gra­tui­to, na­que­la mu­ni­ci­pa­li­da­de, de­cor­re sem so­bres­sal­tos, es­tan­do ac­tu­al­men­te as equi­pas dis­tri­buí­das nas lo­ca­li­da­des afec­tas à re­ge­do­ria de Ca­on­do, cer­ca de 15 qui­ló­me­tros da se­de mu­ni­ci­pal. O res­pon­sá­vel la­men­tou o com­por­ta­men­to de­mons­tra­do pe­los pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção que con­ti­nu­am a não re­gis­tar os fi­lhos por mo­ti­vos in­jus­ti­fi­cá­veis.

Ou­tra pre­o­cu­pa­ção apre­sen­ta­da pe­lo con­ser­va­dor mu­ni­ci­pal do Mu­ca­ba tem a ver com a não re­a­li­za­ção de ca­sa­men­tos ci­vis no mu­ni­cí­pio. “Os ci­da­dãos li­mi­tam-se ape­nas em ca­sar nas igre­jas, al­guns por des­co­nhe­ci­men­to e ou­tros por se ne­ga­rem às res­pon­sa­bi­li­da­des im­pos­tas pe­lo có­di­go ci­vil.” Ou­tro pro­ble­ma, de acor­do com Jo­sé Manuel, tem a ver com a fal­ta de cul­tu­ra de re­gis­to dos óbi­tos, ac­ção mui­to im­por­tan­te, por­que per­mi­te des­co­brir o nú­me­ro de ha­bi­tan­tes vi­tais de uma de­ter­mi­na­da re­gião, quan­tos já fa­le­ce­ram, bem co­mo de­ter­mi­nar as prin­ci­pais cau­sas de mor­tes abun­dan­tes no mu­ni­cí­pio. Acres­cen­tou que em ca­so de um mem­bro de cer­ta fa­mí­lia dei­xar bens, a cer­ti­dão de óbi­to aju­da na re­par­ti­ção equi­ta­ti­va dos mes­mos aos fa­mi­li­a­res.

A Con­ser­va­tó­ria de Re­gis­to Ci­vil do Mu­ca­ba pres­ta ser­vi­ços de re­gis­to ci­vil, atri­bui­ção da có­pia in­te­gral, re­gis­tos de ca­sa­men­to e óbi­tos, além de edu­car a po­pu­la­ção lo­cal so­bre a ne­ces­si­da­de de ob­ser­vân­cia dos di­rei­tos hu­ma­nos, atra­vés de pa­les­tras.

EUNICE SUZANA

Ex­pan­são de ser­vi­ços da Justiça es­tá a fa­zer com que a po­pu­la­ção das áre­as mais recôn­di­tas do Uíge te­nha fa­ci­li­da­de em ad­qui­rir do­cu­men­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.