Emi­ti­das no­vas di­rec­tri­zes

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) pu­bli­cou no­vas di­rec­tri­zes pa­ra o tra­ta­men­to das do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis mais fre­quen­tes, a fim de os pro­fis­si­o­nais da saú­de li­da­rem com a cres­cen­te ame­a­ça de re­sis­tên­cia aos an­ti­bió­ti­cos.

Cla­mí­dia, go­nor­reia e sí­fi­lis, as do­en­ças em cau­sa, são cau­sa­das por bac­té­ri­as e, ge­ral­men­te, po­dem ser cu­ra­das com an­ti­bió­ti­cos. No en­tan­to, al­guns an­ti­bió­ti­cos es­tão a tor­nar-se me­nos efi­ca­zes, co­mo re­sul­ta­do do seu uso ina­de­qua­do ou ex­ces­si­vo. Es­ti­ma-se que a ca­da ano 131 mi­lhões de pes­so­as são in­fec­ta­das com cla­mí­dia e go­nor­reia e 78 mi­lhões com sí­fi­lis.

A re­sis­tên­cia das bac­té­ri­as cau­sa­do­ras des­sas do­en­ças aos an­ti­bió­ti­cos au­men­tou ra­pi­da­men­te nos úl­ti­mos anos e são ca­da vez mais re­du­zi­das as op­ções te­ra­pêu­ti­cas. Das três, se­gun­do a OMS, a go­nor­reia é a do­en­ça mais re­sis­ten­te aos an­ti­bió­ti­cos.

Se não di­ag­nos­ti­ca­das e tra­ta­das, es­tas do­en­ças po­dem cau­sar com­pli­ca­ções a lon­go pra­zo pa­ra as mu­lhe­res e le­var a pro­ble­mas gra­ves de saú­de, co­mo in­fla­ma­ção pél­vi­ca, gra­vi­dez ec­tó­pi­ca e abor­to; se não tra­ta­das, go­nor­reia e a cla­mí­dia po­dem cau­sar in­fer­ti­li­da­de em ho­mens e mu­lhe­res. Uma do­en­ça se­xu­al­men­te trans­mis­sí­vel, não tra­ta­da du­ran­te a gra­vi­dez, au­men­ta o ris­co de ocor­rên­cia de na­ti­mor­tos e morte ne­o­na­tal. "Cla­mí­dia, go­nor­reia e sí­fi­lis são pro­ble­mas sig­ni­fi­ca­ti­vos de saú­de pú­bli­ca em to­do o mun­do, mi­nam a qua­li­da­de de vida de mi­lhões de pes­so­as e cau­sam do­en­ças gra­ves e até a morte. Nas no­vas ori­en­ta­ções da OMS, é rei­te­ra­da a ne­ces­si­da­de de abor­tar es­tas do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis com an­ti­bió­ti­cos ade­qua­dos, nas do­ses cer­tas e nos mo­men­tos cer­tos, a fim de re­du­zir a sua pro­pa­ga­ção e me­lho­rar a saú­de sexual e re­pro­du­ti­va. Pa­ra es­te fim, os ser­vi­ços na­ci­o­nais de saú­de têm que de­ter­mi­nar, nos seus paí­ses, os pa­drões de re­sis­tên­cia dos an­ti­bió­ti­cos”, afir­mou Ian As­kew, di­rec­tor de Saú­de Re­pro­du­ti­va e Pes­qui­sa da OMS.

A go­nor­reia é uma do­en­ça se­xu­al­men­te trans­mis­sí­vel co­mum que po­de afec­tar os ór­gãos ge­ni­tais, o rec­to e a gar­gan­ta. De­vi­do a uma re­sis­tên­cia qua­se ge­ne­ra­li­za­da, os an­ti­bió­ti­cos mais an­ti­gos e ba­ra­tos per­de­ram a sua efi­cá­cia te­ra­pêu­ti­ca con­tra es­ta do­en­ça. A sí­fi­lis é trans­mi­ti­da por con­tac­to com uma le­são nos ór­gãos ge­ni­tais, ânus, rec­to, lá­bi­os ou bo­ca, ou de mãe pa­ra fi­lho du­ran­te a gra­vi­dez. A transmissão da sí­fi­lis de uma grá­vi­da ao fe­to, ge­ral­men­te, pro­vo­ca a morte des­te úl­ti­mo. Pa­ra cu­rar a sí­fi­lis, as no­vas di­rec­tri­zes da OMS re­co­men­dam uma úni­ca do­se de pe­ni­ci­li­na ben­za­ti­na, um an­ti­bió­ti­co que de­ve ser in­jec­ta­do por um mé­di­co ou por um en­fer­mei­ro no mús­cu­lo das ná­de­gas ou da co­xa do pa­ci­en­te in­fec­ta­do. Tra­ta-se de um tra­ta­men­to mais efi­caz e mais ba­ra­to do que os an­ti­bió­ti­cos orais, se­gun­do a OMS.

Em Maio de 2016, a 69ª As­sem­bleia Mun­di­al da Saú­de re­co­nhe­ceu que a pe­ni­ci­li­na ben­za­ti­na é um me­di­ca­men­to es­sen­ci­al.

A OMS re­fe­re que es­tá a tra­ba­lhar com par­cei­ros pa­ra aju­dar a com­pro­var a dis­po­ni­bi­li­da­de glo­bal de pe­ni­ci­li­na ben­za­ti­na, a fim de pre­en­cher a la­cu­na en­tre as ne­ces­si­da­des na­ci­o­nais e a dis­po­ni­bi­li­da­de do an­ti­bió­ti­co.

Se­gun­do Ma­ria do Ro­sá­rio Sam­bo, que fa­la­va na aber­tu­ra da I bi­e­nal de Di­rei­to da Saú­de, pro­mo­vi­da pe­lo Cen­tro de Es­tu­dos em Di­rei­to Pú­bli­co da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, os pro­fis­si­o­nais da saú­de de­vem ter co­nhe­ci­men­tos de na­tu­re­za ju­rí­di­ca, não só aque­les que di­zem res­pei­to à éti­ca e de­on­to­lo­gia pro­fis­si­o­nal, mas tam­bém os que os vão au­xi­li­ar pa­ra uma me­lhor pres­ta­ção de ser­vi­ço. “O pro­fis­si­o­nal de saú­de de­ve ser do­ta­do des­tas fer­ra­men­tas pa­ra, mais fa­cil­men­te, pro­ver ser­vi­ços em con­di­ções, que não lhe fa­çam, com fa­ci­li­da­de, in­cor­rer em er­ros que se pren­dem com ma­té­ri­as ju­rí­di­cas im­por­tan­tes”, sa­li­en­tou.

Par­ti­ci­pa­ram na aber­tu­ra do even­to, que de­cor­re até ho­je, os juí­zes-pre­si­den­tes dos tri­bu­nais Cons­ti­tu­ci­o­nal e Su­pre­mo, mé­di­cos, ad­vo­ga­dos, ma­gis­tra­dos, en­fer­mei­ros, ges­to­res pro­fis­si­o­nais e téc­ni­cos de saú­de.

In­ven­ta­ri­ar co­nhe­ci­men­tos

De acor­do com a juí­za con­se­lhei­ra do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, Lu­zia Se­bas­tião, a bi­e­nal so­bre Di­rei­to da Saú­de em Angola vai per­mi­tir in­ven­ta­ri­ar e to­mar co­nhe­ci­men­to dos ca­sos que a pro­fis­são vai co­nhe­cen­do e fa­zer a ela­bo­ra­ção dou­tri­nal que a ci­ên­cia per­mi­te, en­quan­to aca­de­mia. Se­gun­do a ju­ris­ta, o even­to é uma re­a­li­za­ção que se en­qua­dra nas co­me­mo­ra­ções dos 54 anos de exis­tên­cia dos es­tu­dos uni­ver­si­tá­ri­os em Angola e nos 31 anos da evo­lu­ção da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to. “Por is­so, en­ten­de­mos efec­tu­ar es­sa re­a­li­za­ção nes­te mo­men­to e nes­te lo­cal (Me­mo­ri­al António Agos­ti­nho Ne­to) tam­bém pa­ra ho­me­na­ge­ar o mé­di­co Agos­ti­nho Ne­to, o pa­tro­no da nos­sa uni­ver­si­da­de”, re­fe­riu. O bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos, Car­los Pinto de Sou­sa, su­bli­nhou que a Or­dem tem re­ce­bi­do al­gu­mas quei­xas que en­vol­vem mé­di­cos e pa­ci­en­tes, que são en­ca­mi­nha­das ao con­se­lho de dis­ci­pli­na, que as in­ves­ti­ga.

A I bi­e­nal de Di­rei­to da Saú­de é o pri­mei­ro pas­so pa­ra um lon­go per­cur­so de es­tu­do e investigação nu­ma área que se mos­tra ca­da vez mais es­sen­ci­al, pa­ra que se pos­sa dar res­pos­ta à ne­ces­si­da­de de re­gu­la­ção do sec­tor da Saú­de. Vi­sa pro­por­ci­o­nar uma re­fle­xão mé­di­co-ju­rí­di­ca es­pe­ci­a­li­za­da, com a co­o­pe­ra­ção da co­mu­ni­da­de ju­rí­di­ca e mé­di­ca, so­bre o di­rei­to da saú­de.

CONTREIRAS PIPA

Re­pre­sen­tan­tes da ma­gis­tra­tu­ra ju­di­ci­al e da clas­se mé­di­ca es­ti­ve­ram na aber­tu­ra da bi­e­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.