Em­pre­ga­das do­més­ti­cas sa­tis­fei­tas com a no­va lei

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Vá­ri­as em­pre­ga­das do­més­ti­cas ma­ni­fes­ta­ram on­tem, em Luanda, sa­tis­fa­ção pe­lo De­cre­to Pre­si­den­ci­al nú­me­ro 155/16, de 09 de Agos­to, que ins­ti­tui o Re­gi­me Ju­rí­di­co do Tra­ba­lho Do­més­ti­co e de Pro­tec­ção So­ci­al do Tra­ba­lha­dor de Ser­vi­ço Do­més­ti­co.

Con­tac­ta­das pe­la An­gop, as em­pre­ga­das do­més­ti­cas, de um mo­do ge­ral, re­co­nhe­ce­ram que, com a apro­va­ção do no­vo do­cu­men­to le­gal, os seus di­rei­tos pas­sam a es­tar mais sal­va­guar­da­dos e ha­ve­rá uma mai­or pro­tec­ção so­ci­al.

Ma­da­le­na Lou­ren­ço, em­pre­ga­da do­més­ti­ca há cin­co anos, dis­se que nun­ca ti­nha en­ca­ra­do o seu em­pre­go co­mo al­go sé­rio, pois nun­ca con­se­guiu per­ma­ne­cer por mais de um ano num pos­to de tra­ba­lho. Nor­mal­men­te, se­gun­do ex­pli­cou, o seu ob­jec­ti­vo era con­se­guir jun­tar dois ou três sa­lá­ri­os e de­pois de­di­car-se à ven­da de pro­du­tos no mer­ca­do in­for­mal.

“Com a apro­va­ção do re­gu­la­men­to, te­re­mos os nos­sos di­rei­tos ga­ran­ti­dos e vou-me de­di­car mais ao meu em­pre­go, por­que sei que o meu fu­tu­ro es­tá ga­ran­ti­do”, sa­li­en­tou.

Emí­lia Ma­teus da Silva, do­més­ti­ca há mais de 15 anos, re­fe­riu que tem be­ne­fi­ci­a­do já, em par­te, dos di­rei­tos que cons­tam do re­gu­la­men­to ju­rí­di­co ora apro­va­do, mas dis­se va­lo­ri­zar imen­so a ga­ran­tia da re­for­ma e cha­mou aten­ção pa­ra a mai­or res­pon­sa­bi­li­za­ção que a lei faz re­cair so­bre as em­pre­ga­das do­més­ti­cas. Ca­ti­ta André re­al­çou o fac­to de mui­tas em­pre­ga­das do­més­ti­cas se­rem mal­tra­ta­das pe­los pa­trões e se­rem obri­ga­das a su­por­tar hu­mi­lha­ções. “Com es­te di­plo­ma, pen­so que os em­pre­ga­do­res te­rão mais res­pei­to pa­ra com as su­as fun­ci­o­ná­ri­as”, dis­se.

De acor­do com o no­vo or­de­na­men­to ju­rí­di­co, que en­tra em vi­gor em Ja­nei­ro pró­xi­mo, os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos pas­sam a ter di­rei­to a oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, a sub­sí­di­os de Na­tal e de Ma­ter­ni­da­de, a fé­ri­as re­mu­ne­ra­das e a des­con­tar pa­ra a re­for­ma.

Os em­pre­ga­do­res te­rão de for­ma­li­zar um con­tra­to com os tra­ba­lha­do­res, de­ven­do, pa­ra o efei­to, di­ri­gir-se ao Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, pa­ra le­van­tar a car­tei­ra do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co. Um dos be­ne­fí­ci­os ób­vi­os do con­tra­to de tra­ba­lho é a pos­si­bi­li­da­de de o tra­ba­lha­dor do­més­ti­co ace­der a cré­di­tos ban­cá­ri­os.

O dis­pos­to no di­plo­ma le­gal em re­fe­rên­cia não se apli­ca à pres­ta­ção de tra­ba­lho do­més­ti­co com ca­rác­ter aci­den­tal ou pa­ra a exe­cu­ção de uma ta­re­fa even­tu­al. Fi­cam ain­da ex­cluí­dos do âm­bi­to do di­plo­ma os em­pre­ga­dos do­més­ti­cos que pos­su­am relações de pa­ren­tes­co com o em­pre­ga­dor: côn­ju­ge, com­pa­nhei­ro em união de fac­to, des­cen­den­te, as­cen­den­te, ir­mão, gen­ro ou no­ra, pa­dras­to ou ma­dras­ta, so­gro ou so­gra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.