TA­XA DE LIM­PE­ZA NA PRO­VÍN­CIA DE LUANDA Fac­tu­ras ao do­mi­cí­lio são pa­gas no ban­co

Jornal de Angola - - DESPORTO - NILZA MASSANGO |

O vi­ce-go­ver­na­dor de Luanda pa­ra a Área Eco­nó­mi­ca, Jo­sé Cer­quei­ra, ex­pli­cou, on­tem, que a ta­xa do li­xo vai ser pa­ga via ban­co, atra­vés de fac­tu­ras ela­bo­ra­das por uma uni­da­de téc­ni­ca cri­a­da pa­ra tra­ba­lhar em par­ce­ria com as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, Jo­sé Cer­quei­ra es­cla­re­ceu que o pa­ga­men­to da ta­xa não vai ser fei­to a fa­vor das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, mas em con­tas que vão ser aber­tas em to­dos os ban­cos, ge­ri­das pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças e pe­lo Go­ver­no da Pro­vín­cia de Luanda. O di­nhei­ro das con­tas, co­mo ex­pli­cou Jo­sé Cer­quei­ra, vai ser des­ti­na­do ao pa­ga­men­to das em­pre­sas ope­ra­do­ras de lim­pe­za e de ou­tros ser­vi­ços even­tu­al­men­te li­ga­dos ao pro­ces­so.

As ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais vão ter ape­nas o pa­pel de fa­zer che­gar a fac­tu­ra de co­bran­ça ao ci­da­dão, ao do­mi­cí­lio, as­sim co­mo as ope­ra­do­ras fa­ze­rem a en­tre­ga das mes­mas às em­pre­sas e con­do­mí­ni­os.

Nu­ma pri­mei­ra fa­se, que en­tra já em vi­gor den­tro de se­ma­nas, co­me­ça a ser fei­ta a co­bran­ça di­rec­ta às em­pre­sas, con­do­mí­ni­os, ou bair­ros que es­te­jam bem or­ga­ni­za­dos, e de­pois, se­gue a co­bran­ça ao ci­da­dão, mo­ra­dor, den­tro de me­ses, por ser um pro­ces­so mais com­ple­xo. Jo­sé Cer­quei­ra dis­se que não se po­de as­se­gu­rar que to­dos os ci­da­dãos co­me­cem a pa­gar ao mes­mo tem­po, mas que o sis­te­ma só vai ar­ran­car quan­do a gran­de mai­o­ria es­ti­ver li­cen­ci­a­da. “Que­re­mos co­me­çar o mais rá­pi­do pos­sí­vel, pa­ra di­mi­nuir o pe­so que es­tas des­pe­sas têm pa­ra o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do”, dis­se pa­ra acres­cen­tar que o De­cre­to Pre­si­den­ci­al 106/16 pre­vê di­ver­sas mo­da­li­da­des, co­mo jun­tar a co­bran­ça à fac­tu­ra da elec­tri­ci­da­de e dar aber­tu­ra pa­ra ou­tras pla­ta­for­mas. “Por is­so, en­ten­de­mos ver a me­lhor ma­nei­ra, mais efi­caz e eco­nó­mi­ca de pro­ce­der a es­sa co­bran­ça”, re­fe­riu.

Jo­sé Cer­quei­ra acres­cen­tou que a co­bran­ça jun­to das em­pre­sas e con­do­mí­ni­os co­me­ça den­tro de pou­cas se­ma­nas e que to­do o sis­te­ma in­for­má­ti­co já es­tá mon­ta­do. O ci­da­dão vai re­ce­ber a sua fac­tu­ra por meio da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal, efec­tu­ar o pa­ga­men­to no seu ban­co ou no mais pró­xi­mo de ca­sa e fa­zer che­gar o re­ci­bo à ad­mi­nis­tra­ção.

O vi­ce-go­ver­na­dor lem­brou que o pa­ga­men­to é obri­ga­tó­rio e que o ban­co vai ser a úni­ca via. Jo­sé Cer­quei­ra ex­pli­cou que a co­bran­ça da ta­xa, atra­vés da fac­tu­ra de elec­tri­ci­da­de, se­ria de­mo­ra­da e re­quer mais cus­tos. Por is­so, se adop­tou um sis­te­ma mais eco­nó­mi­co, rá­pi­do e có­mo­do pa­ra o ci­da­dão.

A fis­ca­li­za­ção do pa­ga­men­to ou não por par­te dos cli­en­tes vai es­tar sob res­pon­sa­bi­li­da­de da uni­da­de téc­ni­ca que vai tra­ba­lhar com as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais que es­tão em con­tac­to di­rec­to com o ci­da­dão.

Jo­sé Cer­quei­ra re­fe­riu que, ape­sar de mui­tas ca­sas es­ta­rem sem nú­me­ro, com­pe­te às ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais sa­ber quem são os mo­ra­do­res do bair­ro e, em fun­ção des­se con­tro­lo, ha­ver uma fis­ca­li­za­ção de quem pa­ga ou não.

“Sa­be-se que es­se con­tro­lo não vai ser efi­ci­en­te lo­go a par­tir da da­ta em que co­me­çar­mos com o pro­ces­so”, dis­se, acres­cen­tan­do que, nu­ma pri­mei­ra fa­se, vai ser mais fá­cil co­brar jun­to das gran­des em­pre­sas e con­do­mí­ni­os.

MA­RIA AUGUSTA

Vi­ce-go­ver­na­dor pa­ra a Área Eco­nó­mi­ca es­cla­re­ceu mo­da­li­da­des de pa­ga­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.