Lí­der guer­ri­lhei­ro vol­tou à Colôm­bia

Mu­dan­ça do gru­po pa­ra par­ti­do po­lí­ti­co é fei­ta em bre­ve

Jornal de Angola - - PARTADA -

O lí­der das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), Ro­dri­go Lon­doño Eche­ver­ri, co­nhe­ci­do co­mo “Ti­mo­chen­ko”, che­gou ao país pa­ra par­ti­ci­par na 10ª con­fe­rên­cia do gru­po guer­ri­lhei­ro, na qual vai ser apro­va­do o acor­do de paz al­can­ça­do com o Go­ver­no, no­ti­ci­a­ram on­tem fon­tes li­ga­das à guer­ri­lha. A 10ª con­fe­rên­cia na­ci­o­nal guer­ri­lhei­ra acon­te­ce en­tre os di­as 17 e 23 des­te mês, nos Lla­nos del Ya­rí, uma re­gião re­mo­ta do sul do país, on­de se es­pe­ra que as FARC re­nun­ci­em ofi­ci­al­men­te à lu­ta ar­ma­da.

O lí­der das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), Ro­dri­go Lon­doño Eche­ver­ri, co­nhe­ci­do co­mo “Ti­mo­chen­ko”, che­gou ao país pa­ra par­ti­ci­par da 10ª con­fe­rên­cia do gru­po ar­ma­do, na qual vai ser apro­va­do o acor­do de paz al­can­ça­do com o Go­ver­no, no­ti­ci­a­ram on­tem fon­tes li­ga­das à guer­ri­lha.

“Ca­da con­gres­so tem a sua ca­rac­te­rís­ti­ca. Es­te, por en­quan­to, tem uma im­por­tân­cia re­le­van­te, tu­do o que es­ta­mos a fa­zer ago­ra vai nos aju­dar mui­to, pa­ra avan­çar na bus­ca dos ob­jec­ti­vos que te­mos”, dis­se “Ti­mo­chen­ko” à agên­cia “Nu­e­va Co­lom­bia”, vin­cu­la­da às FARC, ao ater­rar na Colôm­bia.

A 10ª con­fe­rên­cia na­ci­o­nal guer­ri­lhei­ra acon­te­ce en­tre os di­as 17 e 23 des­te mês, nos Lla­nos del Ya­rí, uma re­gião re­mo­ta do sul do país, en­tre as pro­vín­ci­as de Ca­que­tá e de Me­ta, on­de se es­pe­ra que as FARC re­nun­ci­em à lu­ta ar­ma­da, de­pois de 52 anos, e apro­vem a sua trans­for­ma­ção num mo­vi­men­to po­lí­ti­co le­ga­li­za­do.

Com “Ti­mo­chen­ko”, che­ga­ram ou­tros in­te­gran­tes do Se­cre­ta­ri­a­do (co­man­do) das FARC, co­mo Fé­lix An­to­nio Muñoz, co­nhe­ci­do co­mo “Pas­tor Ala­pe”, e Ro­dri­go Gran­da, co­nhe­ci­do co­mo “Ri­car­do Tél­lez”, além de ou­tros de­le­ga­dos que vão par­ti­ci­par da con­fe­rên­cia e que es­ta­vam em Cu­ba, on­de par­ti­ci­pa­ram dos diá­lo­gos de paz com o Go­ver­no.

“Ala­pe” des­ta­cou a im­por­tân­cia des­ta con­fe­rên­cia ao re­cor­dar que, nas no­ve an­te­ri­o­res, “fa­la­va-se de pla­nos em pro­jec­ção pa­ra a guerra”, en­quan­to, nes­te ca­so, “es­tão sen­do ar­ti­cu­la­dos pro­ces­sos e ini­ci­a­ti­vas pa­ra a paz.” Al­guns des­ses de­le­ga­dos che­ga­ram à re­gião dos Lla­nos del Ya­rí num he­li­cóp­te­ro do Co­mi­té In­ter­na­ci­o­nal da Cruz Ver­me­lha.

O Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as FARC che­ga­ram a um acor­do de paz em 24 de Agos­to, de­pois de qua­se qua­tro anos de ne­go­ci­a­ções em Ha­va­na. O acor­do en­tre as par­tes é as­si­na­do no dia 26 de Se­tem­bro, num ac­to so­le­ne, na ci­da­de de Car­ta­ge­na das Ín­di­as, e sub­me­ti­do à con­sul­ta po­pu­lar num ple­bis­ci­to a ser re­a­li­za­do em 2 de Ou­tu­bro.

Com o acor­do, as FARC dei­xam de exis­tir co­mo or­ga­ni­za­ção ar­ma­da ile­gal e trans­for­mam-se num mo­vi­men­to po­lí­ti­co, pas­so trans­cen­den­tal que tem iní­cio, pre­ci­sa­men­te, na sua 10ª con­fe­rên­cia. Des­de 1964, aquan­do da cri­a­ção das FARC, a guer­ri­lha co­lom­bi­a­na re­a­li­zou um to­tal de no­ve con­fe­rên­ci­as nas quais foi de­fi­ni­do o ru­mo da or­ga­ni­za­ção.

AFP

Ce­le­bri­da­des da Colôm­bia ape­lam ao sim no re­fe­ren­do so­bre a paz mar­ca­do pa­ra Ou­tu­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.