Ma­dei­ra de Am­buí­la pas­sa em boa es­tra­da

LI­GA­ÇÃO A MU­NI­CÍ­PI­OS E COMUNAS Tra­ba­lhos ga­ran­tem em­pre­gos di­rec­tos a cen­te­nas de jo­vens

Jornal de Angola - - PARTADA - ANTÓNIO CA­PI­TÃO |

Os au­tos de con­sig­na­ção das obras de re­a­bi­li­ta­ção dos tro­ços Qui­te­xe-Am­buí­la-Qui­pe­dro e Uíge-Ca­lum­bo-Dam­bi-Ne­ga­ge fo­ram as­si­na­dos na se­ma­na pas­sa­da na es­co­la de for­ma­ção de pro­fes­so­res Ge­ne­ral Fo­gue­tão, na ci­da­de do Uíge.

Mi­guel Ne­lem­be re­pre­sen­tou na ce­ri­mó­nia o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­tra­das de Angola (INEA), que ru­bri­cou o acor­do com Lin Pin Ching, pe­la Chi­na Ti­eshi­ju Cons­truc­ti­on and Energy(CTCE), e Liu Ji­ang Jin, pe­la Chi­na Pe­tro­leum Pi­pe­li­ne (CPP).

O ac­to con­tou com a pre­sen­ça do se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cons­tru­ção, António Flo­res, e do go­ver­na­dor do Uíge, Paulo Pom­bo­lo, as­sim co­mo de ad­mi­nis­tra­do­res e au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais dos mu­ni­cí­pi­os do Uíge, Qui­te­xe, Am­buí­la e Ne­ga­ge.

A re­a­bi­li­ta­ção das es­tra­das que atra­ves­sam a co­mu­na de Qui­pe­dro e as al­dei­as do Tan­ge, Qui­ôn­gua, Ca­lum­bo, Dam­bi e Pi­que de­ve fi­car pron­ta em 14 me­ses e dei­xar pa­ra trás os tem­pos di­fí­ceis em que a cir­cu­la­ção só é pos­sí­vel com re­cur­so a vi­a­tu­ras com trac­ção às qua­tro ro­das.

As obras con­tem­plam tra­ba­lhos de des­ma­ta­men­to, alar­ga­men­to, ter­ra­pla­na­gem, as­fal­ta­men­to, cons­tru­ção de pon­tes e pas­sa­gens hi­dráu­li­cas e si­na­li­za­ção ver­ti­cal e ho­ri­zon­tal.

A em­prei­ta­da na es­tra­da EC-2202/EN-220, que com­pre­en­de o tro­ço Qui­te­xe-Am­buí­la-Qui­pe­dro, nu­ma ex­ten­são de 76 qui­ló­me­tros, foi ad­ju­di­ca­da à CTCE e vai cus­tar aos co­fres do Es­ta­do 55,71 mi­lhões de dó­la­res. A obra ga­ran­te 180 em­pre­gos di­rec­tos.

No tro­ço Uíge-Ca­lum­bo-Dam­biNe­ga­ge da es­tra­da EC-220-3, as obras fi­cam a car­go da CPP e es­tão or­ça­das em 29,6 mi­lhões de dó­la­res. A cons­tru­to­ra chi­ne­sa pre­vê re­cru­tar 105 tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos.

Im­por­tân­cia da fis­ca­li­za­ção

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cons­tru­ção, António Flo­res, su­bli­nhou que as obras cons­tam da car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos do Go­ver­no cen­tral. As duas em­prei­ta­das es­tão in­cluí­das no vas­to pro­gra­ma de cons­tru­ção e reconstrução das es­tra­das do país, num to­tal de 1.324 qui­ló­me­tros, com re­cur­so à li­nha de cré­di­to da Chi­na.

António Flo­res re­fe­riu que, ape­sar da ac­tu­al si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca que Angola vi­ve e que obri­ga à con­ten­ção de gas­tos, o Exe­cu­ti­vo de­ci­diu avan­çar com es­tes pro­jec­tos, que vão “pro­por­ci­o­nar uma me­lhor cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens nes­tes mu­ni­cí­pi­os”. O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Uíge, Paulo Pom­bo­lo, re­al­çou a im­por­tân­ci­as das duas es­tra­das pa­ra as po­pu­la­ções lo­cais. O tro­ço Uí­geCa­lum­bo-Dam­bi-Ne­ga­ge é uma via al­ter­na­ti­va pa­ra che­gar ao mu­ni­cí­pio de Ne­ga­ge. “Gos­ta­ría­mos de pe­dir à di­rec­ção do Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção e do INEA que fa­çam uma boa fis­ca­li­za­ção des­tas obras pa­ra ob­ter­mos re­sul­ta­dos fi­nais com qua­li­da­de e que te­nham lon­ge­vi­da­de”, dis­se.

Es­co­ar a ma­dei­ra

O go­ver­na­dor do Uíge con­si­de­rou opor­tu­na a re­a­bi­li­ta­ção do tro­ço Qui­te­xe-Am­buí­la-Qui­pe­dro pe­lo fac­to da­que­le mu­ni­cí­pio ser o mai­or pro­du­tor de ma­dei­ra da re­gião. O go­ver­na­dor su­bli­nhou que 53 por cen­to da ma­dei­ra pro­du­zi­da no país é ori­gi­ná­ria da pro­vín­cia e a mai­or par­te é ex­plo­ra­da em Am­buí­la.

O go­ver­na­dor dis­se acre­di­tar que, com as es­tra­das re­a­bi­li­ta­das, no­vos ope­ra­do­res do sec­tor vão in­ves­tir na­que­le mu­ni­cí­pio e ga­ran­tir mais em­pre­gos na re­gião, au­men­tar a pro­du­ção da ma­dei­ra e a an­ga­ri­a­ção de re­cei­tas pa­ra os co­fres do Es­ta­do.

“Tu­do mais fa­ci­li­ta­do”

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Am­buí­la, Jo­sé Ba­tis­ta, afir­mou que, com a re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da Qui­te­xe-Am­buí­la-Qui­pe­dro, “as coi­sas fi­cam mais fa­ci­li­ta­das” pa­ra as au­to­ri­da­des ad­mi­nis­tra­ti­vas, em­pre­sá­ri­os e a po­pu­la­ção. Com a via de­gra­da­da, mui­tos em­prei­tei­ros re­cu­sam-se a tra­ba­lhar em de­ter­mi­na­das lo­ca­li­da­des e, ao fa­zê-lo, one­ra­vam o pre­ço das obras.“Bo­as es­tra­das le­vam de­sen­vol­vi­men­to às co­mu­ni­da­des. Fi­ca me­lho­ra­do o sis­te­ma de trans­por­tes pú­bli­cos, cres­ce a rede co­mer­ci­al e sur­gem vá­ri­as in­fra-es­tru­tu­ras pú­bli­cas e pri­va­das, vis­to que os in­ves­ti­do­res já não re­cei­am per­der os in­ves­ti­men­tos por even­tu­ais aci­den­tes que po­dem ser cau­sa­dos pe­lo mau es­ta­do da es­tra­da”, fri­sou.

Pro­du­zir mais

O re­ge­dor do Dam­bi, João Bon­do, ma­ni­fes­tou, em no­me dos ha­bi­tan­tes das al­dei­as lo­ca­li­za­das ao lon­go dos tro­ços Uíge-Ca­lum­bo e Dam­bi-Ne­ga­ge, a sa­tis­fa­ção pe­la re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da, que ca­re­ce de re­pa­ra­ção des­de o pe­río­do co­lo­ni­al.João Bon­do su­bli­nhou que a em­prei­ta­da vai mo­ti­var os agri­cul­to­res da re­gião, que vão po­der es­co­ar os pro­du­tos do cam­po. Lem­brou as ve­zes sem con­ta que viu gran­des quan­ti­da­des de Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cons­tru­ção ali­men­tos de­te­ri­o­ra­rem-se por fal­ta de trans­por­te pa­ra os gran­des cen­tros po­pu­la­ci­o­nais. “Es­ta­mos to­dos apos­ta­dos no au­men­to da pro­du­ção da ba­na­na, man­di­o­ca, fei­jão, mi­lho, gin­gu­ba, inha­me, hor­tí­co­las e ou­tros pro­du­tos que fa­zem par­te da di­e­ta ali­men­tar da pro­vín­cia”, dis­se.

MAVITIDI MULAZA

Obras de re­a­bi­li­ta­ção de es­tra­das ala­van­ca o cres­ci­men­to da eco­no­mia lo­cal

MAVITIDI MULAZA|UÍGE

MAVITIDI MULAZA|UÍGE

Re­pre­sen­tan­te do Ins­ti­tu­to de Es­tra­das de Angola Mi­guel Ne­lem­be as­si­nou o acor­do com a Chi­na Ti­eshi­ju Cons­truc­ti­on and Energy e a Chi­na Pe­tro­leum Pi­pe­li­ne pa­ra me­lho­ria das ro­do­vi­as

MAVITIDI MULAZA|UÍGE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.