Angola na ses­são dos Di­rei­tos Hu­ma­nos

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

Angola par­ti­ci­pa des­de ter­ça-fei­ra, em Ge­ne­bra, Suí­ça, na 33ª ses­são do Con­se­lho dos Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU, que con­ta com um pai­nel de al­to ní­vel so­bre “A im­ple­men­ta­ção da De­cla­ra­ção das Na­ções Uni­das so­bre a Edu­ca­ção e For­ma­ção: bo­as prá­ti­cas e de­sa­fi­os”. A de­le­ga­ção an­go­la­na é che­fi­a­da pe­lo re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te jun­to dos Es­cri­tó­ri­os da ONU em Ge­ne­bra, em­bai­xa­dor Apo­li­ná­rio Cor­reia.

Na de­cla­ra­ção de aber­tu­ra, o al­to­co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos, Zeid Ra’ad al Hus­sein, ma­ni­fes­tou-se pre­o­cu­pa­do com a cres­cen­te re­cu­sa de um gran­de nú­me­ro de Es­ta­dos-mem­bros em fa­ci­li­tar o aces­so dos me­ca­nis­mos dos di­rei­tos hu­ma­nos nos seus paí­ses, e em re­giões es­pe­cí­fi­cas.

Zeid al Hus­sein su­bli­nhou que não há ou­tra al­ter­na­ti­va se­não tra­ba­lhar em con­jun­to e to­mar ac­ções co­lec­ti­vas, a fim de se re­sol­ver pro­ble­mas co­muns, em par­ti­cu­lar o ter­ro­ris­mo. Pe­diu tam­bém ac­ções pa­ra se re­sol­ver a ques­tão da ali­e­na­ção e da frus­tra­ção em to­do o mun­do, de­vi­do à má go­ver­na­ção e à cor­rup­ção, bem co­mo as prá­ti­cas xe­nó­fo­bas in­to­le­ran­tes e pe­ri­go­sas que se as­sis­tem em vá­ri­as de­mo­cra­ci­as bem es­ta­be­le­ci­das.

Se­gun­do o al­to-co­mis­sá­rio, o Con­se­lho dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, pro­jec­ta­do pa­ra ser mais cre­dí­vel, mais im­par­ci­al e mais fo­ca­do nos di­rei­tos hu­ma­nos e nas vo­zes das ví­ti­mas, foi fi­can­do ca­da vez mais po­la­ri­za­do, com os Es­ta­dos a ten­ta­rem, ca­da vez mais, blo­que­ar ou fugir ao es­cru­tí­nio dos di­rei­tos hu­ma­nos, sob o pre­tex­to de in­ge­rên­cia nos seus as­sun­tos in­ter­nos. A es­se res­pei­to, dis­se, o Es­cri­tó­rio da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos não ti­nha po­der co­er­ci­vo e ne­nhu­ma ac­ti­vi­da­de lre­a­li­za­da po­de con­si­de­rar-se cons­ti­tu­ti­va de uma “in­ter­ven­ção proi­bi­da”. “Al­guns Es­ta­dos en­cer­ram os es­cri­tó­ri­os ou di­fi­cul­tam a sua ac­ti­vi­da­de. Eles es­tão im­plan­ta­dos pa­ra re­for­çar os sis­te­mas de pro­tec­ção na­ci­o­nais, ob­ser­var os fac­tos no ter­re­no, aju­dar os Es­ta­dos a har­mo­ni­zar as leis, em con­so­nân­cia com os acor­dos in­ter­na­ci­o­nais, e au­xi­li­ar no cum­pri­men­to das re­co­men­da­ções acei­tes pe­los Es­ta­dos”, pros­se­guiu.

Zeid al Hus­sein ex­pres­sou a sua pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à ocor­rên­cia, em di­ver­sos Es­ta­dos ci­ta­dos na De­cla­ra­ção, de exe­cu­ções ex­tra­ju­di­ci­ais, su­má­ri­as ou ar­bi­trá­ri­as, o as­sé­dio e as de­ten­ções de de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos e ac­ti­vis­tas po­lí­ti­cos. Ci­tou ale­ga­ções de vi­o­la­ções e abu­sos, res­tri­ções so­bre li­ber­da­des pú­bli­cas, tor­tu­ra e re­pres­são a vo­zes da opo­si­ção e a gru­pos da so­ci­e­da­de ci­vil, obs­tru­ção ao tra­ba­lho de re­la­to­res es­pe­ci­ais, a de­nún­cia de uso da for­ça ex­ces­si­va con­tra ma­ni­fes­ta­ções pa­cí­fi­cas, bem co­mo o con­fli­to pre­va­le­cen­te na Síria. O al­to-co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos ins­tou os Es­ta­dos-mem­bros a co­la­bo­ra­rem com os es­cri­tó­ri­os da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos, fa­ci­li­tan­do a mo­vi­men­ta­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.