CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALBERTINA JO­SÉ | GERVÁSIO ANTÓNIO | ÂNGELA PANZO |

Re­gis­to gra­tui­to

Es­tou sa­tis­fei­ta com as no­tí­ci­as que dão con­ta que o pro­ces­so de re­gis­to gra­tui­to de ci­da­dãos es­tá a pro­du­zir bons re­sul­ta­dos. Es­tá a au­men­tar o nú­me­ro de cri­an­ças re­gis­ta­das em to­do o país , o que es­tá a per­mi­tir que mi­lha­res de me­no­res pos­sam ma­tri­cu­lar-se nas es­co­las pri­má­ri­as. Pen­so que é po­si­ti­vo o fac­to de os ser­vi­ços li­ga­dos ao re­gis­to de ci­da­dãos es­ta­rem a ir ao en­con­tro dos ci­da­dãos , pa­ra que mui­tas cri­an­ças pos­sam ter cé­du­la pes­so­al.

Sa­be-se que a mui­tas cri­an­ças não es­tão no sis­te­ma for­mal de en­si­no por fal­ta de cé­du­la pes­so­al. A ce­le­ri­da­de com que se es­tão a fa­zer os re­gis­tos de nas­ci­men­to em vá­ri­as pro­vín­ci­as vai per­mi­tir que mui­tas cri­an­ças pos­sam co­me­çar a es­tu­dar. De­vo elo­gi­ar o fac­to de tu­do es­tar a ser fei­to pa­ra que não ha­ja mais ci­da­dãos sem do­cu­men­ta­ção. Era bom que se co­me­ças­se já a im­ple­men­tar aque­le pro­jec­to de se re­gis­ta­rem as cri­an­ças nas ma­ter­ni­da­des. En­co­ra­jo as au­to­ri­da­des a pros­se­gui­rem o seu tra­ba­lho ao ní­vel do re­gis­to de ci­da­dãos. Que os ci­da­dãos se­jam in­cen­ti­va­dos a pro­ce­de­rem ao re­gis­to de nas­ci­men­to dos seus fi­lhos. Os nos­sos fi­lhos têm di­rei­to a um no­me que cons­te de uma cé­du­la pes­so­al.

A pro­mo­ção do tu­ris­mo

Fa­la-se mui­to da pro­mo­ção do tu­ris­mo em Angola. Sei que mui­tos paí­ses do mun­do ar­re­ca­dam mui­tas re­cei­tas por via do tu­ris­mo, que tem até um pe­so con­si­de­rá­vel no Pro­du­to In­ter­no Bru­to. A in­dús­tria tu­rís­ti­ca é com­ple­xa e trans­ver­sal. São mui­tos os agen­tes eco­nó­mi­cos que têm de con­tri­buir pa­ra que o tu­ris­mo se­ja sus­ten­tá­vel. Te­mos em Angola gran­des po­ten­ci­a­li­da­des tu­rís­ti­cas, gra­ças à be­le­za da nos­sa na­tu­re­za. É ne­ces­sá­rio en­tre­tan­to, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo, que ha­ja bo­as in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as e fer­ro­viá­ri­as. Se­rá ain­da ne­ces­sá­rio ti­rar par­ti­do dos nos­sos re­cur­sos ma­rí­ti­mos e flu­vi­ais. Te­mos uma be­la na­tu­re­za, mas te­mos de ser nós a explorar as su­as po­ten­ci­a­li­da­des. Que ha­ja ca­da vez mais em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos que quei­ram in­ves­tir no tu­ris­mo. Que os an­go­la­nos que que­rem en­ve­re­dar pe­la ac­ti­vi­da­de tu­rís­ti­ca apren­dam com em­pre­sá­ri­os de ou­tros paí­ses que tra­ba­lham nes­se ra­mo, pa­ra que o tu­ris­mo se­ja um sec­tor que pos­sa con­tri­buir tam­bém pa­ra o cres­ci­men­to da eco­no­mia.

Pa­tri­mó­nio histórico

Fi­quei pre­o­cu­pa­do com a no­tí­cia de que a me­mó­ria de Angola es­tá em pe­ri­go, de­vi­do ao es­ta­do avan­ça­do de de­gra­da­ção e à má con­ser­va­ção do edi­fí­cio on­de fun­ci­o­na o Arquivo Histórico Na­ci­o­nal. Fi­quei en­tre­tan­to des­can­sa­do quan­do sou­be que o Es­ta­do vai dar to­do o apoio ne­ces­sá­rio ao Arquivo Histórico Na­ci­o­nal. É pre­ci­so que ha­ja re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra se sal­var o nos­so pa­tri­mó­nio histórico e cul­tu­ral. Tem de ha­ver sen­si­bi­li­da­de em re­la­ção à me­mó­ria de Angola. Não se po­de dei­xar que o nos­so pa­tri­mó­nio histórico e cul­tu­ral de­sa­pa­re­ça. A ac­tu­al ge­ra­ção tem a gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de de de­fen­der o que per­ten­ce a to­dos nós. As fu­tu­ras ge­ra­ções não nos vão per­do­ar se não pre­ser­var­mos o nos­so pa­tri­mó­nio. Que ha­ja pois di­nhei­ro pa­ra pro­te­ger­mos a nos­sa me­mó­ria co­lec­ti­va. Pen­so que o Es­ta­do tem a obri­ga­ção de pre­ser­var o nos­so pa­tri­mó­nio histórico e cul­tu­ral. Te­nho es­pe­ran­ça de que as nos­sas au­to­ri­da­des tu­do fa­rão pa­ra que o Arquivo Histórico Na­ci­o­nal e ou­tros bens que per­ten­cem ao nos­so pa­tri­mó­nio histórico e cul­tu­ral e que cor­rem o ris­co de de­sa­pa­re­cer se­jam sal­vos com ur­gên­cia.

Li­vros ca­ros

Os li­vros es­tão ain­da mui­to ca­ros. Se­rá que não é pos­sí­vel fa­zer com que os nos­sos li­vros se­jam mais ba­ra­tos? Os es­tu­dan­tes têm ho­je gran­des di­fi­cul­da­des de com­prar li­vros e es­tes são ne­ces­sá­ri­os pa­ra que eles te­nham bom de­sem­pe­nho nos seus cur­sos. Uma al­ter­na­ti­va a es­tas di­fi­cul­da­des se­ria a cri­a­ção de mui­tas bi­bli­o­te­cas, pa­ra que os alu­nos sem pos­si­bi­li­da­de dde com­prar li­vros pu­des­sem ter aces­so a obras. Os alu­nos não de­vem li­mi­tar-se a es­tu­dar em fas­cí­cu­los. Os fas­cí­cu­los não lhes per­mi­tem ter um co­nhe­ci­men­to apro­fun­da­do das ma­té­ri­as. É im­por­tan­te que se apos­te em bi­bli­o­te­cas e que o Es­ta­do ga­ran­ta que es­tas te­nham obras di­ver­sas pa­ra aten­der a gran­de pro­cu­ra de co­nhe­ci­men­to por par­te dos nos­sos jo­vens e não só.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.