O Úl­ti­mo Pri­mo

Jornal de Angola - - OPINIÃO - COR­NÉ­LIO CA­LEY |*

Vi­via num ane­xo que um ami­go me dis­po­ni­bi­li­za­ra. Ju­nho, Na­mi­be, 1979. Mal aca­ba­ra de sair do bu­ra­co. Ci­da­de bonita, mas eu mar­cha­va ca­bis­bai­xo. A vida ti­nha-me pre­ga­do mui­tas par­ti­das. A noi­te do ci­ta­do mês des­caia, ten­tei acon­che­gar-me, frio a fu­rar o co­ber­tor, mal o so­no es­prei­ta­va, ou­vi ba­ti­men­tos for­tes na por­ta que afu­gen­ta­ram o so­no: – Ca­ma­ra­da Ca­ley, es­tá aí? – Sim, es­tou! – Pre­pa­ra-te, va­mos em­bo­ra, ca­ma­ra­da!

Pe­la por­ta, o lu­ar aju­dou a ver ho­mens ar­ma­dos e o co­ra­ção foi. Acon­te­ceu mas quê meu Deus? – in­ter­ro­guei-me. Os ho­mens far­da­dos na­da sa­bi­am. Só sa­bi­am cum­prir. En­trei no Je­ep, atrás. A me­mó­ria me trou­xe as tan­tas ve­zes no Je­ep e o co­ra­ção ace­le­rou. Pa­rou em fren­te do Pa­lá­cio e um ho­mem tam­bém far­da­do le­van­tou-se e dis­se, mal o je­ep aca­bou de pa­rar: – En­con­tra­ram o ca­ma­ra­da? – Já es­tá aqui con­nos­co, Che­fe! En­trei pe­lo cor­re­dor es­col­ta­do, au­tên­ti­co pre­so, as lu­zes abri­ram­se, e en­tão, de­pa­rei-me com o ca­ma­ra­da Manuel Pa­ca­vi­ra. Le­van­tou, deu-me a mão e com uma pal­mi­nha no om­bro dis­se:

– Olá,ca­ma­ra­da Ca­ley. Sen­ta-te aí, meu pri­mo, tan­to tem­po!

Eu sor­ri, com di­fi­cul­da­de. Co­nhe­cia o ca­ma­ra­da Pa­ca­vi­ra, mas ao pon­to de me cha­mar pri­mo nu­ma al­tu­ra em que a noi­te cor­ria, le­vou a vá­ri­as in­ter­ro­ga­ções.

– Es­te­ja à von­ta­de, ca­ma­ra­da Ca­ley. Mes­mo à von­ta­de. Fui eu que o man­dei cha­mar. Ou­vi di­zer que es­ta­vas por aqui e que­ria ver-te.

Pa­rou e, pou­co de­pois, en­tra­va o gran­de Sa­pi­li­nha Sam­ba­lan­ga na sa­la es­pa­ço­sa do Pa­lá­cio do Na­mi­be. Era o Co­mis­sá­rio Pro­vin­ci­al, e o Pa­ka adi­an­tou-se:

– Ca­ma­ra­da, por aca­so co­nhe­ce o ca­ma­ra­da Ca­ley?

Ele fez um ges­to sim­pá­ti­co, deu­me a mão e dis­se:

– Pes­so­al­men­te, não. Só pe­lo no­me. Mas quem mais fa­la de­le é o ca­ma­ra­da Ni­co­lau do Nas­ci­men­to, De­le­ga­do dos Trans­por­tes. Creio que são gran­des ami­gos!

– Que tal se jun­tás­se­mos, tam­bém, o ca­ma­ra­da De­le­ga­do dos Trans­por­tes?-dis­se o Pa­ka.

O co­mis­sá­rio tra­tou, ime­di­a­ta­men­te, de te­le­fo­nar e pou­co de­pois en­tra­va o De­le­ga­do dos Trans­por­tes e Co­mu­ni­ca­ções, Ni­co­lau do Nas­ci­men­to. Só a par­tir da­que­la al­tu­ra o meu co­ra­ção se acal­mou. Éra­mos, de fac­to, gran­des ami­gos e ca­ma­ra­das. Mal en­trou, o ca­ma­ra­da Pa­ca­vi­ra vol­tou-se pa­ra ele, na mes­ma lin­gua­gem.

– Ca­ma­ra­da De­le­ga­do, eu sei que és ami­go do meu pri­mo Ca­ley e cha­mei-o pa­ra ir­mos cum­prir uma mis­são de tra­ba­lho do Par­ti­do, ama­nhã. O ca­ma­ra­da Ca­ley vai fa­zer par­te da mi­nha de­le­ga­ção, que veio co­mi­go de Luanda.

– Com cer­te­za,ca­ma­ra­da Pa­ca­vi­ra. Não sa­bia que eram pri­mos.

– Não faz mal que não sou­bes­se. A par­tir de ho­je, so­mos to­dos pri­mos, não é as­sim, ca­ma­ra­da co­mis­sá­rio? – So­mos, ca­ma­ra­das. O co­mis­sá­rio tra­tou de man­dar vir umas gar­ra­fas. Ele, o Pa­ka, pas­sou a te­cer umas li­nhas do pro­gra­ma. O jo­vem abriu a gar­ra­fa. To­dos sen­ta­dos à vol­ta de uma me­sa enor­me. Os co­pos meio chei­os. Afi­nal, nin­guém ti­nha jei­to no co­po. Fo­ram re­co­lhi­dos tal co­mo ti­nham si­do ser­vi­dos. O pro­gra­ma fi­cou tra­ça­do pe­la noi­te fo­ra. De­pois, re­gres­sei com o ca­ma­ra­da Ni­co­lau do Nas­ci­men­to que, pe­lo ca­mi­nho, co­men­tou:

– Ho­je, es­tou mui­to sa­tis­fei­to. An­dam por aí a di­zer que es­tou a pro­mo­ver um re­ac­ci­o­ná­rio, quan­do eu co­nhe­ço o ca­ma­ra­da Ca­ley há mui­tos anos e fi­co a sa­ber ho­je que é pri­mo do ca­ma­ra­da Pa­ca­vi­ra!

– Bom – ga­gue­jei – na re­a­li­da­de, não so­mos pri­mos. Foi quem o dis­se e eu fi­quei sem pa­la­vra. – Co­mo as­sim? – Não sei. O ca­ma­ra­da Pa­ca­vi­ra, que eu saiba, é do Cu­an­za Nor­te e eu sou Bai­lun­do. Não sei co­mo po­de­mos ser pri­mos.

–Bom, não in­te­res­sa –cor­tou-me a pa­la­vra o de­le­ga­do Ni­co­lau e acres­cen­tou:

– Se não sois pri­mos, pe­lo me­nos ca­ma­ra­das e pri­mos, con­for­me ele pró­prio dis­se, pas­sá­mos ser a par­tir de ho­je. Eu, de Ca­te­te, o ca­ma­ra­da­co­mis­sá­rio, do Mo­xi­co, ele, do Cu­an­za Nor­te e o ca­ma­ra­da Ca­ley, do Bai­lun­do. So­mos pri­mos, pron­to! A par­tir de ho­je, es­tou sal­vo de in­tri­gas que an­dam por aí.

No dia se­guin­te, os car­ros pron­tos, se­gui­mos pa­ra Lu­ci­ra e a mul­ti­dão pron­ta pa­ra re­ce­ber a de­le­ga­ção. O ca­ma­ra­da Ni­co­lau do Nas­ci­men­to fa­zia par­te da de­le­ga­ção do co­mis­sá­rio pro­vin­ci­al e eu fa­zia par­te da de­le­ga­ção do ca­ma­ra­da Pa­ca­vi­ra. Os que me co­nhe­ci­am na ci­da­de fi­ca­ram can­sa­dos de pen­sar. O ca­ma­ra da­de­le­ga­do, ra­di­an­te. Ti­nham-se des­va­ne­ci­do as in­tri­gas de que so­fria. Re­gres­sá­mos. A vida re­to­mou o seu rit­mo nor­mal. Mas o Pa­ka nun­ca mais me lar­gou. Al­guns che­ga­ram mes­mo a per­gun­tar de on­de vi­nha es­sa fa­mi­li­a­ri­da­de. Fez tu­do pa­ra me le­var a Cu­ba quan­do foi em­bai­xa­dor. O tem­po não dei­xou. Fui vi­si­tá-lo, a seu pe­di­do, duas ve­zes, en­quan­to Go­ver­na­dor do Cu­an­za Nor­te, aper­tou­me for­te­men­te pa­ra pre­fa­ci­ar e apre­sen­tar o seu cé­le­bre li­vro “O 4 de Fe­ve­rei­ro pe­los pró­pri­os”. Co­me­cei a vi­si­tá-lo no seu pe­que­no es­cri­tó­rio que fi­ca­va em fren­te do Ho­tel Con­ti­nen­tal. E em Ro­ma, quan­do sa­bo­reá­mos um pra­to, os dois, con­fron­tei-o:

–Pa­ka, mas, oi­ça lá, de on­de vem es­ta coi­sa de pri­mos?

– En­tão, não so­mos? Tu não és his­to­ri­a­dor?

Dois anos de­pois da­que­le me­mo­rá­vel en­con­tro na ci­da­de do Na­mi­be, o meu de­le­ga­do, pri­mo di­rec­to da­que­la noi­te, dei­xa­va o mun­do nu­ma si­tu­a­ção que nem o tem­po po­de­rá um dia ex­pli­car, e par­tiu pri­mei­ro. Há uns pou­cos anos, par­ti­ria tam­bém o pri­mo Sam­ba­lan­ga. Ho­je, a Rá­dio Na­ci­o­nal, sem­pre no cum­pri­men­to do seu de­ver, anun­ci­a­va a par­ti­da de Manuel Pe­dro Pa­ca­vi­ra, o Úl­ti­mo Pri­mo. Es­ta­mos juntos, Ca­ma­ra­das Pri­mos!

FRANCISOCO BERNARDO

Ca­ma­ra­da Manuel Pe­dro Pa­ca­vi­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.