Go­ver­no rus­so des­trói ar­mas

Jornal de Angola - - MUNDO -

O che­fe do Ser­vi­ço Fe­de­ral pa­ra Ar­ma­ze­na­men­to e Des­trui­ção de Ar­mas Quí­mi­cas da Rús­sia (SFADAQ), ge­ne­ral Va­le­ri Ka­pashin, anun­ci­ou on­tem, no cum­pri­men­to das su­as obri­ga­ções in­ter­na­ci­o­nais, que o seu país des­truiu 95 por cen­to das su­as ar­mas quí­mi­cas.

“Tra­ta-se de mais de 37.950 to­ne­la­das de subs­tân­ci­as tó­xi­cas pa­ra uso mi­li­tar”, dis­se Ka­pashin, em en­tre­vis­ta à agên­cia “In­ter­fax”.

A Rús­sia her­dou da União So­vié­ti­ca cer­ca de 40 mil to­ne­la­das de ar­mas quí­mi­cas, que se com­pro­me­teu a des­truir até De­zem­bro de 2018.

“Fal­tam pou­co mais de dois anos, mas o SFADAQ vi­sa ace­le­rar a des­trui­ção dos stocks re­ma­nes­cen­tes de ar­mas quí­mi­cas”, dis­se Ka­pashin, res­sal­tan­do que o cum­pri­men­to an­te­ci­pa­do des­ta ta­re­fa em ne­nhum ca­so afec­ta a se­gu­ran­ça do pro­ces­so.

De acor­do com o mi­li­tar, com es­ta pro­pos­ta, se pro­cu­ra ra­ci­o­na­li­zar o uso dos re­cur­sos e cum­prir os cor­tes or­ça­men­tais que os pro­gra­mas fe­de­rais têm so­fri­do por cau­sa das di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas que o país atra­ves­sa. A Rús­sia é um dos 65 paí­ses que ra­ti­fi­ca­ram a Con­ven­ção pa­ra a Proi­bi­ção de Ar­mas Quí­mi­cas, as­si­na­da em 1993 e em vi­gor des­de 1997.

O che­fe do Ser­vi­ço Fe­de­ral pa­ra Ar­ma­ze­na­men­to e Des­trui­ção de Ar­mas Quí­mi­cas da Rús­sia (SFADAQ), ge­ne­ral Va­le­ri Ka­pashin, afir­mou que o pro­ces­so de des­trui­ção das ar­mas quí­mi­cas é um si­nal da res­pon­sa­bi­li­da­de mi­li­tar da Rús­sia pa­ra a cri­a­ção de um clima mais paí­fi­co no mun­do.

Dois aviões de pa­tru­lha ma­rí­ti­ma vo­a­vam em mis­sões se­pa­ra­das no es­pa­ço aé­reo in­ter­na­ci­o­nal, quan­do re­ce­be­ram três cha­ma­das de rá­dio por par­te da De­fe­sa Aé­rea ira­ni­a­na.

“Ame­a­ça­vam dis­pa­rar pa­ra nos der­ru­bar ou lan­çar mís­seis”, dis­se o fun­ci­o­ná­rio da De­fe­sa, que pe­diu ano­ni­ma­to. De acor­do com a Fox News, a pri­mei­ra emis­so­ra a in­for­mar so­bre o ocor­ri­do, os aviões nor­te-ame­ri­ca­nos ig­no­ra­ram a ad­ver­tên­cia e con­ti­nu­a­ram a sua mis­são.

Um dos fun­ci­o­ná­ri­os da De­fe­sa que não foi iden­ti­fi­ca­do dis­se à emis­so­ra que o Exér­ci­to dos Es­ta­dos Uni­dos que­ria sa­ber qual se­ria as re­ac­ção ira­ni­a­na. Ele afir­mou que o in­ci­den­te foi pou­co pro­fis­si­o­nal, mas que não foi con­si­de­ra­do in­se­gu­ro já que os aviões nor­te­a­me­ri­ca­nos es­ta­vam fo­ra do al­can­ce dos mís­seis an­ti-aé­re­os ira­ni­a­nos co­nhe­ci­dos.

Na­vio de guerra

A Gu­ar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria do Irão inau­gu­rou um no­vo na­vio de 55 me­tros de com­pri­men­to, na ter­ça-fei­ra, ca­paz de trans­por­tar um he­li­cóp­te­ro e até 100 ho­mens, de acor­do com o si­te da te­le­vi­são es­ta­tal. O lan­ça­men­to do na­vio na ci­da­de por­tuá­ria de Bushehr acon­te­ce num mo­men­to de al­ta ten­são en­tre o Irão e os Es­ta­dos Uni­dos nas águas do Gol­fo Pér­si­co. Au­to­ri­da­des dos EUA di­zem que hou­ve mais de 30 apro­xi­ma­ções pe­ri­go­sas en­tre em­bar­ca­ções nor­te­a­me­ri­ca­nas e ira­ni­a­nas no Gol­fo es­te ano, mais do que o do­bro do mes­mo pe­río­do de 2015.

No dia 4 de Se­tem­bro, um na­vio de pa­tru­lha da Ma­ri­nha dos EUA mu­dou de cur­so de­pois de uma em­bar­ca­ção de ata­que rá­pi­do da Gu­ar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria ter che­ga­do a 91 me­tros de dis­tân­cia do bar­co nor­te­a­me­ri­ca­no no cen­tro do Gol­fo, no mí­ni­mo o quar­to in­ci­den­te do ti­po em me­nos de um mês. “Es­te na­vio au­men­ta o po­der de dis­su­a­são do Irão e te­rá efei­to nos cál­cu­los das ma­no­bras do ini­mi­go, par­ti­cu­lar­men­te a Amé­ri­ca”, dis­se o che­fe na­val da Gu­ar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria, o con­tra-al­mi­ran­te Ali Fa­da­vi, no lan­ça­men­to do na­vio, in­di­ca o si­te. Fa­da­vi não in­for­mou se o na­vio es­tá equi­pa­do pa­ra le­var ar­mas. Uma fo­to pu­bli­ca­da no si­te da TV es­ta­tal mos­trou um he­li­cóp­te­ro no tom­ba­di­lho su­pe­ri­or da em­bar­ca­ção.

A Gu­ar­da Re­vo­lu­ci­o­ná­ria do Irão re­fe­riu, em co­mu­ni­ca­do, que o na­vio faz par­te de uma es­tra­té­gia de de­fe­sa pa­ra res­pon­der a al­gu­mas ma­no­bras pou­co cla­ras de em­bar­ca­ções su­pei­tas que pro­cu­ram ame­a­çar “as nos­sas po­si­ções. A se­guir fo­ram dil­ful­ga­das ima­gens de mo­vi­men­ta­ções de ma­ri­nhei­ros ira­ni­a­nos.

REUTERS

Exér­ci­to nor­te-ame­ri­ca­no re­fe­re que o in­ci­den­te foi pou­co pro­fis­si­o­nal e os aviões es­ta­vam lon­ge do al­can­ce dos mís­seis ira­ni­a­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.