Des­por­to escolar exi­ge mai­or aten­ção

IN­FRA-ES­TRU­TU­RAS CONDICIONAM PRO­JEC­TO Cri­a­ção da fe­de­ra­ção é in­su­fi­ci­en­te pa­ra a ba­se des­por­ti­va en­trar nos car­ris

Jornal de Angola - - CULTURA - VIVALDO EDU­AR­DO |

A de­ci­são de cri­ar-se a Fe­de­ra­ção de Des­por­to Escolar, saí­da do no­no Con­se­lho Con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Juventude e Des­por­tos (Min­jud), re­cen­te­men­te re­a­li­za­do no Com­ple­xo do Fu­tun­go II, em Luanda, não de­ve ser vis­ta co­mo so­lu­ção má­gi­ca pa­ra co­lo­car o des­por­to de ba­se, do nos­so país, so­bre car­ris.

Che­gar a es­ta con­clu­são há mui­to dei­xou de ser no­vi­da­de. Tra­ta-se de uma op­ção ób­via, pa­ra for­mar pra­ti­can­tes de ele­va­da qua­li­da­de com­pe­ti­ti­va e mu­ni­ci­ar, des­ta for­ma, as se­lec­ções na­ci­o­nais das dis­tin­tas mo­da­li­da­des, co­mo já foi ori­en­ta­do, vá­ri­as ve­zes, por des­ta­ca­das fi­gu­ras do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no.

O pro­ble­ma mai­or es­tá na di­fe­ren­ça en­tre aqui­lo que fi­ca es­ta­be­le­ci­do, nos do­cu­men­tos saí­dos dos en­con­tros, e a ma­te­ri­a­li­za­ção prá­ti­ca. Ac­tu­al­men­te, a frá­gil sus­ten­ta­ção da pi­râ­mi­de des­por­ti­va na­ci­o­nal es­tá mais ex­pos­ta, fa­ce ao fra­co de­sem­pe­nho do país na al­ta ro­da do des­por­to, com des­ta­que pa­ra as de­cep­ções re­cor­ren­tes tra­zi­das pe­lo fu­te­bol, una­ni­me­men­te re­co­nhe­ci­do co­mo des­por­to-rei.

Pe­lo fac­to de reu­nir nu­me­ro­sos pra­ti­can­tes, de to­dos os es­tra­tos so­ci­ais, a es­co­la é, ob­vi­a­men­te, a amos­tra ide­al pa­ra investimento sé­rio no fu­tu­ro do des­por­to. Po­rém, é es­sen­ci­al re­co­nhe­cer que, nos úl­ti­mos anos, a prá­ti­ca foi pre­ci­sa­men­te con­trá­ria a tu­do o que se sus­ten­ta, em te­o­ria.

E, sen­do as­sim, em 2016 e nos anos se­guin­tes, se­rá mais di­fí­cil con­cre­ti­zar as con­clu­sões do Con­se­lho Con­sul­ti­vo do Min­jud. To­man­do co­mo exem­plo o fu­te­bol, o de­sa­pa­re­ci­men­to de re­cin­tos pú­bli­cos, on­de os jo­vens pra­ti­ca­vam a mo­da­li­da­de, não irá de for­ma al­gu­ma aju­dar o de­sen­vol­vi­men­to do des­por­to escolar. A ní­vel de Luanda, dei­xa­ram de exis­tir, nos úl­ti­mos anos, cam­pos no Cas­se­quel, Bair­ro Po­pu­lar, Ca­zen­ga, Gol­fe, Lar­go 1º de Maio e mui­tos ou­tros. Nes­ses re­cin­tos, de­cor­re­ram mui­tos tor­nei­os es­co­la­res no pas­sa­do. A cons­tru­ção de im­po­nen­tes es­tá­di­os, co­mo o 11 de No­vem­bro em Luanda, Om­ba­ka em Ben­gue­la, Chi­a­zi em Ca­bin­da e Tun­da­va­la na Huíla, foi cer­ta­men­te um gran­de im­pul­so ao de­sen­vol­vi­men­to do des­por­to.

En­tre­tan­to, es­tes es­tá­di­os não subs­ti­tu­em os cam­pos de bai­xo cus­to, que pro­li­fe­ra­vam nos bair­ros. Nes­tes, os jo­vens jo­ga­vam nas ho­ras de la­zer, os mu­ní­ci­pes or­ga­ni­za­vam tor­nei­os e as es­co­las pro­mo­vi­am a prá­ti­ca do des­por­to. Em ter­mos prá­ti­cos, o país tem ago­ra in­ve­já­veis in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra o al­to ren­di­men­to, mas cor­tou as pró­pri­as pos­si­bi­li­da­des de for­mar jo­vens pa­ra atin­gi­rem es­te ele­va­do pa­ta­mar.

Cer­ta­men­te, o des­por­to escolar não se­rá pra­ti­ca­do no Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro, nem na Are­na do Kilamba. A ori­en­ta­ção do Con­se­lho Con­sul­ti­vo, pa­ra usar a cri­a­ti­vi­da­de a fim de de­sen­vol­ver o des­por­to nos mu­ni­cí­pi­os e bair­ros, fi­ca con­de­na­da à par­ti­da, por­que a imaginação, por mais fér­til que se­ja, não pro­duz ins­ta­la­ções des­por­ti­vas.

Es­tas fo­ram des­truí­das nos bair­ros e nas es­co­las, a fa­vor de in­te­res­ses alhei­os à cul­tu­ra fí­si­ca. Pa­ra en­sai­ar­mos so­lu­ções, vi­san­do tor­nar efec­ti­va a apos­ta no des­por­to escolar, a fe­de­ra­ção ora cri­a­da te­rá que co­me­çar por im­ple­men­tar a Edu­ca­ção Fí­si­ca nas es­co­las do en­si­no pri­má­rio, pe­lo me­nos, até fi­nal do pri­mei­ro ci­clo. É no se­gun­do ci­clo do en­si­no pri­má­rio que, se­gun­do a Psi­co­lo­gia da Ida­de, os alu­nos atra­ves­sam a "ida­de de ou­ro" das apren­di­za­gens mo­to­ras, ou se­ja, re­ve­lam mai­or ap­ti­dão pa­ra as­si­mi­lar con­teú­dos téc­ni­cos das dis­tin­tas dis­ci­pli­nas des­por­ti­vas.

Por is­so, se­rá ne­ces­sá­rio co­lo­car aí es­pe­ci­a­lis­tas em Edu­ca­ção Fí­si­ca, pa­ra po­ten­ci­ar a pro­gres­são téc­ni­ca dos pra­ti­can­tes. Por mais es­for­ça­dos que se­jam, os pro­fes­so­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa ou de His­tó­ria não con­se­guem, por meio de exer­cí­ci­os ela­bo­ra­dos de for­ma em­pí­ri­ca, pro­du­zir atle­tas de ex­ce­lên­cia.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA

De­sa­pa­re­ci­men­to de re­cin­tos pú­bli­cos con­tri­bui pa­ra a ine­xis­tên­cia de tor­nei­os e da prá­ti­ca da edu­ca­ção fí­si­ca nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.