Im­por­tân­cia da pa­ci­fi­ca­ção das men­tes

Jornal de Angola - - PARTADA -

Angola, cer­ca de dé­ca­da e meia após o ca­lar das ar­mas, da reconciliação na­ci­o­nal, que in­cluiu o abra­ço en­tre ir­mãos de­sa­vin­dos e o aper­to de mão a ini­mi­gos ex­ter­nos, con­ti­nua a pug­nar pe­la pa­ci­fi­ca­ção das men­tes.

Angola, ao ca­bo de mais de qua­ren­ta anos de guerra – pri­mei­ro pe­la In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, pos­te­ri­or­men­te con­tra vá­ri­os ini­mi­gos in­ter­nos e es­tran­gei­ros, to­dos eles nor­te­a­dos pe­los que am­bi­ci­o­na­vam, sem êxi­to, fa­zer do nos­so país no­vo vas­sa­lo de in­te­res­ses ne­o­co­lo­ni­ais– man­tém a apos­ta no de­sar­ma­men­to dos ci­vis.

O Go­ver­no, ao ini­ci­ar mais es­ta ba­ta­lha, sa­bia, por cir­cuns­tân­ci­as di­ver­sas, das di­fi­cul­da­des de que ela se re­ves­tia. O po­vo es­ta­va can­sa­do da guerra, mas não que­ria, não quer, a paz a qual­quer cus­to. Mui­to me­nos de­son­rar a me­mó­ria dos que tom­ba­ram nos cam­pos de ba­ta­lha, nem se­quer es­que­cer os es­tro­pi­a­dos que ela cau­sou pa­ra a pá­tria não ser es­quar­te­ja­da e fei­ta pas­to de abu­tres. Era de pre­ver, por is­so, que fos­se re­ni­ten­te a en­tre­gar as ar­mas de fo­go que, em úl­ti­ma ins­tân­cia,o de­fen­de­ram de as­sal­tan­tes de la­vras, in­cen­diá­ri­os de al­dei­as, vi­o­la­do­res de fi­lhas, com­pa­nhei­ras e mães.Além dis­so, a di­men­são ge­o­grá­fi­ca do país, com uma po­pu­la­ção mal dis­tri­buí­da em ter­mos ter­ri­to­ri­ais – ou­tra das con­sequên­ci­as das in­va­sões e dos con­fron­tos ar­ma­dos –, à par­ti­da, não fa­ci­li­ta­va a mis­são.

Os res­pon­sá­veis an­go­la­nos es­ta­vam cons­ci­en­tes des­tas si­tu­a­ções, mas tam­bém que a lu­ta ar­ma­da pe­la In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, ini­ci­a­da em Luanda ape­nas com um pu­nha­do de pa­tri­o­tas em 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961 com ata­ques a ca­dei­as pa­ra li­ber­tar pre­sos po­lí­ti­cos, cul­mi­na­ra em 11 de No­vem­bro de 1975, na mes­ma ci­da­de, com o anún­cio, “a Áfri­ca e ao Mun­do” fei­to pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te de Angola, Agos­ti­nho Ne­to, do nas­ci­men­to de um país so­be­ra­no.

Agos­ti­nho Ne­to tam­bém sa­bia na­que­la noi­te, co­mo a ge­ne­ra­li­da­de do po­vo an­go­la­no, que ti­nha si­do es­cri­to so­men­te mais um ca­pí­tu­lo da His­tó­ria e que ha­via mais de­sa­fi­os pe­la fren­te até à der­ro­ta das for­ças agres­so­ras, já en­tão no in­te­ri­or do país. A se­guir veio a reconciliação e a reconstrução que con­ti­nua a ser fei­ta e a me­re­cer elo­gi­os de to­dos os qua­dran­tes da po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal, in­clu­si­va­men­te de pes­so­as que aplau­di­ram in­va­so­res e cúm­pli­ces.

O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ao anun­ci­ar o iní­cio da cam­pa­nha de de­sar­ma­men­to de ci­vis, es­ta­va igual­men­te ci­en­te dos obs­tá­cu­los a ul­tra­pas­sar. Por exem­plo, quan­do re­ve­lou que a reconstrução do país a par­tir dos es­com­bros in­cluía de­sen­ter­rar ca­dá­ve­res dos quin­tais, jar­dins e ar­té­ri­as do Bié pa­ra lhes dar se­pul­tu­ra dig­na num ce­mi­té­rio mo­nu­men­to cons­truí­do no Cuí­to. Da mes­ma for­ma que não ig­no­ra­va as di­fi­cul­da­des quan­do op­tou pe­la des­mi­na­gem do ter­ri­tó­rio, que se man­tém, com es­pe­ci­al in­ci­dên­cia nas áre­as mais atin­gi­das pe­la guerra, co­mo pri­o­ri­da­de pa­ra a edi­fi­ca­ção de ci­da­des, vi­las, al­dei­as, ca­mi­nhos-de-fer­ro, es­tra­das e pon­tes, bem co­mo pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra.

O pro­ces­so de des­mi­na­gem é lon­go, len­to, re­quer pa­ci­ên­cia, por is­so con­ti­nua a fa­zer ví­ti­mas hu­ma­nas, mas tem con­tri­buí­do enor­me­men­te pa­ra o pro­gres­so eco­nó­mi­co e so­ci­al do país. O pro­gra­ma de re­co­lha de ar­mas de fo­go em po­der de ci­vis não é por­ven­tu­ra tão com­ple­xo, até por­que na mai­o­ria dos ca­sos são as pes­so­as que as pos­su­em, ci­en­tes dos pe­ri­gos que elas pro­por­ci­o­nam, que as en­tre­gam vo­lun­ta­ri­a­men­te ao Es­ta­do e aler­tam as au­to­ri­da­des pa­ra quem as tem e até pa­ra es­con­de­ri­jos de ar­se­nais, pro­va­vel­men­te re­ma­nes­cen­tes da guerra.

A ver­da­de é que as ar­mas, prin­ci­pal­men­te as de fo­go, em mãos de ci­vis, co­mo com­pro­vam re­la­tos pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­os paí­ses, são das mai­o­res cau­sas de cri­mes de san­gue e não ra­ro de aci­den­tes, prin­ci­pal­men­te com cri­an­ças.

Bem po­dem os seus por­ta­do­res, mes­mo com li­cen­ças pas­sa­das por au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes, ar­gu­men­ta­rem que ape­nas se ser­vem de­las pa­ra ca­ça ou de­fe­sa pes­so­al e ju­ra­rem, “por to­dos os san­tos e mais um”, que as têm em lu­gar se­gu­ro, que con­ti­nuo a pen­sar que as ar­mas de­vem es­tar nas mãos dos que as usam pro­fis­si­o­nal­men­te. Quem na ver­da­de po­de ga­ran­tir de boa-fé que em mo­men­to de des­va­rio não lhes dá ou­tro uso? E que ami­go ou pa­ren­te, prin­ci­pal­men­te cri­an­ças, me­nos afei­tos a elas, “pa­ra ver co­mo é”, não as dis­pa­ra inad­ver­ti­da­men­te com con­sequên­ci­as ne­fas­tas?

A cam­pa­nha de de­sar­ma­men­to dos ci­vis po­de du­rar mais do que o de­se­já­vel, mas tem de pros­se­guir e sem abran­dar. Por ela pas­sa a pa­ci­fi­ca­ção das men­tes e, tão im­por­tan­te co­mo is­so, a al­te­ra­ção de men­ta­li­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.