Ta­xa de in­fla­ção abran­da em Agos­to

PRE­ÇOS QUEBRAM O ÍMPETO Da­dos apon­tam a Lun­da Nor­te co­mo a pro­vín­cia com mai­or en­ca­re­ci­men­to

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­DA­LE­NA JO­SÉ |

A ta­xa de in­fla­ção, me­di­da pe­lo Ín­di­ce de Pre­ços no Con­su­mi­dor Na­ci­o­nal (IPCN), abran­dou em Agos­to pa­ra 3,31 por cen­to, de­pois de, em Ju­lho, ter atin­gi­do os 4,26 por cen­to, anun­ci­ou o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) nu­ma no­ta de im­pren­sa.

Em to­do o país, as su­bi­das fo­ram li­de­ra­das pe­las pro­vín­ci­as da Lun­da Nor­te (4,67 por cen­to), Cu­an­za Nor­te (4,44) e Cu­an­za Sul (4,37), en­quan­to as da Huíla (2,65), Cu­ne­ne (2,96) e de Ben­gue­la (2,99) re­gis­ta­ram au­men­tos me­no­res.

O Ín­di­ce de Pre­ços no Con­su­mi­dor (IPC) de Luanda re­gis­tou au­men­tos nas clas­ses “Ali­men­ta­ção e be­bi­das não al­coó­li­cas”, com 4,65 por cen­to, “Saú­de”, com 4,30, “Bens e ser­vi­ços di­ver­sos”, com 3,95 e no “La­zer, re­cre­a­ção e cul­tu­ra”, com 3,84.

Os pre­ços em Luanda su­bi­ram 38,18 por cen­to nos úl­ti­mos 12 me­ses, ob­ser­van­do má­xi­mos his­tó­ri­cos, si­tu­a­dos aci­ma dos 11 por cen­to pre­vis­tos pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra o côm­pu­to de 2016 na re­vi­são or­ça­men­tal de Agos­to.

Es­ta­tís­ti­ca pa­ra jor­na­lis­tas

O INE em­pre­ga o equi­va­len­te a qua­tro mil dó­la­res (aci­ma de 660 mil kwan­zas) por mês, pa­ra re­a­li­zar os inqué­ri­tos do IPC, re­ve­lou on­tem, em Luanda, o di­rec­tor-ge­ral des­ses ser­vi­ços, Ca­mi­lo Cei­ta, num seminário pro­mo­vi­do pe­lo

Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca di­vul­gou inqué­ri­tos do Ín­di­ce de Pre­ços no Con­su­mi­dor e da­dos da re­du­ção da ta­xa de in­fla­ção em Agos­to

INE so­bre “Es­ta­tís­ti­cas eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras” di­ri­gi­do a pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al.

O di­rec­tor-ge­ral in­for­mou que o va­lor é em­pre­gue na com­pra de gas­tá­veis, com­bus­tí­vel e me­ren­da pa­ra os in­qui­ri­do­res que, men­sal­men­te, re­co­lhem in­for­ma­ção so­bre 15 mil pro­du­tos, só em Luanda. “Fa­zer es­ta­tís­ti­ca em qual­quer par­te do mun­do é ca­ro e, em Angola, pa­ra o IPC, gas­ta­mos o equi­va­len­te a qua­tro mil dó­la­res” por mês, re­fe­riu Ca­mi­lo Cei­ta.

Acres­cen­tou que as con­tas na­ci­o­nais tam­bém in­clu­em uma sé­rie de inqué­ri­tos so­ci­ais com or­ça­men­tos mui­tas ve­zes ele­va­dos, por­que é ne­ces­sá­rio dis­por de con­di­ções pa­ra a re­co­lha de in­for­ma­ções.

O seminário de “Es­ta­tís­ti­cas eco­nó­mi­cas fi­nan­cei­ras”, dis­se Ca­mi­lo Cei­ta, é ne­ces­sá­rio apa­ra es­cla­re­cer os jor­na­lis­tas so­bre as nu­an­ces das aná­li­ses que qua­se sem­pre re­flec­tem uma in­for­ma­ção com­ple­xa, atra­vés de nú­me­ros co­mo os do co­mér­cio ex­ter­no, con­tas na­ci­o­nais e fi­chei­ro das em­pre­sas.

Os jor­na­lis­tas re­ce­be­ram no­ções so­bre te­mas co­mo “A de­fi­ni­ção dos prin­ci­pais con­cei­tos e in­di­ca­do­res bá­si­cos pa­ra o cál­cu­lo do IPC”, “Ín­di­ce dos pre­ços dos gros­sis­tas”, “Con­tas na­ci­o­nais” e “Es­ta­tís­ti­cas do fi­chei­ro de uni­da­des em­pre­sa­ri­ais”.

“Com es­te seminário, es­ta­mos a abrir as por­tas à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”, de­cla­rou no seminário o di­rec­tor-ge­ral do INE.

DO­MIN­GOS CA­DÊN­CIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.