Isa­bel dos San­tos e a sua vi­são so­bre a So­nan­gol

Jornal de Angola - - OPINIÃO - EU­GÉ­NIO GU­ER­REI­RO |

A en­ge­nhei­ra Isa­bel dos San­tos con­ce­deu re­cen­te­men­te uma en­tre­vis­ta ao ca­nal CNBC, ao que tu­do in­di­ca à mar­gem de um even­to em que par­ti­ci­pou em Itá­lia. A pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol apro­vei­tou a oca­sião pa­ra apre­sen­tar a sua vi­são e es­tra­té­gia so­bre os de­sa­fi­os do seu con­su­la­do.

A So­nan­gol é um ver­da­dei­ro co­los­so em Áfri­ca, sen­do mes­mo con­si­de­ra­da em al­guns ran­kings a se­gun­da mai­or com­pa­nhia do con­ti­nen­te. Ora, no to­can­te ao es­sen­ci­al do seu co­re bu­si­ness, a com­pa­nhia pre­ci­sa de, ur­gen­te­men­te, pro­mo­ver al­guns ajus­ta­men­tos. E foi is­so que Isa­bel dos San­tos rei­te­rou na sua en­tre­vis­ta. Is­to é, pre­ci­sa­mos de olhar pa­ra a es­tru­tu­ra dos cus­tos de pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra em Angola e pro­cu­rar per­ce­ber que as­pec­tos en­ca­re­cem o cost oil na­ci­o­nal.

Cer­ta­men­te, as equi­pas na­ci­o­nais e com o su­por­te de es­pe­ci­a­lis­tas in­ter­na­ci­o­nais te­rão mais ca­pa­ci­da­des e mai­o­res apor­tes pa­ra en­con­trar o pro­ble­ma e a so­lu­ção que, pe­lo que dis­se e os re­sul­ta­dos que apresentou, en­con­tram-se já em mar­cha. To­da­via, al­guns ob­ser­va­do­res cha­mam a nos­sa aten­ção pa­ra três as­pec­tos:

O pri­mei­ro é o fac­tor hu­ma­no. Ou se­ja, é im­pe­ri­o­so que a So­nan­gol olhe pa­ra os qua­dros na­ci­o­nais, mui­tos de­les for­ma­dos a su­as ex­pen­sas nas me­lho­res es­co­las da Eu­ro­pa, Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e Áfri­ca do Sul, e os re­qua­li­fi­que, cri­te­ri­o­sa­men­te, pa­ra um mai­or en­ga­ja­men­to no sec­tor. A in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra é co­nhe­ci­da por exi­gir ca­da vez me­nos mão-de-obra, mas, em con­tra­par­ti­da, es­ta de­ve ser al­ta­men­te qua­li­fi­ca­da, o que não é, em par­te, a nos­sa re­a­li­da­de. Em ri­gor, o es­que­ci­do pro­gra­ma de an­go­la­ni­za­ção de­ve sair das ga­ve­tas pois, pa­ra além do con­tri­bu­to so­ci­al e eco­nó­mi­co dos fun­ci­o­ná­ri­os an­go­la­nos, os ex­pa­tri­a­dos re­pre­sen­tam tam­bém uma for­ça sig­ni­fi­ca­ti­va no au­men­to do cost oil an­go­la­no.

Por ou­tro la­do, há uma com­po­nen­te do for­ne­ci­men­to de bens e ser­vi­ços que de­ve obe­de­cer à ló­gi­ca do con­teú­do lo­cal. Ou se­ja, os bens e ser­vi­ços que abas­te­cem a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra de­vem ser, pri­vi­le­gi­a­da­men­te, na­ci­o­nais. É po­rém ver­da­de que o mer­ca­do na­ci­o­nal nem sem­pre dis­põe de ca­pa­ci­da­de in­ter­na pa­ra o fa­zer, mas aí de­ve­mos olhar pa­ra o pro­gra­ma de di­ver­si­fi­ca­ção e in­dus­tri­a­li­za­ção na ló­gi­ca des­te sec­tor. No fun­do, o Es­ta­do de­ve pro­mo­ver uma po­lí­ti­ca con­sis­ten­te de de­sen­vol­vi­men­to do con­teú­do lo­cal que se­ja su­fi­ci­en­te­men­te com­pe­ti­ti­va e agre­ga­do­ra de va­lor fa­ce à es­tra­té­gia de re­du­ção de cus­tos.

Aqui tal­vez re­si­da o bu­sí­lis da ques­tão. No fun­do, o sec­tor que re­pre­sen­ta a mai­or fon­te de re­cei­tas do Es­ta­do po­de tam­bém ser­vir co­mo pa­ra­dig­ma de com­pli­an­ce e éti­ca. Há um tra­ba­lho de fun­do a ser fei­to nos pro­ces­sos de li­ci­ta­ção, pro­mo­ven­do a sua trans­pa­rên­cia. As em­pre­sas se­lec­ci­o­na­das pa­ra o for­ne­ci­men­to de bens e ou a pres­ta­ção de ser­vi­ço – pres­ta­do­ras na lin­gua­gem da in­dús­tria –, de­vem ser se­lec­ci­o­na­das com con­cur­sos pú­bli­cos ver­da­dei­ros e que pro­mo­vam a con­cor­rên­cia, com ga­nhos de es­ca­la pa­ra o sec­tor, na me­di­da em que, aí sim, te­re­mos uma que­da dos pre­ços e mai­or lu­cra­ti­vi­da­de pa­ra a em­pre­sa e, con­se­quen­te­men­te, pa­ra o Es­ta­do. A re­du­ção do cus­to de pe­tró­leo dos 14 pa­ra os 10 dó­la­res por bar­ril per­mi­te que ha­ja uma pro­mo­ção do investimento em no­vos pro­jec­tos que se en­con­tram com­pro­me­ti­dos des­de que eclo­diu a cri­se em fi­nais de 2014.

Com uma vi­são su­fi­ci­en­te­men­te cla­ra, Isa­bel dos San­tos, ao con­trá­rio do que di­zem al­guns dos po­lí­ti­cos e ana­lis­tas de meia-ti­ge­la, é mais do que a fi­lha do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Isa­bel dos San­tos é um ver­da­dei­ro ca­so de su­ces­so em­pre­sa­ri­al, do­na de um in­vul­gar es­pí­ri­to de em­pre­en­de­do­ris­mo e ca­pa­ci­da­de de li­de­ran­ça, par­ti­ci­pan­do ac­ti­va­men­te na ges­tão do seu con­glo­me­ra­do em­pre­sa­ri­al. É evi­den­te que o bom ges­tor tra­ba­lha em equi­pa e acre­di­ta­mos que es­ta fi­lo­so­fia é tam­bém se­gui­da na So­nan­gol. Is­so mes­mo o di­zem to­dos os que têm o pri­vi­lé­gio e a opor­tu­ni­da­de de com ela tra­ba­lhar di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te. A sua de­di­ca­ção ao tra­ba­lho su­pe­ra He­fes­to, não pou­pan­do es­for­ços e sa­cri­fí­ci­os pa­ra con­se­guir as vi­tó­ri­as com que nos brin­da. E não sem sur­pre­sa, che­gam-nos no­tí­ci­as do qu­an­to os tra­ba­lha­do­res da So­nan­gol sen­tem si­nais no­vos com a sua pre­sen­ça. Pa­ra ela, o que con­ta é o tra­ba­lho e o mé­ri­to das pes­so­as.

In­te­li­gen­te e cul­ta, Isa­bel dos San­tos re­ve­lou ain­da, na mes­ma en­tre­vis­ta, que tem um pro­fun­do co­nhe­ci­men­to da eco­no­mia afri­ca­na e as­su­me-se com olhar prag­má­ti­co so­bre o fu­tu­ro de Áfri­ca. Ela acre­di­ta que o con­ti­nen­te dis­põe de um gran­de po­ten­ci­al pa­ra in­ver­ter o qua­dro ac­tu­al em ter­mos de de­sen­vol­vi­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.