800 mil elei­to­res fi­ze­ram o re­gis­to

Efec­ti­vo da Po­lí­cia elu­ci­da­do so­bre as com­pe­tên­ci­as do Exe­cu­ti­vo no pro­ces­so

Jornal de Angola - - PORTADA -

Cer­ca de 800 mil ci­da­dãos em to­do o país já ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos elei­to­rais, des­de o ar­ran­que do pro­ces­so, a 25 de Agos­to, in­di­cam da­dos re­ve­la­dos on­tem pe­lo Ministério da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio (MAT). De acor­do com os mes­mos da­dos, a que o Jor­nal de An­go­la te­ve aces­so, do to­tal de ci­da­dãos que ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos, 250 mil re­si­dem em Lu­an­da. Um co­mu­ni­ca­do do MAT re­fe­re que, em me­nos de um mês, o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral se­gue em rit­mo ace­le­ra­do, com a pre­sen­ça de um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de ci­da­dãos nos pos­tos ins­ta­la­dos em vá­ri­os pon­tos do país.

Cer­ca de 800 mil ci­da­dãos em to­do o país já ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos elei­to­rais, des­de o ar­ran­que do pro­ces­so, a 25 de Agos­to, in­di­cam da­dos re­ve­la­dos on­tem pe­lo Ministério da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio (MAT).

De acor­do com os mes­mos da­dos, a que o Jor­nal de An­go­la te­ve aces­so, do to­tal de ci­da­dãos que ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos, 250 mil re­si­dem em Lu­an­da. Um co­mu­ni­ca­do do MAT re­fe­re que, em me­nos de um mês, o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral se­gue em rit­mo ace­le­ra­do, com a pre­sen­ça de um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de ci­da­dãos nos pos­tos ins­ta­la­dos em vá­ri­os pon­tos do país.

Pa­ra elu­ci­dar al­guns as­pec­tos li­ga­dos ao pro­ces­so de “pro­va de vi­da”, o Ministério do In­te­ri­or or­ga­ni­zou on­tem uma pa­les­tra em que foi prin­ci­pal ora­dor o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os As­sun­tos Ins­ti­tu­ci­o­nais e Elei­to­rais do Ministério da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Adão de Al­mei­da.

O re­gis­to ofi­ci­o­so é uma com­pe­tên­cia do Po­der Exe­cu­ti­vo e “não é uma ta­re­fa emi­nen­te­men­te elei­to­ral, pois não exis­te es­pa­ço pa­ra su­pos­tas usur­pa­ções de com­pe­tên­ci­as do Exe­cu­ti­vo em re­la­ção à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE)”. Com es­sa afir­ma­ção, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do res­pon­de à opo­si­ção que con­si­de­ra que o Exe­cu­ti­vo, atra­vés do MAT, es­tá a re­ti­rar a com­pe­tên­cia à CNE na con­du­ção do re­gis­to elei­to­ral.

“O re­gis­to ofi­ci­o­so é da com­pe­tên­cia do MAT, por ser um ac­to de ci­da­da­nia, de iden­ti­fi­ca­ção do ci­da­dão, e não é um ac­to ti­pi­ca­men­te elei­to­ral”, es­cla­re­ceu Adão de Al­mei­da, an­tes de lem­brar que a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca vai trans­fe­rir pa­ra a CNE to­dos os da­dos dos ci­da­dãos que ac­tu­a­li­zem a sua re­si­dên­cia.

A Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, dis­se, é um ór­gão que aguar­da pe­los da­dos dos ci­da­dãos com mais de 18 anos pa­ra pre­pa­rar o ac­to elei­to­ral. “O re­gis­to ofi­ci­o­so tem na­tu­re­za de pro­va de vi­da e é obri­ga­tó­rio pa­ra to­dos os ci­da­dãos com mais de 18 anos, que de­vem ir a um pos­to de re­gis­to pa­ra a regularização dos seus da­dos pa­ra que, pos­te­ri­or­men­te, se­jam trans­fe­ri­dos à CNE”, es­cla­re­ceu. O re­gis­to pre­sen­ci­al, su­bli­nhou, é a ma­ni­fes­ta­ção do ci­da­dão em ir a um pos­to de re­gis­to elei­to­ral pa­ra es­tar ha­bi­li­ta­do ao ac­to elei­to­ral de 2017.

Adão de Al­mei­da ad­mi­tiu que, ho­je, há mais ci­da­dãos mai­o­res com car­tão de elei­tor do que com o bilhete de iden­ti­da­de. “Es­te é um aler­ta pa­ra o fac­to de ain­da não es­ta­rem reunidas as con­di­ções pa­ra o re­gis­to fei­to ex­clu­si­va­men­te a par­tir da ba­se de da­dos do bilhete de iden­ti­da­de”, re­fe­riu.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do re­al­çou que se o re­gis­to fos­se ex­clu­si­va­men­te à ba­se do bilhete de iden­ti­da­de, aque­les ci­da­dãos des­pro­vi­dos do mes­mo fi­ca­ri­am de fo­ra do pro­ces­so elei­to­ral. “A lei faz uma op­ção: en­quan­to não es­ti­ve­rem reunidas as con­di­ções pa­ra o re­gis­to ofi­ci­o­so, po­de ha­ver re­gis­to pre­sen­ci­al”, es­cla­re­ceu.

Adão de Al­mei­da, que fez uma re­tros­pec­ti­va dos pro­ces­sos an­te­ri­o­res, des­ta­cou a im­por­tân­cia do re­gis­to elei­to­ral que ter­mi­na a 31 de Mar­ço, com a en­tre­ga do Fi­chei­ro In­for­má­ti­co dos Ci­da­dãos Mai­o­res de 18 anos e a res­pec­ti­va re­si­dên­cia à Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral.

O co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, co­mis­sá­rio-ge­ral Am­bró­sio de Lemos, ape­lou a to­dos os efec­ti­vos da cor­po­ra­ção pa­ra que cum­pram o seu de­ver de ci­da­da­nia de par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te no pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral. Além dis­so, lem­brou, a Po­lí­cia Na­ci­o­nal tem a obri­ga­ção de man­ter a or­dem du­ran­te to­do o pro­ces­so elei­to­ral.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or, Ân­ge­lo Ta­va­res, re­a­fir­mou quar­ta-fei­ra em Lu­an­da que es­tão ga­ran­ti­das as con­di­ções de se­gu­ran­ça das fa­ses do pro­ces­so de re­gis­to pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções ge­rais tran­qui­las em 2017. Na pa­les­tra de on­tem par­ti­ci­pa­ram ofi­ci­ais co­mis­sá­ri­os, su­pe­ri­o­res, su­bal­ter­nos e agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

Zai­re

O che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral ad­jun­to pa­ra a Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, Egí­dio Sou­sa San­tos, en­co­ra­jou on­tem em Mban­za Con­go, pro­vín­cia do Zai­re, os efec­ti­vos da 2ª Di­vi­são de In­fan­ta­ria das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas a ade­ri­rem em mas­sa aos pos­tos de re­gis­to elei­to­ral, pa­ra ac­tu­a­li­za­ção dos da­dos.

O ge­ne­ral, que fa­la­va com a tro­pa em pa­ra­da, no qua­dro da sua vi­si­ta de 48 ho­ras à uni­da­de da 2ª Di­vi­são de In­fan­ta­ria das FAA, lem­brou que uma das pri­o­ri­da­des ac­tu­ais do país é a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, vi­san­do as elei­ções ge­rais pre­vis­tas pa­ra 2017.

Nes­te pro­ces­so, dis­se, os mi­li­ta­res par­ti­ci­pam por­que a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca ga­ran­te o di­rei­to de exer­cí­cio de vo­to a to­dos os ci­da­dãos na­ci­o­nais em ple­no go­zo dos di­rei­tos. Egí­dio San­tos lem­brou que os mi­li­ta­res per­ten­cem a uma ins­ti­tui­ção hi­e­rar­qui­za­da que ob­ser­va prin­cí­pi­os e va­lo­res pa­trió­ti­cos e de iden­ti­da­de na­ci­o­nal.

Cu­an­do Cu­ban­go

Os pro­fes­so­res de vá­ri­os sub­sis­te­mas de en­si­no no mu­ni­cí­pio de Me­non­gue, se­de da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, pro­ce­de­ram on­tem à sua pro­va de vi­da atra­vés da ac­tu­a­li­za­ção dos seus da­dos elei­to­rais.

O ac­to sim­bó­li­co acon­te­ceu na Es­co­la de For­ma­ção de Pro­fes­so­res “Mwe­ne Vu­non­gue”, tes­te­mu­nha­do pe­lo di­rec­tor pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Ci­ên­ci­as e Tec­no­lo­gia, Mi­guel Ca­nhi­me, que tam­bém efec­tu­ou a ac­tu­a­li­za­ção dos seus da­dos.

Mi­guel Ca­nhi­me dis­se ser im­por­tan­te que os pro­fes­so­res ac­tu­a­li­zem os seus da­dos elei­to­rais por cons­ti­tuí­rem o mai­or nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res na fun­ção pú­bli­ca no Cu­an­do Cu­ban­go, com mais de cin­co mil tra­ba­lha­do­res.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al afir­mou que a men­sa­gem da ne­ces­si­da­de de to­dos os pro­fes­so­res dos no­ve mu­ni­cí­pi­os do Cu­an­do Cu­ban­go efec­tu­a­rem a ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral foi trans­mi­ti­da e aco­lhi­da com res­pon­sa­bi­li­da­de.

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os As­sun­tos Ins­ti­tu­ci­o­nais e Elei­to­rais fa­lou on­tem so­bre al­guns as­pec­tos do pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.