De­fen­der os ide­ais de Ne­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Ce­le­bra-se ho­je em to­do o país o Dia do He­rói Na­ci­o­nal, da­ta ha­bi­tu­al­men­te apro­vei­ta­da pa­ra uma pro­fun­da re­fle­xão so­bre a vi­da e a obra do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la.

Sob o le­ma “Com co­nhe­ci­men­tos de Ne­to di­ver­si­fi­que­mos a eco­no­mia na­ci­o­nal”, as co­me­mo­ra­ções des­te ano de­ve­rão ser­vir, so­bre­tu­do, pa­ra a exal­ta­ção da iden­ti­da­de na­ci­o­nal co­mo pres­su­pos­to es­sen­ci­al pa­ra ven­cer os de­sa­fi­os que nos se­pa­ram do triun­fo so­bre as vi­cis­si­tu­des que re­sul­tam de uma con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal par­ti­cu­lar­men­te des­fa­vo­rá­vel.

Agos­ti­nho Ne­to con­ti­nua a ser ho­je uma fi­gu­ra de re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel, tan­to na exal­ta­ção dos va­lo­res na­ci­o­nais co­mo no le­ga­do po­lí­ti­co e cul­tu­ral que fa­zem de An­go­la um país on­de a in­clu­são so­ci­al vence as bar­rei­ras com que al­guns, tei­mo­sa­men­te, ain­da nos ten­tam di­vi­dir.

De­fen­der os ide­ais de Ne­to é ape­lar à co­e­são na­ci­o­nal pa­ra a ár­dua ta­re­fa de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, sem­pre ten­do por ob­jec­ti­vo me­lhor ser­vir os in­te­res­ses do po­vo, mo­der­ni­zan­do o país e me­lho­ran­do a sua qua­li­da­de de vi­da.

No ac­to cen­tral, que de­cor­re­rá na be­lís­si­ma ci­da­de de Mban­za Con­go, se­rão mais uma vez re­cor­da­dos to­dos os es­for­ços co­man­da­dos por Agos­ti­nho Ne­to pa­ra que An­go­la se pu­des­se tor­nar um país li­vre e in­de­pen­den­te ca­paz de di­ri­gir com ri­gor os seus pró­pri­os des­ti­nos.

Es­se ri­gor e es­sa ca­pa­ci­da­de que ao lon­go dos anos tem nor­te­a­do a ac­ção go­ver­na­ti­va e que per­mi­ti­ram ul­tra­pas­sar dé­ca­das de guer­ras que atra­sa­ram, pre­ci­sa­men­te, o cum­pri­men­to da­qui­lo que eram os gran­des ob­jec­ti­vos re­flec­ti­dos nos ide­ais de Agos­ti­nho Ne­to.

Ao lon­go dos anos a obra de Agos­ti­nho Ne­to tem si­do de­vi­da­men­te su­bli­nha­da por to­da a Na­ção, sen­do dis­so pro­va a for­ma en­tu­si­as­ta co­mo o po­vo acor­re a to­das as re­a­li­za­ções que ser­vem pa­ra re­cor­dar e ho­me­na­ge­ar o pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la.

Tam­bém a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal é su­bli­nha­da a im­por­tân­cia de Agos­ti­nho Ne­to pa­ra a in­de­pen­dên­cia de mui­tos paí­ses afri­ca­nos e enal­te­ci­do o mo­do co­mo An­go­la o pres­ti­gia ven­do ne­le a im­por­tan­te fi­gu­ra de fun­da­dor da na­ção. Agos­ti­nho Ne­to sa­cri­fi­cou a sua ju­ven­tu­de pe­la de­fe­sa dos in­te­res­ses na­ci­o­nais e mul­ti­pli­cou as su­as ac­ções na do­mí­nio da po­lí­ti­ca, da cul­tu­ra e da ci­ên­cia.

O res­pei­to e o te­mor que de­le ti­nha o en­tão re­gi­me co­lo­ni­al, le­va­ram-no por vá­ri­as ve­zes à ca­deia e ao exí­lio, on­de re­ve­lou to­da a sua ca­pa­ci­da­de de li­de­ran­ça da­qui­lo que fo­ram as for­ças que vi­ri­am a pro­cla­mar a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

In­fe­liz­men­te, pou­co mais de qua­tro anos vol­vi­dos so­bre a cé­le­bre de­cla­ra­ção de “pe­ran­te Áfri­ca e o Mun­do, de­cla­ro a in­de­pen­dên­cia de An­go­la”, mais pre­ci­sa­men­te a 10 de Se­tem­bro de 1979, Agos­ti­nho Ne­to vi­ria a fa­le­cer co­lo­can­do o país mer­gu­lha­do num mar de dú­vi­das so­bre a for­ma co­mo iria pro­gre­dir.

O país en­lu­ta­do sou­be unir-se e es­co­lher pa­ra seu lí­der Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, aque­le que o pró­prio Agos­ti­nho Ne­to já ha­via in­di­ca­do pa­ra de­sem­pe­nhar car­gos da mais ele­va­da res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e go­ver­na­ti­va e que o ha­via acom­pa­nha­do na lu­ta clan­des­ti­na contra o in­va­sor co­lo­ni­a­lis­ta.

Bem se po­de di­zer, com al­gum ri­gor, que os ver­da­dei­ros ide­ais de Ne­to nor­te­a­ram sem­pre a go­ver­na­ção na­ci­o­nal ten­do em con­ta a re­a­li­da­de de épo­cas e de vi­vên­ci­as di­fe­ren­tes.

Aliás, é ab­so­lu­ta­men­te se­gu­ro de que se Agos­ti­nho Ne­to ain­da fos­se vi­vo e ti­ves­se po­de­res de go­ver­na­ção não to­ma­ria de­ci­sões mui­to di­fe­ren­tes da­que­las que têm vin­do a ser to­ma­das.

É evi­den­te que al­guns não gos­tam de­le e ata­cam-no co­bar­de­men­te re­cor­ren­do aos ar­qui­vos dos seus al­go­zes, so­bre­tu­do aque­les a quem ele co­lo­cou no de­vi­do lu­gar por se­rem pes­so­as im­buí­das de am­bi­ções pes­so­ais e que na­da ti­nham a ver com os ide­ais de um po­vo que que­ria ser do­no do seu pró­prio fu­tu­ro e li­vre da bo­ta car­da­da de um po­der mi­li­tar e to­ta­li­tá­rio as­fi­xi­an­te que via nos paí­ses afri­ca­nos me­ros es­pa­ços de pro­du­ção de uma ri­que­za que que­ri­am abo­ca­nhar, fos­se a que pre­ço fos­se.

A sua fi­gu­ra de ho­mem da cul­tu­ra ain­da ho­je é uma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal e ob­jec­to de es­tu­do nal­guns cír­cu­los in­ter­na­ci­o­nais que lhe re­co­nhe­cem o mé­ri­to de ter si­do um ho­mem de ide­ais to­tal­men­te en­tre­gue à lu­ta de li­ber­ta­ção do con­ti­nen­te afri­ca­no.

Re­cor­dar Ne­to, mais do que um ac­to de ci­da­da­nia, de­ve­rá ser en­ca­ra­do co­mo uma for­ma de exal­ta­ção na­ci­o­nal, uma es­pé­cie de vi­ta­mi­na on­de se vão bus­car mais for­ças pa­ra o es­for­ço que to­dos nós de­ve­re­mos fa­zer pa­ra dar­mos o nos­so con­tri­bu­to pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, passo de­ci­si­vo pa­ra a vi­tó­ria so­bre mais es­te mo­men­to di­fí­cil do país.

Nes­ta ho­ra de ho­me­na­ge­ar Agos­ti­nho Ne­to, uma re­fe­rên­cia pa­ra la­men­tar a mor­te de Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra, um seu ca­ma­ra­da que com ele lu­tou pa­ra a eman­ci­pa­ção de An­go­la.

João Soares e o Em­bai­xa­dor

Sou ci­da­dão por­tu­guês. As­sis­ti ao pro­gra­ma da RTP1 com João Soares e o se­nhor em­bai­xa­dor iti­ne­ran­te de An­go­la. Ti­nha pen­sa­do que An­go­la não de­ve­ria acei­tar, pois João Soares, foi co­la­bo­ra­dor e

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.