CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - HÉL­DER OLI­VEI­RA | AMÉRICO BRAN­DÃO | SA­MU­EL PEDRO |

Po­e­ma de­di­ca­do a Ne­to

O ob­jec­ti­vo des­ta car­ta é en­vi­ar um po­e­ma que de­di­quei ao sau­do­so Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to por oca­sião das co­me­mo­ra­ções de mais um ani­ver­sá­rio do seu fa­le­ci­men­to.

O po­e­ma já foi pu­bli­ca­do on­tem na In­ter­net, em dois si­tes de po­e­mas em lín­gua Por­tu­gue­sa. Gos­ta­ria, se pos­sí­vel, que o mes­mo fos­se tam­bém pu­bli­ca­do no Jor­nal de An­go­la. O po­e­ma é o se­guin­te:

“Ao ilus­tre po­e­ta uni­ver­sal, pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la e he­rói na­ci­o­nal – Dr. António Agos­ti­nho Ne­to / He­rói-Po­e­ta-Pre­si­den­te que te apar­tas­te / Do con­ví­vio nos­so tão de­pres­sa / Que se imor­ta­li­ze nes­sa pres­sa / A imen­si­dão da obra que cri­as­te / Par­tis­te... mas nes­se par­tir não su­fo­cas­te / A gran­de voz que a ro­ta nos pro­fes­sa / E a am­pli­dão do ca­ris­ma que não ces­sa / De ins­pi­rar a Pá­tria que fun­das­te / A Na­ção in­tei­ra ter-te-á nos pen­sa­men­tos / E o teu no­me so­a­rá nos bons mo­men­tos / Co­mo a mais ra­ra re­lí­quia e a mais pu­ra / E na­que­las ho­ras de amar­gos so­fri­men­tos / Se­rão os teus ver­sos os nos­sos con­ten­ta­men­tos... / Ah! Se­rás sem­pre um dia em noi­te es­cu­ra!”

Obri­ga­do pe­la vos­sa aten­ção. apoi­an­te do no­jen­to e cri­mi­no­so re­gi­me de apartheid na Áfri­ca do Sul, com fo­tos fa­mo­sas da sua pre­sen­ça (avião caí­do) em ter­ri­tó­rio in­va­di­do de An­go­la! Mas re­co­nhe­ço que o se­nhor em­bai­xa­dor fez bem, de na TV des­mas­ca­rar um do­en­te ra­cis­ta e an­ti-an­go­la­no que a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos por­tu­gue­ses re­jei­ta e que re­pre­sen­ta um di­mi­nuí­do e ana­cró­ni­co clã de do­en­tes, mas li­ga­dos a in­te­res­ses, não éti­cos ou po­lí­ti­cos imo­rais.

Ava­li­a­ção de di­ri­gen­tes

Nos di­as de ho­je con­ti­nu­a­mos a con­fun­dir os car­gos pú­bli­cos pa­ra be­ne­fí­cio pes­so­al e não pa­ra o be­ne­fí­cio da Na­ção ou co­mo ser­vi­dor pú­bli­co. Is­to acon­te­ce por­que há maus exem­plos de al­guns di­ri­gen­tes e fal­ta uma ges­tão apro­pri­a­da e fal­ta ava­li­a­ção do de­sem­pe­nho ori­en­ta­da pa­ra re­sul­ta­dos, des­cen­tra­li­za­ção, in­tro­du­ção de me­ca­nis­mos de com­pe­ti­ção, fal­ta de fo­ca­li­za­ção no cli­en­te e ne­ces­si­da­de de exis­tir uma se­pa­ra­ção en­tre a po­lí­ti­ca e a ad­mi­nis­tra­ção.

Re­cor­do a cha­ma­da de aten­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca quan­do dis­se que “ao sair­mos des­te VII Con­gres­so or­di­ná­rio do MPLA com es­ta boa dis­po­si­ção, com von­ta­de de ir pa­ra fren­te e re­a­li­zar os nos­sos ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos e os ob­jec­ti­vos ime­di­a­tos, tam­bém que­ro pe­dir tam­bém con­tí­nua le­al­da­de aos prin­cí­pi­os, aos ob­jec­ti­vos de­fi­ni­dos pe­lo Par­ti­do, dis­ci­pli­na, mui­ta dis­ci­pli­na, for­ça e res­pei­to pe­las ori­en­ta­ções di­ma­na­das dos ór­gãos su­pe­ri­o­res, res­pei­to na re­la­ção com o po­vo, com o ci­da­dão, por­que afi­nal nós es­ta­mos aqui, mui­tas ve­zes em car­gos de gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de, por­que so­mos ser­vi­do­res, pa­ra ser­vir a Na­ção, pa­ra ser­vir o Po­vo, e não apro­vei­tar­mos ape­nas dos nos­sos car­gos pa­ra nos ser­vir­mos”.

O po­vo an­go­la­no es­pe­ra que os di­ri­gen­tes aca­tem es­ta le­gí­ti­ma cha­ma­da de aten­ção doP­re­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Su­gi­ro, co­mo es­tu­di­o­so, con­sul­tor e pa­les­tran­te em ma­té­ria de ges­tão de pes­so­as e for­ma­do na área, que se im­ple­men­te um va­li­o­so ins­tru­men­to de ava­li­a­ção de de­sem­pe­nho dos di­ri­gen­tes, mui­to usa­do nas ins­ti­tui­ções que es­tão con­ti­nu­a­men­te a en­si­nar e ins­ti­tui­ções de su­ces­so.

Tra­ta-se da ava­li­a­ção a 360%, que per­mi­te a ava­li­a­ção do fun­ci­o­ná­rio por to­dos à sua vol­ta, co­mo su­pe­ri­o­res, su­bor­di­na­dos, pres­ta­do­res de ser­vi­ços, cli­en­tes e pe­lo pró­prio ava­li­a­do. Es­te mé­to­do, mui­to uti­li­za­do pe­las em­pre­sas, tem co­mo pro­pó­si­to com­pre­en­der as de­fi­ci­ên­ci­as do fun­ci­o­ná­rio e au­xi­li­ar na evo­lu­ção das su­as com­pe­tên­ci­as fun­da­men­tais, sen­do uma im­por­tan­te fer­ra­men­ta da ges­tão es­tra­té­gi­ca de pes­so­as.

Com a sua im­ple­men­ta­ção pe­los nos­sos ac­tu­ais e fu­tu­ros di­ri­gen­tes po­de­re­mos ter uma An­go­la prós­pe­ra, or­gu­lho­sa, re­pu­ta­da e atrair mais qua­dros e in­ves­ti­men­tos. A ava­li­a­ção se­rá fei­ta de for­ma me­ri­to­crá­ti­ca, ho­nes­ta, fran­ca, de­mo­crá­ti­ca, de­sa­pai­xo­na­da e dis­tan­te de qual­quer ví­cio que ve­nha a pôr em cau­sa a ima­gem das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas ou pri­va­das do nos­so País.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.