Bru­xe­las ana­li­sa ris­co de frag­men­ta­ção

Se­gu­ran­ça e nacionalismo são abor­da­dos na ci­mei­ra tal co­mo a imi­gra­ção

Jornal de Angola - - MUNDO -

Sem o Rei­no Uni­do, lí­de­res dos 27 Es­ta­dos-mem­bros da União Eu­ro­peia es­ti­ve­ram reu­ni­dos on­tem na Ci­mei­ra de Bra­tis­la­va, Es­lo­vá­quia, em bus­ca de uma am­pla re­for­ma pa­ra ga­ran­tir a so­bre­vi­vên­cia e ten­tar sal­var o fu­tu­ro do blo­co eu­ro­peu.

A ci­mei­ra de Bra­tis­la­va acon­te­ce nu­ma al­tu­ra em que há te­mor de uma “rup­tu­ra ge­ne­ra­li­za­da”, im­pul­si­o­na­da pe­la as­cen­são dos par­ti­dos na­ci­o­na­lis­tas, de­pois do re­fe­ren­do que apro­vou a saí­da do Rei­no Uni­do do blo­co eu­ro­peu.

Da agenda do en­con­tro, que não in­cluiu o “bre­xit” nem con­tou com a pre­sen­ça da pri­mei­ra-mi­nis­tra bri­tâ­ni­ca, The­re­sa May, cons­tou o re­for­ço das fron­tei­ras ex­ter­nas da União Eu­ro­peia e no­vas pro­mes­sas de es­tí­mu­los a in­ves­ti­men­tos, nu­ma al­tu­ra em que a aumenta de­si­lu­são dos cid­dãos eu­ro­peus pe­la in­ca­pa­ci­da­de do blo­co de su­pe­rar uma cri­se eco­nó­mi­ca que se ar­ras­ta des­de 2008, de con­tro­lar o mai­or flu­xo mi­gra­tó­rio des­de a II Gu­er­ra Mun­di­al e de evi­tar aten­ta­dos ter­ro­ris­tas.

“As pes­so­as es­tão pre­o­cu­pa­das com o que per­ce­bem co­mo fal­ta de con­tro­lo e me­dos re­la­ci­o­na­dos à imi­gra­ção, ter­ro­ris­mo e glo­ba­li­za­ção”, la­men­tou o pre­si­den­te do Con­se­lho eu­ro­peu, Do­nald Tusk.

A pri­mei­ra ci­mei­ra de Bru­xe­las sem o Rei­no Uni­do foi con­si­de­ra­da por Do­nald Tusk, nas vi­si­tas que efec­tu­ou às ca­pi­tais eu­ro­pei­as, co­mo “a gran­de opor­tu­ni­da­de” pa­ra a Eu­ro­pa “re­to­mar o con­tro­lo po­lí­ti­co do fu­tu­ro co­mum.”

Além do cep­ti­cis­mo em re­la­ção à União Eu­ro­peia, re­for­ça­do de­pois da apro­va­ção da saí­da do Rei­no Uni­do do blo­co co­mum, as elei­ções ge­rais pre­vis­tas pa­ra o pró­xi­mo ano na Ale­ma­nha, França e Ho­lan­da, com par­ti­dos eu­ro­cép­ti­cos e acu­sa­dos de xe­no­fo­bia, bem ava­li­a­dos nas pes­qui­sas de opi­nião, tam­bém pre­o­cu­pam o ve­lho con­ti­nen­te.

O par­ti­do de ex­tre­ma direita Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD) já con­se­guiu es­te ano os seus melhores re­sul­ta­dos his­tó­ri­cos nas úl­ti­mas elei­ções re­gi­o­nais no país.

Na Áus­tria, o FPÖ, tam­bém de ex­tre­ma direita, é o fa­vo­ri­to nas elei­ções pre­si­den­ci­ais do pró­xi­mo 2 de Ou­tu­bro. Já na Itália, on­de o par­ti­do de ex­tre­ma es­quer­da Mo­vi­men­to 5 Stel­le (M5S) con­quis­tou re­cen­te­men­te a pre­fei­tu­ra de Ro­ma, o Governo de cen­tro es­quer­da de Mat­teo Ren­zi se­rá pos­to à pro­va num ple­bis­ci­to so­bre uma re­for­ma cons­ti­tu­ci­o­nal que di­mi­nui os po­de­res do Se­na­do.

A ci­mei­ra de Bru­xe­las foi de­fi­ni­da co­mo uma opor­tu­ni­da­de pa­ra es­cla­re­cer o ca­mi­nho que o blo­co pre­ten­de se­guir e rei­te­rar a união dos 27 paí­ses que vão per­ma­ne­cer na UE de­pois da saí­da bri­tâ­ni­ca.

O en­con­tro de­cor­reu nu­ma al­tu­ra em que o blo­co eu­ro­peu es­tá di­vi­di­do: de um la­do os cha­ma­dos paí­ses do Me­di­ter­râ­neo (França, Gré­cia, Itália, Por­tu­gal, Mal­ta e Chi­pre) e do ou­tro la­do, as an­ti­gas re­pú­bli­cas so­vié­ti­cas que in­te­gram o cha­ma­do gru­po de Vi­se­gra­do (Hun­gria, Po­ló­nia, Re­pú­bli­ca Che­ca e Es­lo­vá­quia).

Os paí­ses do Me­di­ter­râ­neo de­fen­dem “uma Eu­ro­pa di­fe­ren­te”, com me­nos aus­te­ri­da­de e mais po­lí­ti­cas de cres­ci­men­to, in­cluin­do uma ex­ten­são do ac­tu­al pla­no eu­ro­peu de in­ves­ti­men­tos em in­fra-es­tru­tu­ras, as­sim co­mo o sis­te­ma de re­dis­tri­bui­ção de re­fu­gi­a­dos en­tre os paí­ses eu­ro­peus, adop­ta­do por mai­o­ria, mas ig­no­ra­do pe­lo gru­po de Vi­se­gra­do, pa­ra o qual as­sun­tos co­mo es­se “são de in­te­res­se na­ci­o­nal e de­vem fi­car lon­ge da in­fluên­cia de Bru­xe­las.”

An­tes da ci­mei­ra de Bru­xe­las, o úni­co pon­to em co­mum pa­re­cia ser a se­gu­ran­ça. Há con­sen­so so­bre a ne­ces­si­da­de de con­tro­lar-se os do­cu­men­tos de to­dos os vi­a­jan­tes que cru­zam as fron­tei­ras ex­ter­nas da União Eu­ro­peia e de in­ten­si­fi­car-se as ex­pul­sões e proi­bi­ções de en­trar no blo­co eu­ro­peu pa­ra es­tran­gei­ros con­si­de­ra­dos ra­di­cais.

A Ale­ma­nha e a França que­rem cri­ar um “quar­tel-ge­ne­ral” eu­ro­peu pa­ra co­or­de­nar a co­o­pe­ra­ção mi­li­tar, as­sis­tên­cia mé­di­ca e in­ter­câm­bio de da­dos, en­tre os exér­ci­tos na­ci­o­nais, e um or­ça­men­to co­mum pa­ra a pes­qui­sa mi­li­tar e compra de equi­pa­men­tos.

O gru­po de Vi­se­gra­do apoia a ini­ci­a­ti­va ale­mã e fran­ce­sa e a che­fe da di­plo­ma­cia eu­ro­peia, Fe­de­ri­ca Moghe­ri­ni, já pro­me­teu apre­sen­tar ain­da es­te ano um pro­jec­to con­cre­to so­bre a ma­té­ria.

AFP

Lí­de­res eu­ro­peus abor­da­ram em Bra­tis­la­va sem a pre­sen­ça do Rei­no Uni­do o fu­tu­ro do blo­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.