Diá­lo­go é ca­mi­nho pa­ra a es­ta­bi­li­da­de

Jornal de Angola - - MUNDO -

A ac­ti­vis­ta mo­çam­bi­ca­na Gra­ça Machel afir­mou, em Ma­pu­to, “que se Moçambique ti­ves­se per­sis­ti­do na pos­tu­ra di­a­lo­gan­te do an­ti­go Che­fe de Es­ta­do Jo­a­quim Chis­sa­no ti­nha con­se­gui­do man­ter a paz.”

Ao dis­cur­sar num se­mi­ná­rio, na ca­pi­tal mo­çam­bi­ca­na, a viú­va dos fa­le­ci­dos Pre­si­den­tes mo­çam­bi­ca­no e sul-afri­ca­no, Sa­mo­ra Machel, e, Nel­son Man­de­la, dis­se que a gé­ne­se do con­fli­to po­lí­ti­co e mi­li­tar que opõe o Governo e a Re­na­mo, prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção, “é a adop­ção de uma pos­tu­ra pou­co to­le­ran­te e fe­cha­da, que mar­cou a go­ver­na­ção de Ar­man­do Gu­e­bu­za”, que em 2005 su­ce­deu a Jo­a­quim Chis­sa­no na che­fia do Es­ta­do.

“O pro­ble­ma es­tá aí e ago­ra a 'ba­ta­ta quen­te' pas­sou pa­ra as mãos de al­guém que é qua­se da vos­sa ge­ra­ção [Filipe Nyu­si, ac­tu­al Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no]”, de­cla­rou, acres­cen­tan­do que a cri­se po­lí­ti­ca em Moçambique se­rá ul­tra­pas­sa­da “quan­do as li­de­ran­ças po­lí­ti­cas ga­nha­rem co­ra­gem de fa­zer o im­pen­sá­vel.”

Moçambique, pros­se­guiu, pre­ci­sa de rein­ven­tar os seus pró­pri­os mo­de­los, res­pei­tan­do a di­nâ­mi­ca e as exi­gên­ci­as dos no­vos tem­pos, den­tro de um cli­ma de to­le­rân­cia e de trans­pa­rên­cia pa­ra ga­ran­tir o fu­tu­ro dos mo­çam­bi­ca­nos.

“Pre­ci­sa­mos de so­nhos co­muns”, afir­mou e ob­ser­vou que o dis­cur­so da lu­ta contra a po­bre­za co­mo ob­jec­ti­vo co­mum dos mo­çam­bi­ca­nos “es­tá es­go­ta­do e não po­de ser as­su­mi­do co­mo uma uto­pia co­mum.”

“Ho­je, vo­cês têm o de­sa­fio da bus­ca de uma paz du­ra­dou­ra, vol­tem ao es­pí­ri­to de Jo­a­quim Chis­sa­no, pro­cu­rem en­con­trá-lo, es­te é o de­sa­fio”, con­cluiu. Com o te­ma “Sa­mo­ra Machel: vi­da, pen­sa­men­to e obra”, a pa­les­tra en­qua­dra-se nas ce­le­bra­ções do 30º ano da mor­te do pri­mei­ro Pre­si­den­te de Moçambique e jun­tou, além de es­tu­dan­tes, pes­qui­sa­do­res e aca­dé­mi­cos.

En­tre­tan­to, as de­le­ga­ções do Governo mo­çam­bi­ca­no e da Re­na­mo vol­ta­ram, quar­ta-fei­ra, a di­ver­gir so­bre um acor­do de ces­sar-fo­go e a des­lo­ca­ção dos me­di­a­do­res de paz à Go­ron­go­sa, pa­ra fa­la­rem com o lí­der do prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção, Afon­so Dh­la­ka­ma.

Um co­mu­ni­ca­do li­do, quar­ta-fei­ra à noi­te, em Ma­pu­to, por Ma­rio Raf­fa­el­li, co­or­de­na­dor da equi­pa de me­di­a­ção in­ter­na­ci­o­nal, di­zia que de­pois de mais uma ses­são das ne­go­ci­a­ções de paz em Ma­pu­to, a Re­na­mo con­ti­nua a con­di­ci­o­nar uma tré­gua tem­po­rá­ria ao afas­ta­men­to das For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da ser­ra da Go­ron­go­sa, no cen­tro do país, on­de pre­su­mi­vel­men­te se en­con­tra Afon­so Dh­la­ka­ma.

A de­le­ga­ção do Governo su­ge­riu a ava­li­a­ção de ou­tras pro­pos­tas pa­ra a cri­a­ção de se­gu­ran­ça, pa­ra a des­lo­ca­ção dos me­di­a­do­res à Go­ron­go­sa, mas dis­cor­da da exi­gên­cia do prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção, por­que, rei­te­ra, “as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça cum­prem em to­do o ter­ri­tó­rio uma mis­são de Es­ta­do cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te con­sa­gra­da.”

Na se­gun­da-fei­ra, o Governo e a Re­na­mo re­to­ma­ram as ne­go­ci­a­ções de paz, de­pois de cer­ca de três se­ma­nas de in­ter­reg­no, a pe­di­do dos me­di­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais.

AFP

Gra­ça Machel cri­ti­cou o que qua­li­fi­cou de “pos­tu­ra pou­co di­a­lo­gan­te” do an­te­ri­or Governo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.