Ex­por­ta­ção de cru­de au­men­ta­da na Lí­bia

Jornal de Angola - - MUNDO -

A Com­pa­nhia Na­ci­o­nal Pe­tro­lí­fe­ra (NOC), em­pre­sa es­ta­tal pe­tro­lí­fe­ra da Lí­bia, anun­ci­ou on­tem que en­cer­rou a de­cla­ra­ção de for­ça mai­or em al­guns dos seus prin­ci­pais por­tos e es­tá a re­to­mar as ex­por­ta­ções de pe­tró­leo.

“As ex­por­ta­ções vão ser re­to­ma­das ime­di­a­ta­men­te em Zu­ei­ti­na e Ras La­nuf e vão con­ti­nu­ar em Bre­ga... As ex­por­ta­ções vão re­co­me­çar em Es Si­der as­sim que pos­sí­vel”, dis­se o pre­si­den­te da Com­pa­nhia Na­ci­o­nal Pe­tro­lí­fe­ra da Lí­bia.

Mus­ta­fa Sa­nal­la acres­cen­tou que o Governo de União Na­ci­o­nal de Tri­po­li, apoi­a­do pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), pe­la Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN) e pe­las po­tên­ci­as oci­den­tais, e o Par­la­men­to de To­bruk, ba­se­a­do no les­te do país e não re­co­nhe­ci­do pe­la OTAN ou pe­las po­tên­ci­as oci­den­tais, apoi­a­ram a reabertura dos por­tos, que fo­ram re­con­quis­ta­dos no dia 11 des­te mês por for­ças le­ais ao ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar.

O ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar é dos mai­o­res opo­si­to­res do Governo de União Na­ci­o­nal de Tri­po­li e a to­ma­da de qua­tro por­tos que es­ta­vam em po­der de for­ças ali­nha­das com o Governo de União Na­ci­o­nal ele­va­ram os te­mo­res de que po­de­ri­am ocor­rer no­vos con­fli­tos em tor­no dos re­cur­sos de pe­tró­leo da Lí­bia.

“A Com­pa­nhia Na­ci­o­nal Pe­tro­lí­fe­ra es­tá a ge­ren­ci­ar os por­tos. Eles es­tão se­gu­ros e nós já es­ta­mos em con­tac­to com os nos­sos par­cei­ros co­mer­ci­ais in­ter­na­ci­o­nais”, afir­mou Mus­ta­fa Sa­na­la. A Lí­bia, ga­ran­tiu, po­de ele­var a pro­du­ção pa­ra 600 mil bar­ris de pe­tró­leo por dia (bpd) den­tro de um mês e pa­ra 950 mil até o fim ano, an­te 290 mil ac­tu­al­men­te, acres­cen­tou.

As For­ças Ar­ma­das Lí­bi­as en­tre­ga­ram to­dos os ter­mi­nais pe­tro­lí­fe­ros do Cres­cen­te Pe­tro­lí­fe­ro, que há dois di­as es­ta­vam sob o seu con­tro­lo, aos guar­das da Com­pa­nhia Na­ci­o­nal Pe­tro­lí­fe­ra (NOC), anun­ci­a­ram fon­tes ofi­ci­ais na quar­ta-fei­ra.

O Governo lí­bio de To­bruk, que per­deu o re­co­nhe­ci­men­to da ONU, OTAN e po­tên­ci­as oci­den­tais, de­pois da cri­a­ção do Governo de União Na­ci­o­nal de Tri­po­li, in­di­cou num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do na ter­ça-fei­ra ter re­ce­bi­do ins­tru­ções do pre­si­den­te Par­la­men­to de Tro­bruk, tam­bém não re­co­nhe­ci­do pe­las po­tên­ci­as oci­den­tais, pa­ra en­tre­gar es­tes ter­mi­nais pe­tro­lí­fe­ros, lo­ca­li­za­dos nas zo­nas de Ze­oui­ti­na e do Cres­cen­te Pe­tro­lí­fe­ro, à Com­pa­nhia Na­ci­o­nal Pe­tro­lí­fe­ra (NOC).

O Exér­ci­to lí­bio to­mou o con­tro­lo des­tes ter­mi­nais cin­co anos de­pois da sua ocu­pa­ção anár­qui­ca pe­los fo­ra-da-lei. O Governo su­bli­nhou que es­tes ter­mi­nais “re­pre­sen­tam um bem co­mum dos lí­bi­os e só po­dem ser ge­ri­dos pe­la NOC.”

Os con­fli­tos re­gis­ta­dos des­de a re­vol­ta de 2011 re­du­zi­ram a pro­du­ção de pe­tró­leo do país pa­ra uma frac­ção dos 1,6 mi­lhões de bpd que a Lí­bia já pro­du­ziu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.