De­fen­di­da em Me­non­gue mai­or par­ti­ci­pa­ção sin­di­cal

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - CAR­LOS PAU­LI­NO |

Fun­ci­o­ná­ri­os de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das do Cu­an­do Cu­ban­go fo­ram exor­ta­dos a es­tar mais uni­dos em as­so­ci­a­ções sin­di­cais, pa­ra me­lhor rei­vin­di­ca­rem os seus di­rei­tos. O ape­lo foi fei­to quin­ta-fei­ra, em Me­non­gue, pe­la se­cre­tá­ria pa­ra os as­sun­tos ju­rí­di­co-la­bo­rais e so­ci­ais da União Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res An­go­la­nos (UNTA-CS).

Fi­lo­me­na António Soares de­fen­deu tal po­si­ção du­ran­te uma pa­les­tra so­bre “A im­por­tân­cia do as­so­ci­a­ti­vis­mo sin­di­cal”, on­de ex­pli­cou que as as­so­ci­a­ções sin­di­cais pro­te­gem os di­rei­tos e de­ve­res dos tra­ba­lha­do­res, pa­ra que se­jam cum­pri­dos na ín­te­gra, uma vez que nem to­dos os em­pre­ga­do­res cum­prem com a le­gis­la­ção.

Re­al­çou que a UNTA-CS es­tá pre­o­cu­pa­da com o si­lên­cio de mui­tas as­so­ci­a­ções sin­di­cais a ní­vel do país, ten­do em vis­ta que os tra­ba­lha­do­res têm to­do o de­ver de rei­vin­di­car quan­do es­ti­ve­rem a sen­tir os seus di­rei­tos le­sa­dos, o que não cons­ti­tui cri­me ne­nhum.

Por es­ta ra­zão, anun­ci­ou que a UNTA-CS cri­ou pa­ra to­das as pro­vín­ci­as co­mis­sões que vão vi­si­tar tri­mes­tral­men­te as res­pec­ti­vas áre­as de ju­ris­di­ção, pa­ra que pos­sam acom­pa­nhar me­lhor as prin­ci­pais ac­ti­vi­da­des que se re­a­li­zam e as di­fi­cul­da­des que os sin­di­ca­tos en­fren­tam no que to­ca à de­fe­sa dos seus as­so­ci­a­dos. Fi­lo­me­na Soares su­bli­nhou que os tra­ba­lha­do­res ins­cri­tos em as­so­ci­a­ções sin­di­cais es­tão me­lhor pro­te­gi­dos, daí ha­ver pou­cos ca­sos de atro­pe­la­dos dos seus di­rei­tos ou de de­mis­sões sem jus­ta cau­sa no seio des­tes. Fez sa­ber que a ac­ção sin­di­cal es­tá plas­ma­da na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, no ar­ti­go 50º, e es­pe­lha que de­ve ser da­do ao tra­ba­lha­dor o di­rei­to à cri­a­ção de uma as­so­ci­a­ção sin­di­ca­lis­ta em prol da sua de­fe­sa e de­ver.

Des­ta­cou que a as­so­ci­a­ção sin­di­cal de qual­quer país só tem êxi­to se o ca­pi­tal hu­ma­no ou os seus mem­bros se or­ga­ni­za­rem e se­rem co­nhe­ce­do­res da Lei Ge­ral do Tra­ba­lho, pa­ra que pos­sam fun­da­men­tar as su­as re­vin­di­ca­ções, co­mo pôr em prá­ti­ca o di­rei­to à gre­ve, ne­go­ci­a­ção co­lec­ti­va e à li­ber­da­de sin­di­cal.

“Os sin­di­ca­tos aju­dam a aca­bar com os con­fli­tos la­bo­rais per­ma­nen­tes que, na sua mai­o­ria, são re­sul­tan­tes de in­cum­pri­men­tos re­cor­ren­tes aos acor­dos co­lec­ti­vos de tra­ba­lho e da in­frac­ção da le­gis­la­ção la­bo­ral”, dis­se a res­pon­sá­vel.

A se­cre­tá­ria da UNTA-CS avan­çou que as as­so­ci­a­ções sin­di­cais de­vem es­tar em con­tac­to re­gu­lar com os ju­ris­tas pa­ra que se­jam ori­en­ta­das em con­for­mi­da­de com a lei. Fi­lo­me­na Soares, a tam­bém co­or­de­na­do­ra do gru­po de acom­pa­nha­men­to da UNTA-CS na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, la­men­tou o fac­to de mui­tos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos não cum­pri­rem com os seus de­ve­res, so­bre­tu­do as oi­to ho­ras de ser­vi­ço diá­rio, pre­ju­di­can­do o cres­ci­men­to das su­as em­pre­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.