An­go­la pas­sa a ter di­rei­to a vo­to

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - CÉ­SAR AN­DRÉ |

An­go­la en­trou pa­ra a lis­ta de na­ções com di­rei­to a vo­to na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Ce­gos, pe­lo fac­to de o país ter, ac­tu­al­men­te, mais de vin­te mi­lhões de ha­bi­tan­tes, co­mo re­co­men­dam os es­ta­tu­tos da or­ga­ni­za­ção.

A in­clu­são de An­go­la foi con­fir­ma­da na V As­sem­bleia Mun­di­al pa­ra o Bem-es­tar do Ce­go, re­a­li­za­da, re­cen­te­men­te, em Or­lan­do, ci­da­de ame­ri­ca­na da Fló­ri­da, na qual par­ti­ci­pa­ram mais de 300 de­le­ga­dos de 195 paí­ses do mun­do e ex­po­si­to­res de equi­pa­men­tos pa­ra as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al.

A en­tra­da do país na lis­ta das na­ções com di­rei­to a vo­to é re­sul­tan­te de uma pro­pos­ta le­va­da à reu­nião pe­la de­le­ga­ção an­go­la­na, che­fi­a­da pe­lo pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Apoio aos De­fi­ci­en­tes Vi­su­ais, Ma­nu­el Do­min­gos Ti­a­go.

Em declarações, on­tem ao Jor­nal de An­go­la, Ma­nu­el Do­min­gos Ti­a­go in­for­mou que, de acor­do com o no­vo es­ta­tu­to, An­go­la pas­sa, a par­tir da pró­xi­ma as­sem­bleia mun­di­al, a ter di­rei­to a dois vo­tos e a qua­tro de­le­ga­dos.

Os es­ta­tu­tos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Ce­gos re­fe­rem que os paí­ses com di­rei­to a vo­to são aque­les com uma po­pu­la­ção de mais de vin­te mi­lhões de ha­bi­tan­tes, um nú­me­ro de que o país já dis­põe e que veio à luz quan­do foi di­vul­ga­do, em 2015, o re­sul­ta­do do Cen­so da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção, re­a­li­za­do no ano an­te­ri­or. O cen­so po­pu­la­ci­o­nal de 2014, o pri­mei­ro re­a­li­za­do em An­go­la de­pois do al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, con­ta­bi­li­zou 24 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, 22 anos de­pois de o país ter si­do ad­mi­ti­do na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al dos Ce­gos.

Es­ta­tís­ti­cas ofi­ci­ais in­di­cam que mais de 50 mil ci­da­dãos em An­go­la são invisuais, al­guns dos quais por te­rem si­do ví­ti­mas de do­en­ças co­mo a di­a­be­tes, me­nin­gi­te e on­co­cer­co­se, es­ta úl­ti­ma tam­bém co­nhe­ci­da co­mo “ce­guei­ra dos ri­os”.

O con­fli­to ar­ma­do cau­sou tam­bém pro­ble­mas de vi­são a mi­lha­res de an­go­la­nos, en­tre ci­vis e mi­li­ta­res, mui­tos dos quais fi­ca­ram nes­sa si­tu­a­ção por te­rem ac­ci­o­na­do mi­nas e ou­tros en­ge­nhos ex­plo­si­vos.

No­vo lí­der

Além de ter dis­cu­ti­do as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos com o bem-es­tar dos ce­gos, o con­gres­so, que se re­a­li­za de qua­tro em qua­tro anos, ele­geu o nor­te-ame­ri­ca­no Fre­dric Sch­ro­e­der pa­ra o car­go de pre­si­den­te da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Ce­gos e o es­pa­nhol Fer­nan­do Ri­a­no pa­ra pri­mei­ro vi­ce­pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção.

O en­con­tro, pro­mo­vi­do em par­ce­ria com o Con­se­lho In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Edu­ca­ção de Pes­so­as com De­fi­ci­ên­cia Vi­su­al, ele­geu ain­da a tan­za­ni­a­na Elly Ma­cha pa­ra exer­cer a fun­ção de se­gun­da vi­ce-pre­si­den­te, o in­di­a­no Akitn Mit­tal pa­ra se­cre­tá­rio-ge­ral e o ne­o­ze­lan­dês Mar­ti­nes Abel Wil­li­am­son pa­ra te­sou­rei­ro da or­ga­ni­za­ção.

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) es­ti­ma que ha­ja no mun­do mais de 33 mi­lhões de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al.

Ma­nu­el Do­min­gos Ti­a­go re­pre­sen­tou o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.