“O Pre­ço do Fa­to” en­cer­ra fes­ta das ar­tes

CEN­TRA­LI­DA­DE DO KI­LAM­BA Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro pres­ta ho­me­na­gem a Agos­ti­nho Ne­to

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL ALBANO |

A peça de te­a­tro “O Pre­ço do Fa­to” é a pro­pos­ta do gru­po Pi­ta­bel pa­ra o en­cer­ra­men­to, ho­je, às 20 ho­ras, da 1.ª edi­ção do Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro (CIT), ini­ci­a­do a 1 de Ju­lho no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes), na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba.

No pal­co, o gru­po de te­a­tro de­mons­tra as con­sequên­ci­as do cho­que de cul­tu­ras, atra­vés da his­tó­ria fic­tí­cia de Cristina, uma jo­vem na­tu­ral de Mban­za Con­go, que cres­ce em Lu­an­da e vê a sua re­la­ção amo­ro­sa em ris­co de­vi­do à tra­di­ção.

“O Pre­ço do Fa­to” mos­tra a di­ver­si­da­de cul­tu­ral de re­giões do Nor­te de An­go­la, ain­da as­sen­tes no con­ser­va­do­ris­mo. A peça foi apre­sen­ta­da nos Fes­ti­vais In­ter­na­ci­o­nais de Te­a­tro de Min­de­lo (Min­de­lact), em Ca­bo Ver­de, e de Lín­gua Por­tu­gue­sa, no Bra­sil.

Na sua lon­ga car­rei­ra, a com­pa­nhia de te­a­tro Pi­ta­bel re­ce­beu vá­ri­as dis­tin­ções, com des­ta­que pa­ra o Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes, em 2010. Cons­ti­tuí­da por 15 ac­to­res, a com­pa­nhia en­ce­nou, en­tre ou­tras, as pe­ças “De Quem é a Cul­pa” e “Mis­sos­so”, adap­ta­da do li­vro ho­mó­ni­mo de Ós­car Ri­bas.

Dan­ça tra­di­ci­o­nal

De acor­do com o pro­gra­ma de en­cer­ra­men­to do CIT, o gru­po de dan­ça tra­di­ci­o­nal Kus­san­gu­lu­ka abre a fes­ta às 18h30, com um es­pec­tá­cu­lo de apro­xi­ma­da­men­te meia ho­ra.

Fun­da­do a 6 de Se­tem­bro de 1997, no mu­ni­cí­pio da In­gom­bo­ta, em Lu­an­da, o Kus­san­gu­lu­ka ex­plo­ra as

Pi­ta­bel des­cre­ve o cho­que de cul­tu­ras en­tre as so­ci­e­da­des tra­di­ci­o­nal e mo­der­na

raí­zes cul­tu­rais do país nas dan­ças po­pu­la­res co­mo sem­ba, re­bi­ta, ka­zu­tu­ta, xin­gui­la­men­to e tchi­an­da. Es­tes es­ti­los vão ser apre­sen­ta­dos em co­re­o­gra­fi­as sin­cro­ni­za­das pe­los 35 in­te­gran­tes do gru­po, com­pos­to por bai­la­ri­nos e per­cus­si­o­nis­tas.

O co­ro mu­si­cal in­te­gra­do pe­los alu­nos do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes) apre­sen­ta às 19 ho­ras uma rap­só­dia du­ran­te dez mi­nu­tos, pa­ra de­pois os alu­nos do Com­ple­xo de Es­co­las de Ar­tes (Ce­art) de­cla­ma­rem po­e­mas do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, Agos­ti­nho Ne­to. Se­gue-se a exi­bi­ção do gru­po de dan­ça tra­di­ci­o­nal Tre­mu­ra Show, in­te­gra­do por alu­nos do Com­ple­xo de Es­co­las de Ar­tes.

Mú­si­ca no te­a­tro

A mú­si­ca e o te­a­tro vão es­tar pre­sen­tes no es­pec­tá­cu­lo de Al­fre­do Hos­si, au­tor do dis­co “Amor sem li­mi­tes”, lan­ça­do em 2009.

Al­fre­do Hos­si, ven­ce­dor do Fes­ti­val da Can­ção Ci­da­de de Lu­an­da em 2008, com o te­ma “O tom de Lu­an­da”, vai igual­men­te in­ter­pre­tar te­mas do seu pró­xi­mo dis­co “Dou tu­do”. O Cir­cui­to In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro (CIT) es­tá en­qua­dra­do no pro­jec­to “Cul­tu­ra pa­ra To­dos”, nu­ma ini­ci­a­ti­va da com­pa­nhia de te­a­tro Pi­ta­bel, que re­a­li­za des­de 1 de Ju­lho es­pec­tá­cu­los de te­a­tro, se­mi­ná­ri­os e me­sas­re­don­das so­bre ar­tes cé­ni­cas to­dos os fins-de-se­ma­na.

A com­pa­nhia in­fan­til de te­a­tro fran­ce­sa Cie à Ti­roirs apre­sen­ta ho­je, às 16 ho­ras, a peça “Ce n’est pas com­mo­de” (Is­so não é có­mo­do), no Isar­tes, na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, in­se­ri­da no pro­gra­ma do CIT.

Ama­nhã, a com­pa­nhia in­fan­til de te­a­tro Mi­ra­gens apre­sen­ta às 16 ho­ras, no pal­co do Isar­tes, a peça “Brin­can­do de Cin­de­re­la”.

Ca­sais sem fi­lhos

O gru­po Fe­lo­ma Mus­san­za­la, fun­da­do em 2007, apre­sen­ta ama­nhã, às 20 ho­ras, no Isar­tes, a peça “On­de não há água, há mos­ca”, es­cri­ta por Emí­lio Do­min­go Go­mes, in­te­gra­da na pro­gra­ma­ção do “Cul­tu­ra pa­ra To­dos”.

A peça ba­seia-se em fac­tos do dia-a-dia em so­ci­e­da­des con­ser­va­do­ras, on­de os ta­bus e a dis­cri­mi­na­ção afec­tam os ca­sais que não con­se­guem ge­rar fi­lhos.

“On­de não há água, há mos­ca” re­tra­ta o dra­ma de um ca­sal que não con­se­gue ge­rar fi­lhos du­ran­te 15 anos. O ca­sal en­fren­ta pro­ble­mas psi­co­ló­gi­cos por cau­sa da dis­cri­mi­na­ção da so­ci­e­da­de e das fa­mí­li­as. “Que­re­mos aju­dar as fa­mí­li­as a ul­tra­pas­sar os pro­ble­mas e não a cri­ar si­tu­a­ções pa­ra a se­pa­ra­ção”, dis­se Emí­lio Do­min­gos Go­mes.

PAU­LI­NO DAMIÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.