Se­lec­ção Na­ci­o­nal jo­ga car­ta­da de­ci­si­va

DE­FRON­TA HO­JE AS ILHAS COMORES Es­tá­dio da Gló­ria re­ce­be “bap­tis­mo” nas pro­vas da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na

Jornal de Angola - - DESPORTO - ANTÓNIO DE BRI­TO |

A Se­lec­ção Na­ci­o­nal Sub-17 de Fu­te­bol de­fron­ta ho­je, às 16 ho­ras, no Es­tá­dio da Gló­ria, da Aca­de­mia de Fu­te­bol de An­go­la (AFA), a con­gé­ne­re das Ilhas Comores, em par­ti­da re­fe­ren­te à pri­mei­ra mão da úl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria de apu­ra­men­to pa­ra o Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN), a de­cor­rer em 2017, em Ma­da­gás­car.

Com a eli­mi­na­tó­ria a ser dis­pu­ta­da a du­as mãos, o con­jun­to an­go­la­no dá o tu­do ou na­da, com o ob­jec­ti­vo de con­se­guir um re­sul­ta­do his­tó­ri­co, que lhe per­mi­ta vi­a­jar de for­ma tran­qui­la pa­ra o re­du­to da for­ma­ção ad­ver­sá­ria.

A par­ti­ci­pa­ção de An­go­la no CAN da ca­te­go­ria es­tá de­pen­den­te do des­fe­cho des­ta par­ti­da, em­bo­ra ain­da te­nha a pos­si­bi­li­da­de de cor­ri­gir um per­cal­ço nas Comores. Mas o “on­ze” na­ci­o­nal tem a obri­ga­ção de ven­cer o jo­go e evi­tar so­frer qual­quer go­lo.

Fren­te à des­co­nhe­ci­da equi­pa das Ilhas Comores, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal tem de abor­dar o jo­go com cau­te­la e re­ti­rar o mai­or pro­vei­to das fa­ci­li­da­des que o con­jun­to ad­ver­sá­rio ve­nha a apre­sen­tar.

Sem­pre que a equi­pa na­ci­o­nal per­der a bo­la, os jo­ga­do­res têm de exer­cer pres­são al­ta so­bre os ad­ver­sá­ri­os, de mo­do a di­fi­cul­tar as su­as ac­ções ofen­si­vas. A se­lec­ção das Comores pri­vi­le­gia os contra-ata­ques rá­pi­dos. A mai­o­ria dos jo­ga­do­res con­vo­ca­dos ac­tu­am em França.

A Se­lec­ção de An­go­la tem de ser in­te­li­gen­te a jo­gar, re­ti­ran­do sem­pre a ini­ci­a­ti­va de jo­go ao ad­ver­sá­rio. Pa­ra ga­ran­tir o apu­ra­men­to pa­ra a mai­or pro­va do fu­te­bol afri­ca­no a ní­vel de Sub-17, a equi­pa tem de op­tar pe­los ata­ques pla­ne­a­dos, o elo mais fra­co dos ad­ver­sá­ri­os. É uma se­lec­ção, que ata­ca mais do que de­fen­de. Os pu­pi­los de Si­mão Lan­gui­nha têm de ser ágeis na tran­si­ção da bo­la da de­fe­sa pa­ra o ata­que.

De­fen­si­va­men­te, An­go­la tem de apre­sen­tar-se co­e­sa, com uma li­nha in­ter­mé­dia ima­gi­na­ti­va e ca­paz de mu­ni­ci­ar com efi­cá­cia o ata­que.

À se­me­lhan­ça do jo­go com as Ilhas Mau­rí­ci­as, o se­lec­ci­o­na­dor Si­mão Lan­gui­nha de­ve en­trar com a se­guin­te equi­pa: N’se­sa­ni à ba­li­za e quarteto de­fen­si­vo for­ma­do por Ca­pi­tão, Ba­sí­lio, Eu­cli­des e Fi­e­te. No meio-cam­po, o se­lec­ci­o­na­dor an­go­la­no de­po­si­ta con­fi­an­ça em Fer­nan­do, Or­lan­do, Gel­son e Me­lo­no. As “des­pe­sas” do ata­que es­tão en­tre­gues a Abí­lio e Adal­mi­ro, num cla­ro (4-4-2). No en­tan­to, o se­lec­ci­o­na­dor po­de ser obri­ga­do a mu­dar es­te “on­ze”, já que o ca­pi­tão Adal­mi­ro es­tá em dú­vi­da, de­vi­do a le­são ines­pe­ra­da, ca­so não re­cu­pe­re. Na an­te­pe­núl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal es­te­ve isenta. Lo­go a se­guir, ob­te­ve du­plo triun­fo di­an­te das Ilhas Mau­rí­ci­as (1-0 e 4-0). Es­te es­ca­lão etá­rio há qua­tro anos que não com­pe­tia nas pro­vas sob a égi­de da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de Fu­te­bol (CAF). Nu­ma gen­ti­le­za do pre­si­den­te do FC Bra­vos do Ma­quis, Ma­nu­el Augusto “Do­cas”, jo­ga­do­res e equi­pa téc­ni­ca ga­nha­ram al­gum co­nhe­ci­men­to so­bre o ad­ver­sá­rio, ao vi­si­o­na­rem on­tem as ima­gens do jo­go en­tre Moçambique e Ilhas Comores.

JO­SÉ SOARES

De­pois da ex­ce­len­te pres­ta­ção na eli­mi­na­tó­ria an­te­ri­or jo­ga­do­res da se­lec­ção que­rem co­me­çar a “ca­rim­bar o passe” pa­ra o CAN

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.