Tributo de An­go­la a Pedro Pa­ca­vi­ra

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­te­ve no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes no en­ter­ro do na­ci­o­na­lis­ta

Jornal de Angola - - PORTADA - CÂNDIDO BES­SA ADELINA INÁ­CIO e KÁTIA RA­MOS|

Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra foi on­tem a en­ter­rar no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes. Mi­lha­res de pes­so­as as­so­ci­a­ram-se à ho­me­na­gem a uma fi­gu­ra his­tó­ri­ca da cons­tru­ção da no­va An­go­la in­de­pen­den­te.

O na­ci­o­na­lis­ta e his­tó­ri­co do MPLA Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra foi a en­ter­rar on­tem no Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, num am­bi­en­te de pro­fun­da co­mo­ção. Nu­ma tar­de de sol aber­to, com a tem­pe­ra­tu­ra aci­ma dos 30 graus, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, foi dar o úl­ti­mo adeus àque­le que é con­si­de­ra­do um dos pre­cur­so­res da lu­ta contra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês e que ocu­pou vá­ri­os car­gos de des­ta­que no Governo.

An­tes, no pe­río­do da ma­nhã, no Pa­lá­cio dos Con­gres­sos, on­de Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra es­te­ve co­mo de­pu­ta­do na co­mis­são de Edu­ca­ção, Cul­tu­ra e As­sun­tos Re­li­gi­o­sos e Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al des­de 2014, al­tu­ra em que dei­xou o car­go de em­bai­xa­dor de An­go­la na Itália, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, acom­pa­nha­do da Pri­mei­ra Da­ma, Ana Paula dos San­tos, ren­deu­lhe ho­me­na­gem. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca che­gou por vol­ta das 10h00 e di­ri­giu-se ao cai­xão. Em sen­ti­do, ou­viu o Hi­no Na­ci­o­nal e cur­vou-se em si­nal de res­pei­to pro­fun­do. De sem­blan­te car­re­ga­do, cum­pri­men­tou a fa­mí­lia. O Pre­si­den­te não fa­lou na ce­ri­mó­nia. No Ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, a gran­de­za de Pa­ca­vi­ra fi­cou ain­da mais evi­den­te. As pa­la­vras da­que­les que com ele con­vi­ve­ram e tra­ba­lha­ram enal­te­ce­ram as su­as qua­li­da­des co­mo pai, con­se­lhei­ro, ami­go e pa­tri­o­ta a tem­po in­tei­ro, res­pei­to­so e que mui­to se pre­o­cu­pa­va com o bem-es­tar de to­dos.

O de­pu­ta­do Ju­lião Ma­teus Pau­lo “Di­no Ma­tros­se”, que leu o elo­gio fú­ne­bre, con­si­de­rou Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra um pa­tri­o­ta e fi­gu­ra his­tó­ri­ca do nacionalismo an­go­la­no, que sou­be de­fen­der a in­de­pen­dên­cia do país contra o re­gi­me co­lo­ni­al por­tu­guês. Num dis­cur­so car­re­ga­do de emo­ção, o de­pu­ta­do lem­brou o per­cur­so de vi­da do co­le­ga e com­pa­nhei­ro de ar­mas, su­bli­nhan­do a sua mis­são, ins­pi­ra­ção, pa­tri­o­tis­mo, ide­ais e en­tre­ga às cau­sas do país des­de jo­vem, quan­do mo­bi­li­zou es­tu­dan­tes pa­ra cír­cu­los po­lí­ti­cos clan­des­ti­nos, tor­nan­do-se um mem­bro ac­ti­vo do Mo­vi­men­to de In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal de An­go­la.

Di­no Ma­tros­se dis­se que o país ain­da con­ta­va com a experiência de Pa­ca­vi­ra e o seu con­tri­bu­to pa­ra a con­so­li­da­ção da paz e pro­gres­so so­ci­al, va­lo­res que pau­ta­ram to­da a sua vi­da. En­quan­to mi­li­tan­te, re­cor­dou o com­pa­nhei­ro, Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra nun­ca va­ci­lou di­an­te das di­fi­cul­da­des, e a sua en­tre­ga ao MPLA e ao país va­le­ram-lhe as me­da­lhas dos 50 anos do MPLA, além da 10 de De­zem­bro, De­o­lin­da Rodrigues e Ho­ji ya Hen­da, dis­tin­ções atri­buí­das pe­lo par­ti­do que aju­dou a fun­dar, em 1956, e do qual foi fi­el até ao mo­men­to da sua mor­te.

Do es­tran­gei­ro tam­bém vi­e­ram re­co­nhe­ci­men­tos pe­lo seu em­pe­nho e de­di­ca­ção. O Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção dis­tin­guiu o seu tra­ba­lho, as­sim co­mo o Es­ta­do cu­ba­no, que lhe atri­buiu a me­da­lha Ami­za­de An­go­laCu­ba. Lou­vor tam­bém do Ministério dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da Itália, país on­de foi em­bai­xa­dor an­go­la­no. Pa­ca­vi­ra tam­bém re­pre­sen­tou os in­te­res­ses do Es­ta­do an­go­la­no em Cu­ba, Ni­ca­rá­gua e jun­to da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das. An­tes já ti­nha si­do mi­nis­tro dos Trans­por­tes e da Agri­cul­tu­ra, além de go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Cu­an­za Nor­te, pro­vín­cia on­de nas­ceu em 1939.

Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra tam­bém foi lem­bra­do pe­la sua veia de es­cri­tor. Foi au­tor de “Gen­tes do Ma­to”, “Bo­ne­ca”, “Nzin­ga Mban­di”, “Nda­la­tan­do em Cha­mas”, “4 de Fe­ve­rei­ro pe­los Pró­pri­os” e “JES – Uma Vi­da em prol da Pá­tria”, de­di­ca­do ao Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Mas uma obra ul­tra­pas­sou fron­tei­ras e é con­si­de­ra­da, pe­la crí­ti­ca, uma peça pre­ci­o­sa pa­ra me­lhor com­pre­en­der o pe­río­do con­tur­ba­do en­tre a que­da do fas­cis­mo em Por­tu­gal e a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia de An­go­la, à meia-noi­te de 11 de No­vem­bro de 1975: “An­go­la e o Mo­vi­men­to Re­vo­lu­ci­o­ná­rio dos Ca­pi­tães de Abril em Por­tu­gal – Me­mó­ri­as (1974 – 1976)”.

“’As Me­mó­ri­as’ de Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra so­bre es­te pe­río­do da his­tó­ria de An­go­la, es­cri­tas num rit­mo em­pol­gan­te e su­bli­nha­do pe­la ora­li­da­de, que é ma­triz da mo­der­na li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, re­ve­lam fac­tos, si­tu­a­ções e pro­ta­go­nis­tas que aju­dam a com­pre­en­der o que es­ta­va em jo­go num pe­río­do em que a ‘Gu­er­ra-Fria’ es­ta­va no au­ge em Áfri­ca”, es­cre­ve a edi­to­ra.

No li­vro, Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra re­ve­la igual­men­te fac­tos que eram des­co­nhe­ci­dos e que vão aju­dar a cla­ri­fi­car al­gu­mas eta­pas do pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção e, so­bre­tu­do, a evo­lu­ção do MPLA des­de o mo­men­to em que foi di­la­ce­ra­do pe­las cha­ma­das “re­vol­tas” in­ter­nas até à con­quis­ta do po­der po­lí­ti­co. Por is­so, é tam­bém con­si­de­ra­do um con­tri­bu­to ines­ti­má­vel à com­pre­en­são do pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção e os acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos na an­ti­ga co­ló­nia por­tu­gue­sa, en­tre 25 de Abril de 1974 e Mar­ço de 1976, da­ta em que se re­ti­ra­ram de An­go­la os in­va­so­res sul-afri­ca­nos.

Em no­me dos com­pa­nhei­ros, Di­no Ma­tros­se afir­mou: “Foi-se o com­ba­ten­te que sou­be fa­zer a lu­ta em to­das as fren­tes. Ga­nhou to­das, dei­xou a sua mar­ca e o de­sa­fio aos da sua ge­ra­ção e não só, pa­ra que não ne­gli­gen­ci­em a me­mó­ria co­lec­ti­va dos an­go­la­nos, pa­ra a qual con­tri­buiu com os seus es­cri­tos”.

Mo­men­tos de emo­ção

Em no­me da fa­mí­lia, o so­bri­nho Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra Jú­ni­or re­cor­dou o Tio Pa­ca co­mo um gran­de in­cen­ti­va­dor da for­ma­ção dos jo­vens. “É um gran­de exem­plo pa­ra a fa­mí­lia e pa­ra to­dos, uma per­da ir­re­pa­rá­vel”, afir­mou, di­an­te do úni­co fi­lho do na­ci­o­na­lis­ta, Wa­tan­na Fei­jó Pa­ca­vi­ra, ba­nha­do em lá­gri­mas e abra­ça­do à mãe, Bran­ca Fei­jó Pa­ca­vi­ra, ne­gan­do a par­ti­da do seu pro­tec­tor na­tu­ral. Es­se foi um dos mo­men­tos mais emo­ci­o­nan­tes pa­ra quem es­te­ve on­tem no Al­to das Cru­zes.

Prá­ti­ca da fé cris­tã

Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra tam­bém de­mons­trou a prá­ti­ca da fé cris­tã. O re­ve­ren­do do dis­tri­to Ecle­siás­ti­co da Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da do Cu­an­za Nor­te vi­a­jou até Lu­an­da pa­ra acom­pa­nhar o cris­tão que um dia, co­mo go­ver­na­dor, des­co­briu que não ha­via na sua re­gião uma es­tru­tu­ra da igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da e os cren­tes fa­zi­am as ora­ções ao re­len­to, ex­pos­tos ao sol e à chu­va, e de­ci­diu cons­truir o tem­plo. Jo­a­quim Ma­nu­el da Cos­ta afir­mou que Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra, mes­mo co­mo go­ver­na­dor da pro­vín­cia, pra­ti­cou a fé cris­tã. Os ami­gos de in­fân­cia lem­bram-no tam­bém co­mo aman­te do des­por­to, um in­cen­ti­va­dor de pe­que­nos tor­nei­os no bair­ro on­de nas­ceu e cres­ceu.

Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra nas­ceu no dia no 14 de Ou­tu­bro de 1939, na fa­zen­da La­lui­nha, no mu­ni­cí­pio do Go­lun­go-Al­to. Ini­ci­ou os es­tu­dos na Es­co­la Evan­gé­li­ca Me­to­dis­ta até à quar­ta clas­se. Te­ve in­fluên­cia re­li­gi­o­sa do seu pri­mei­ro pro­fes­sor, Fran­cis­co Cris­ti­a­no, que tam­bém exer­cia a fun­ção de pas­tor na Igre­ja.

O ma­lo­gra­do cres­ceu no bair­ro do Ma­te­te, mu­ni­cí­pio do Go­lun­goAl­to, si­tu­a­do no ci­mo de uma das ele­va­ções da vi­la, on­de es­te­ve si­tu­a­da a Igre­ja e a es­co­la que fre­quen­tou. Mui­to ce­do, o en­tão pro­fes­sor e pas­tor no­tou que Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra já re­ve­la­va uma ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al mui­to abran­gen­te, trans­for­man­do-o as­sim em alu­no e pro­fes­sor ao mes­mo tem­po.

Em 1955, in­gres­sou na vi­da po­lí­ti­ca no MPLA, pa­ra ser pre­so em 1960. De­pois de cum­prir 14 anos, foi pos­to em li­ber­da­de por seis me­ses, pa­ra ser no­va­men­te de­ti­do. Des­ta vez, foi con­si­de­ra­do um ele­men­to al­ta­men­te pe­ri­go­so, por de­fen­der a de­mo­cra­cia e a in­de­pen­dên­cia de An­go­la. Le­va­do pa­ra o Tar­ra­fal, Ca­bo Ver­de, Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra pas­sou pe­la ca­deia do Bié e Mis­som­bo, no Cu­an­do Cu­ban­go. No mes­mo ano é li­ber­ta­do na com­pa­nhia de Agos­ti­nho Ne­to, Fran­cis­co António dos San­tos, João Jú­lio For­tu­na­to e Ce­les­te Mas­san­go. Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra de­sem­pe­nhou as fun­ções de di­rec­tor-ge­ral dos Por­tos e Ca­mi­nhos­de-Ferro de An­go­la, em 1976. Em 1977, co­mo co­or­de­na­dor do de­par­ta­men­to de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal do MPLA, era ao mes­mo tem­po mi­nis­tro dos Trans­por­tes.

Até à da­ta da sua mor­te era, des­de 2014, de­pu­ta­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, in­te­gra­do na co­mis­são de Edu­ca­ção, Cul­tu­ra, As­sun­tos Re­li­gi­o­sos e Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al.

O Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, que ace­le­rou o re­gres­so de Kinsha­sa, on­de es­te­ve a par­ti­ci­par na aber­tu­ra do ano le­gis­la­ti­vo na qua­li­da­de de pre­si­den­te do Fó­rum par­la­men­tar dos Gran­des La­gos, era, ele tam­bém, um ho­mem pro­fun­da­men­te cons­ter­na­do. Co­mo dis­se o de­pu­ta­do Di­no Ma­tros­se, o país cho­rou on­tem “o de­sa­pa­re­ci­men­to fí­si­co de um dos seus melhores fi­lhos”.

JOÃO GO­MES

Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra foi on­tem a en­ter­rar

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos de­po­si­tou uma co­roa de flo­res em ho­me­na­gem a Ma­nu­el Pedro Pa­ca­vi­ra di­an­te de ti­tu­la­res dos ór­gãos de so­be­ra­nia e de­pu­ta­dos

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Viú­va Bran­ca Fei­jó Pa­ca­vi­ra e Wa­tan­na Fei­jó Pa­ca­vi­ra fi­lho do com­ba­ten­te da pá­tria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.