Ce­gos têm di­rei­tos me­lhor acau­te­la­dos

Se­gun­do o mi­nis­tro da Edu­ca­ção fac­to sig­ni­fi­ca um avan­ço no en­si­no es­pe­ci­al

Jornal de Angola - - PORTADA -

Du­as gran­des no­vi­da­des pa­ra as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al. Foi inau­gu­ra­da quin­ta-fei­ra, no dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel, a pri­mei­ra grá­fi­ca de pro­du­ção de li­vros em “Brail­le” e ma­te­ri­al es­pe­cí­fi­co pa­ra os ce­gos.

A pro­du­ção de li­vros de lín­gua ges­tu­al e ma­nu­ais di­dác­ti­cos em brail­le re­pre­sen­ta um êxi­to no aten­di­men­to aos alu­nos com de­fi­ci­ên­cia, con­si­de­rou na quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção.

Pin­da Si­mão fez es­ta afir­ma­ção no ac­to inau­gu­ral da pri­mei­ra grá­fi­ca de pro­du­ção brail­le e ma­te­ri­al es­pe­cí­fi­co, lo­ca­li­za­da no dis­tri­to ur­ba­no do Ran­gel.

O mi­nis­tro es­cla­re­ceu que a grá­fi­ca foi cri­a­da pa­ra aten­der os alu­nos com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al, pro­du­zin­do ma­te­ri­al di­dác­ti­co es­pe­cí­fi­co que vai aju­dar a me­lho­rar a sua apren­di­za­gem em to­dos os ní­veis de en­si­no, o que, dis­se, re­pre­sen­ta um im­por­tan­te passo nos es­for­ços do Exe­cu­ti­vo pa­ra a edu­ca­ção in­clu­si­va.

O ti­tu­lar da Edu­ca­ção deu a co­nhe­cer que o Exe­cu­ti­vo es­tá a ela­bo­rar a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção Es­pe­ci­al, que vai re­gu­lar os ser­vi­ços de apoio à edu­ca­ção es­pe­ci­al e in­clu­si­va. “Es­tão a ser em­pre­en­di­dos es­for­ços pa­ra a for­ma­ção dos do­cen­tes, pa­ra aten­de­rem a edu­ca­ção es­pe­ci­al na pers­pec­ti­va in­clu­si­va”, dis­se.

A grá­fi­ca pro­ce­de­rá à im­pres­são de gui­as e de ou­tros do­cu­men­tos me­to­do­ló­gi­cos pa­ra o en­si­no da lín­gua por­tu­gue­sa, o có­di­go uni­fi­ca­do de ma­te­má­ti­ca, fí­si­ca, quí­mi­ca e gra­fis­mo.

Alu­nos con­tro­la­dos

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do En­si­no Es­pe­ci­al (INEE), afec­to ao Ministério da Edu­ca­ção, con­tro­la 20 mil e 900 alu­nos com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, deu a co­nhe­cer na quin­ta­fei­ra, em Lu­an­da, o di­rec­tor-ge­ral da ins­ti­tui­ção.

Jor­ge Pedro ex­pli­cou que pa­ra aten­der es­te nú­me­ro de ci­da­dãos exis­tem três es­co­las de en­si­no es­pe­ci­al em Lu­an­da, e, em to­do o país, mil e 700 es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no in­clu­si­vo, 700 sa­las de en­si­no es­pe­ci­al e 20 cen­tros de apoio à in­clu­são.

Num am­bi­en­te ge­ral de sa­tis­fa­ção, pe­lo avan­ço que re­pre­sen­ta a inau­gu­ra­ção da grá­fi­ca, mem­bros da co­mu­ni­da­de de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al, ou­vi­dos pe­la An­gop, fi­ze­ram al­gu­mas ob­ser­va­ções per­ti­nen­tes.

“Gos­ta­ria que não se cin­gis­se ape­nas aos li­vros aca­dé­mi­cos, mas que tam­bém pro­du­zis­se publicações li­te­rá­ri­as e ci­en­tí­fi­cas”, dis­se Ma­nu­el Ma­teus, alu­no da 6ª clas­se. Já o di­rec­tor da Es­co­la do En­si­no Es­pe­ci­al Ós­car Ri­bas, Pedro Ma­nu­el, re­fe­riu que a grá­fi­ca é uma mais-va­lia, “vis­to que a trans­cri­ção dos ma­nu­ais le­va­va mui­to tem­po pa­ra ser fei­ta.”

Pa­ra a es­tu­dan­te Mar­ga­reth Filipe, que fre­quen­ta a 8ª clas­se na es­co­la Ós­car Ri­bas, é pre­ci­so que quem de di­rei­to se pre­o­cu­pe com a aber­tu­ra de sa­las de au­la de in­for­má­ti­ca pa­ra as pes­so­as ce­gas, pois, co­mo dis­se, os de­fi­ci­en­tes vi­su­ais tam­bém pre­ci­sam de acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co.

A es­tu­dan­te sa­li­en­tou que mui­tos es­tu­dan­tes com de­fi­ci­ên­cia vi­su­al têm di­fi­cul­da­de de in­gres­sar no en­si­no su­pe­ri­or por fal­ta de co­nhe­ci­men­tos e do­mí­nio de in­for­má­ti­ca, o que cria bar­rei­ras pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al.

AN­GOP

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção Pin­da Si­mão to­mou con­tac­to com al­gu­mas das pri­mei­ras publicações im­pres­sas pe­la grá­fi­ca es­pe­ci­a­li­za­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.