A pro­cla­ma­ção da Aca­de­mia de Le­tras

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ RI­BEI­RO |

Não po­dia pas­sar des­per­ce­bi­da a pro­cla­ma­ção da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras (AAL) no dia 15 de Se­tem­bro, no au­di­tó­rio do Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to. Tan­to pe­lo sig­ni­fi­ca­do do ac­to de apre­sen­ta­ção dos mem­bros fun­da­do­res e dos cor­pos ge­ren­tes, após o Ma­ni­fes­to di­vul­ga­do no dia 7 de Se­tem­bro, co­mo pe­lo pa­no­ra­ma que ro­deia ho­je a pro­du­ção e a re­cep­ção literária na­ci­o­nal, o nas­ci­men­to da AAL é um acon­te­ci­men­to que ge­ra na­tu­ral cu­ri­o­si­da­de e in­te­res­se.

Dé­ca­das de con­fli­tu­a­li­da­de não im­pe­di­ram, ape­sar de tu­do, uma cri­a­ção literária de gran­de va­lor, que atra­ves­sou mes­mo fron­tei­ras, pro­van­do que mes­mo em cri­se o pen­sa­men­to hu­ma­no é fér­til em pro­du­ção. Ago­ra em cli­ma de paz, em con­tex­to de con­so­li­da­ção das es­tru­tu­ras do Es­ta­do e de uma ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca for­te­men­te in­flu­en­ci­a­da pe­lo “on-li­ne”, que pro­duz um re­ju­ve­nes­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal e faz emer­gir no­vas clas­ses so­ci­ais e no­vos pro­du­tos cul­tu­rais, é im­por­tan­te con­gre­gar to­da a pro­du­ção acu­mu­la­da nu­ma ins­ti­tui­ção in­de­pen­den­te, uni­fi­ca­do­ra e cer­ti­fi­ca­do­ra da cri­a­ção literária.

Es­te de­síg­nio não ca­be, pe­lo que o pas­sa­do nos en­si­na, nem no âm­bi­to do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, nem no qua­dro da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA). Ao in­cluí­rem, aliás, os seus re­pre­sen­tan­tes no ac­to de pro­cla­ma­ção da AAL, co­mo se as­so­ci­a­ram per­so­na­li­da­des de di­ver­sas sen­si­bi­li­da­des po­lí­ti­cas na­ci­o­nais, tu­do de­bai­xo do tec­to do Me­mo­ri­al de Ne­to, o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e a UEA não po­de­ri­am pres­tar me­lhor ser­vi­ço a qu­em qui­ses­se ilus­trar a di­fe­ren­ci­a­ção de fun­ções en­tre ca­da uma das su­as ins­ti­tui­ções e a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras. O que é im­por­tan­te é que os ma­les de ca­da uma de­las não con­ta­mi­ne as ou­tras e, prin­ci­pal­men­te, que o no­vo re­ben­to que pre­ci­sa de co­me­çar a ga­ti­nhar, dar os pri­mei­ros pas­sos e an­dar fir­me e sau­dá­vel, se­ja pre­ser­va­do da ins­tru­men­ta­li­za­ção que pre­ju­di­ca a qua­li­da­de.

Além da as­so­ci­a­ção do MC e da UEA, ou­tro por­me­nor cha­mou a aten­ção na ce­ri­mó­nia de pro­cla­ma­ção da AAL. Foi per­cep­tí­vel a pre­sen­ça de gran­des no­mes da in­te­lec­tu­a­li­da­de an­go­la­na, a co­me­çar pe­lo gi­gan­te das es­tó­ri­as, da cró­ni­ca e do conto an­go­la­no, Ar­nal­do San­tos, pe­lo gran­de in­ves­ti­ga­dor so­ci­al, Ar­lin­do Bar­bei­tos, e por mui­tos es­tu­di­o­sos, re­ve­lan­do a im­por­tân­cia e o va­lor re­al que a Aca­de­mia tem. Mas en­tre os au­sen­tes, foi no­tó­ria a do pró­prio pre­si­den­te da Me­sa da As­sem­bleia Ge­ral, Ar­tur Pes­ta­na “Pe­pe­te­la” (em vi­a­gem no Bra­sil), com vas­ta obra literária for­te­men­te cru­za­da com a So­ci­o­lo­gia da His­tó­ria, e de mui­tos ou­tros cu­jos no­mes se­ria fas­ti­di­o­so enu­me­rar e que têm obra pu­bli­ca­da e va­li­o­sos sub­sí­di­os a dar à Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras.

Di­go is­to por­que os pri­mei­ros in­te­lec­tu­ais a da­rem a “ca­ra” pa­ra o nas­ci­men­to da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras fo­ram, no­me­a­da­men­te, Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, Pe­pe­te­la, Henrique Gu­er­ra e Jo­sé Luís Men­don­ça. Eles cri­a­ram uma gran­de ex­pec­ta­ti­va à vol­ta do que se su­põe ser um pro­jec­to avan­ça­do e qua­li­ta­ti­va­men­te exi­gen­te em ter­mos cul­tu­rais. São in­te­lec­tu­ais que de­ram provas de um tra­ba­lho de ri­gor li­te­rá­rio e ci­en­tí­fi­co pa­ra nos ofe­re­ce­rem obras de al­to ní­vel e que, sa­be­mos, não nos vão de­cep­ci­o­nar – a nós, me­ros ob­ser­va­do­res – na con­cre­ti­za­ção dos ob­jec­ti­vos da Aca­de­mia An­go­la­na.

O es­sen­ci­al dos ob­jec­ti­vos pre­ten­di­dos es­tá re­su­mi­do num ex­cer­to ex­traí­do do Ma­ni­fes­to e dis­tri­buí­do pe­los can­di­da­tos da lis­ta úni­ca con­cor­ren­te aos cor­pos ge­ren­tes. Tal ex­cer­to diz: “Ho­je, pe­ran­te os no­vos e gran­des de­sa­fi­os cul­tu­rais e so­ci­ais, os es­cri­to­res e in­ves­ti­ga­do­res so­ci­ais an­go­la­nos reu­ni­dos em tor­no da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras as­su­mem e re­no­vam o com­pro­mis­so se­cu­lar de tra­ba­lhar pa­ra a dig­ni­fi­ca­ção das Lín­guas Na­ci­o­nais, da Li­te­ra­tu­ra e dos Es­tu­dos So­ci­ais Na­ci­o­nais, hon­ran­do o gé­nio cri­a­dor e in­ven­ti­vo do Ho­mem An­go­la­no, e ba­se­a­dos na bri­lhan­te tra­di­ção das ge­ra­ções pre­ce­den­tes, co­lo­cam o con­jun­to da sua ac­ção cri­a­ti­va e dos sa­be­res en­dó­ge­nos her­da­dos ao lon­go dos sé­cu­los, ao ser­vi­ço das po­pu­la­ções, das co­mu­ni­da­des e dos po­vos, e em es­pe­ci­al, das ge­ra­ções vin­dou­ras”.

Tra­ta-se de uma von­ta­de e de uma pro­mes­sa ver­da­dei­ra­men­te no­bres, nin­guém du­vi­da, e por is­so es­ta­mos to­dos à es­pe­ra de co­me­çar a ver a obra da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras. Até lá, fi­ca a ideia de que a pro­cla­ma­ção da AAL se cons­ti­tuiu em mais um gran­de acon­te­ci­men­to da ac­ti­vi­da­de cul­tu­ral em An­go­la, que es­tá ver­da­dei­ra­men­te em cres­cen­do em qua­li­da­de, em es­ca­la e em ex­ten­são. Se as coi­sas as­sim con­ti­nu­a­rem, só o país tem a ga­nhar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.