De­si­gual­da­des so­ci­ais ori­gi­nam vi­o­lên­cia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A vi­ce-pre­si­den­te ces­san­te da Fe­de­ra­ção De­mo­crá­ti­ca In­ter­na­ci­o­nal de Mu­lhe­res (FDIM) e se­cre­tá­ria-ge­ral da OMA, Lu­zia In­glês Van-Dúnem “In­ga”, de­fen­deu sex­ta-fei­ra em Bogotá que a vi­o­lên­cia de gé­ne­ro se de­ve às de­si­gual­da­des so­ci­ais en­tre o se­xo fe­mi­ni­no e o mas­cu­li­no, nor­mas cul­tu­rais e tra­di­ci­o­nais, cren­ças, prá­ti­cas e ati­tu­des.

Fa­lan­do no XVI Con­gres­so da FDIM so­bre o te­ma “Mu­lher Afri­ca­na – lu­tas, avan­ços e con­quis­tas”, que de­cor­re na Colôm­bia Lu­zia In­glês fri­sou que Áfri­ca apre­sen­ta ele­va­das ta­xas de vi­o­lên­cia ba­se­a­da no gé­ne­ro, so­bre­tu­do con­tra a mu­lher e a ra­pa­ri­ga.

A di­ri­gen­te fe­mi­ni­na acres­cen­tou que o au­men­to da par­ti­ci­pa­ção da mu­lher na re­so­lu­ção de con­fli­tos­nos ní­veis de to­ma­da de de­ci­são e a pro­tec­ção das que vi­vem em si­tu­a­ção de con­fli­tos re­quer re­for­mas na go­ver­na­ção, equi­pan­do as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas com in­cen­ti­vo, pro­fi­ci­ên­cia, in­for­ma­ção e pro­ce­di­men­tos pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des da mu­lher.

Lu­zia In­glês su­bli­nhou que a cul­tu­ra afri­ca­na tem pa­drões es­pe­cí­fi­cos que des­ta­cam o pa­pel da mu­lher na ma­nu­ten­ção da fa­mí­lia e re­for­çam o seu en­ga­ja­men­to no de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al das co­mu­ni­da­des, vis­to que ela tem por na­tu­re­za vo­ca­ção pa­ra a trans­mis­são dos va­lo­res cí­vi­cos e mo­rais às no­vas ge­ra­ções. As mu­lhe­res afri­ca­nas con­tri­bu­em pa­ra a eco­no­mia fa­mi­li­ar, os sis­te­mas de pro­du­ção de ali­men­tos e a eco­no­mia na­ci­o­nal e pro­va dis­so é que mais de 70 por­cen­to das pes­so­as que im­ple­men­tam ac­ções de co­mér­cio tran­sac­ci­o­nais, ge­ran­do cer­ca de 30 mi­lhões de dó­la­res por ano pa­ra as eco­no­mi­as da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na, são mu­lhe­res.

Se­gun­do a di­ri­gen­te da OMA, o con­ti­nen­te afri­ca­no, e as mu­lhe­res em par­ti­cu­lar,en­fren­tam gran­des de­sa­fi­os na pro­mo­ção e pro­tec­ção dos seus di­rei­tos, aces­so à edu­ca­ção e à as­sis­tên­cia mé­di­ca, for­ma­ção e ca­pa­ci­ta­ção pro­fis­si­o­nal, par­ti­ci­pa­ção na vi­da po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca so­ci­al e cul­tu­ral, con­so­li­da­ção da paz, pro­tec­ção do am­bi­en­te e com­ba­te à po­bre­za. Pa­ra ela, a dis­cri­mi­na­ção da jo­vem mu­lher,o ca­sa­men­to e as gra­vi­de­zes pre­co­ces, a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca eos con­fli­tos ar­ma­dos cau­sam ins­ta­bi­li­da­de so­ci­al e re­tar­dam o de­sen­vol­vi­men­to do con­ti­nen­te.

A vi­ce-pre­si­den­te ces­san­te da FDIM con­si­de­rou a Dé­ca­da da Mu­lher Afri­ca­na uma pla­ta­for­ma pa­ra ace­le­rar as po­lí­ti­cas so­bre o gé­ne­ro, com uma mai­or par­ti­ci­pa­ção da mu­lher nos ór­gãos de de­ci­são, no po­der eco­nó­mi­co e no em­pre­en­de­do­ris­mo.

“In­ga” su­bli­nhou que os tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais têm si­do im­por­tan­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das mu­lhe­res em Áfri­ca e que a III Con­fe­rên­cia Mun­di­al da Mu­lher, ce­le­bra­da em Nai­ro­bi em 1985, pos­si­bi­li­tou que as mu­lhe­res do he­mis­fé­rio sul co­lo­cas­sem a sua voz na agen­da mun­di­al.

JO­SÉ SO­A­RES

Lu­zia Van-Dúnem fa­lou das cau­sas da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e pe­diu pro­tec­ção às mu­lhe­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.